Resenha - No Dust Stuck on You - Black Drawing Chalks

WHIPLASH.NET - Rock e Heavy Metal!

Resenha - No Dust Stuck on You - Black Drawing Chalks


  | Comentários:

Quem ouviu a banda Black Drawing Chalks em meados de 2009, com o então recém lançado "Life is a Big Holiday for Us" certamente não imaginou que se tratasse de uma banda brasileira, pois as guitarras distorcidas, as melodias arrastadas e as letras em inglês certamente sugeriam que se tratasse de uma nova banda do Oregon ou da Califórnia.

Nota: 7

O texto representa a opinião do autor, não do Whiplash.Net ou de seus editores.

Imagem
Não era, por mais surreal que possa parecer, eles vem de Goiânia, capital do estado de Goiás, conhecido nacionalmente por revelar diversas duplas sertanejas, como Leandro e Leonardo e Zezé di Camargo e Luciano. Ao contrários dos conterrâneos, a banda faz um som pesado, que foi rapidamente rotulado como stoner rock, gênero popularizado no final da década de 90 pelo Queens of the Stone Age, mas já vinha reverberando desde o começo da década com o Kyuss e o Helmet, por exemplo.

Pra quem não sabe, o stoner rock (rock chapado, em tradução livre), possui como principais características os riffs de guitarra, pesados e arrastados, distorção, variação entre melodias rápidas e mais vagarosas, sempre com uma boa pitada de psicodelia. As raízes do estilo vêm principalmente dos anos 70, de bandas como Blue Cheer, Mountain, Lynyrd Skynyrd e o Grand Funk Railroad.

O Black Drawing Chalks foi formado em 2005 e os membros atuais são: Victor Rocha, guitarra e vocal; Edimar Filho, guitarra; Denis de Castro, baixo; e Douglas de Castro, bateria. A banda possui três álbuns lançados, todos pela Monstro Discos, o primeiro: "Big Deal", de 2007; seguido do badalado "Life is a Big Holiday for Us", de 2009; e o quarteto está de volta, com seu melhor trabalho até aqui, "No Dust Stuck On You", que tentaremos esmiuçar nas linhas seguintes.

São quinze faixas de porrada na orelha, passando por grunge, stoner, pós grunge, resvalado no pop e quem sabe até no punk, mas sempre com canções de muita qualidade.

Guitarras rápidas e os pratos da bateria anunciam a introdução de "Famous", que abre o disco, anunciando o que está por vir. Victor entra cantando com seu timbre entre o rasgado e o agudo, bem característico. Letra e música são uma viagem quase lisérgica e por ter uma melodia rápida remete à vídeos de skate e esportes de ação. Cheira à adrenalina.

Em seguida vem o primeiro single, "Cut Myself in 2", com a melodia arrastada, totalmente diferente da canção anterior. Possui uma pegada grunge (outra forte influência da banda) e remete a Soundgarden e algumas canções do Alice in Chains. "Street Rider" é suingada e com a melodia mais pop, um dos destaques do álbum, nessa eles citam um trecho do título: "...Riding, ain't no dust stuck on me i'll follow...".

"Walking By" começa com uma linha de baixo e uma melodia mais soturna, lembra um pouco o new metal do Korn ou Deftones. A letra, como a maioria da banda, são devaneios, ora sacanas, ora chapados, sempre com aquela dose excelente de psicodelia. Já "No Anchor" é uma canção da década de 70, gravada em 2012, com a distorção alucinante da guitarra. "Disco Ghