Resenha - ¡Uno! - Green Day

WHIPLASH.NET - Rock e Heavy Metal!

Resenha - ¡Uno! - Green Day


  | Comentários:

Ao chegar a uma certa idade, algumas bandas de rock começam a passar por um grande dilema: como conseguir manter o interesse de seus antigos fãs sem cair na mesmice e, ao mesmo tempo, conseguir angariar novos séquitos. Olhando para a discografia de grupos como o AC/DC, Slayer e Motorhead essa parece uma tarefa fácil. Mas a grande maioria dos grupos sabem dos perigos que o tempo traz a uma banda de rock (não é mesmo, Pete Townshend?). Com o lançamento do primeiro álbum da trilogia ¡Uno!, ¡Dos! e ¡Tré! o Green Day prova que, as vezes, dá pra envelhecer e continuar sendo legal.

Nota: 7

O texto representa a opinião do autor, não do Whiplash.Net ou de seus editores.

Imagem
Ah, sim, você não leu errado. A banda resolveu lançar três álbuns! Em menos de três meses!!! Isso em uma época em que as grandes gravadoras buscam cada vez mais minimizar custos para tentar otimizar lucros. Mostra de que, na atual e falida indústria fonográfica, quem manda são as bandas. E quem ganha são os fãs...

¡Uno!, o primeiro da trilogia foi lançado em 25 de setembro, ¡Dos! estará nas lojas a partir do dia 13 de novembro e ¡Tré! sai em 11 de dezembro.

O Green Day foi formado em 1987, uma época em que o punk estava ensaiando uma volta à grande mídia, principalmente na Califórnia. Desde o final dos anos 80, o ensolarado estado da costa oeste estado unidense foi o celeiro de muitas bandas do estilo: Offspring, Operation Ivy, Rancid, Bad Religion, NOFX e o próprio Green Day são os nomes mais famosos dessa cena.

Depois do sucesso do multi-premiado Dookie, de 1994, o Green Day sempre se manteve em evidência. A partir do lançamento de Nimrod (1997), a banda começou a incorporar novos elementos em seu punk rock. Seja através de baladas acústicas e ao piano (influenciadas pelos Beatles do final dos anos 60), música folk ou, até mesmo, uma imersão em influências mais progressivas (como o Queen do começo de carreira e a fase "rock-ópera" do The Who), a banda sempre buscou novos ingredientes para enriquecer sua música, mas sem perder o estilo. É aquela história, por mais diferente que a banda tente soar, você ouve alguns poucos segundos de uma canção e já saca que é o Green Day.

Os últimos lançamentos da banda se caracterizaram por uma certa pompa e, como comentado no parágrafo acima, uma maior influência do rock progressivo. "American Idiot" e "21st Century Breakdown" foram o que podemos chamar de "óperas-rock", no melhor estilo "Tommy". Depois dessa incursão em composições um pouco mais intricadas para os padrões da banda ( e para os padrões do público médio do grupo) era aguardado um lançamento com a, sempre tão festejada, "volta às raízes". Em ¡Uno! foi exatamente o que o grupo entregou. Só que a banda foi além de suas próprias raízes, e buscou inspiração não só nos alicerces do estilo musical que mais se enquadram (no caso, o punk) mas também nas bases do próprio rock.

A influência de The Clash, que antes aparecia de forma mais tímida, dessa vez esta bem latente. Logo no primeiro acorde de "Nuclear Family", música que abre o álbum, vem a mente a introdução de "Safe European Home" da clássica banda inglesa. "Kill the DJ", com seu ritmo grooveado e bastante dançante também lembra bastante o Clash da fase "London Calling" em diante. Uma das músicas mais diferentes de toda a discografia do Green Day, e uma grata surpresa!

O solos estão melhores do que nunca. Não espere ouvir escalas em modo frígio, semi-colcheias na velocidade da luz e arpeggios supersônicos. O que temos aqui é a boa e velha pentatônica. Mas já é algo além dos solos oitavados de outrora. A banda mostra que ouviu bastante AC/DC do final dos anos 70 durante o processo criativo do trabalho. E, vamos falar a verdade, existe escala mais rock 'n roll do que a pentatônica?! Chuck Berry, Stevie Ray Vaughan, Eric Clapton, Tony Iommi, David Gilmour, Jimi Hendrix e tantos outros gênios do instrumento que o digam... A sacana "Troublemaker" (bem ao estilo do Stooges), traz o melhor solo em uma música da banda até agora. E a interpretação de Billie Joe nos vocais é muito divertida, lembrando bastante o porra-louca do Iggy Pop.

Outro fator que também contribui para toda essa sonoridade mais "vintage" é a produção. A mixagem e as timbragens (principalmente das guitarras e do vocal, cheio de reverb e delay) lembram bastante as utilizadas no final dos anos 70 por bandas como o próprio The Clash, Stiff Little Fingers, Replacements, Cheap Tricks entre outros grupos clássicos do punk e do power pop daquela época. "Angel Blue" e "Feel for you" remetem ao que algumas dessas bandas já fizeram.

Em alguns momentos vêm à cabeça aquela lembrança do que a banda fazia em álbuns como Dookie e Kerplunk! (1992), além de canções como "Carpe Diem" e "Stay the night" que nos remetem diretamente ao injustiçado Warning! (2000). Como dito anteriormente, por mais que a banda sempre traga novos elementos para agregar ao seu punk rock, dá pra sacar na hora que se trata do Green Day. Isso, para os que já não vão muito com a cara do grupo, pode não ser muito bom. Mas, com certeza a banda não fez o álbum pensando nos seus detratores. Em alguns casos, porém, essa característica atrapalha um pouco. "Sweet 16" é o melhor exemplo, e será facilmente esquecida por todos (talvez até pela banda...). Nada que comprometa o trabalho como um todo, pois ele se mantém interessante do começo ao fim.

Ao final da audição o resultado é positivo. A banda soube dosar suas características mais fortes com uma maior influência de bandas clássicas e produziu, acima de qualquer coisa, um álbum de rock muito divertido, mostrando que o tempo só os fez bem. Nada mal para uma banda que já passa dos vinte e cinco anos de idade...

Green Day - ¡Uno!

1. "Nuclear Family"
2. "Stay the Night"
3. "Carpe Diem"
4. "Let Yourself Go"
5. "Kill the DJ"
6. "Fell for You"
7. "Loss of Control"
8. "Troublemaker"
9. "Angel Blue"
10. "Sweet 16"
11. "Rusty James"
12. "Oh Love"

Criado em 1996, Whiplash.Net é o mais completo site sobre Rock e Heavy Metal em português. Em março de 2013 o site teve 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas e 8.590.108 pageviews. Redatores, bandas e promotores podem colaborar pelo link ENVIAR MATERIAL no topo do site.


  | Comentários:

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs
Todas as matérias sobre "Green Day"

Acoustic-4-a-Cure: Hetfield, Billie e Hagar em evento beneficente
Green Day: álbum com inéditas para Rock Store Day 2014
Green Day: qual época da banda é a melhor?
Green Day: banda anuncia pausa nas atividades em 2014
Drogas e Álcool: protagonistas nos piores shows de grandes astros
Green Day: banda relança coletânea em vinil
Metallica: sonhando sair em turnê com U2 e Green Day
Greenday: confira cenas dos bastidores de documentário
MusicRadar: os 40 shows mais disputados do mundo
Punk: 10 músicos que são mais ricos do que você pensa
Queen: 60 mil cantando Bohemian Rhapsody em show do Green Day
Green Day: 10 coisas que você não sabe sobre a banda
Maloik #14: com Goatlove, Command6, Firehouse e Green Day
Green Day: disco mostra o amadurecimento musical da banda
Green Day: Billie Joe irritado com o músico coreano Psy

Os comentários são postados usando scripts do FACEBOOK e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Pense antes de escrever; os outros usuários e colaboradores merecem respeito;
Não seja agressivo, não provoque e não responda provocações com outras provocações;
Seja gentil ao apontar erros e seja útil usando o link de ENVIO DE CORREÇÕES;
Lembre-se de também elogiar quando encontrar bom conteúdo. :-)

Trolls, chatos de qualquer tipo e usuários que quebram estas regras podem ser banidos sem aviso. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Sobre Sérgio Fernandes

Paulistano desde abril de 1988, Sérgio Fernandes é baterista da banda CARAPUÇA (www.youtube.com/tvcarapuca), diretor de imagem e produtor multimídia do portal Terra e formado em Rádio e TV pela UNISA em São Paulo no ano de 2009. Ouve rock desde pequeno por influência de seus pais. Entre suas bandas preferidas estão Sepultura, Rolling Stones, Rancid, Muse, Fresno, Slayer e qualquer outra que toque algo que lhe agradar os ouvidos, nunca se fechando a gêneros e estilo, mantendo a mente aberta a novas experiências sonoras. E-mail para críticas e sugestões: [email protected]

Mais matérias de Sérgio Fernandes no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

QUEM SOMOS | ANUNCIAR | ENVIAR MATERIAL | FALE CONOSCO

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em março: 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas, 8.590.108 pageviews.


Principal

Resenhas

Seções e Colunas

Temas

Bandas mais acessadas

NOME
1Iron Maiden
2Guns N' Roses
3Metallica
4Black Sabbath
5Megadeth
6Ozzy Osbourne
7Kiss
8Led Zeppelin
9Slayer
10AC/DC
11Angra
12Sepultura
13Dream Theater
14Judas Priest
15Van Halen

Lista completa de bandas e artistas mais acessados na história do site

Matérias mais lidas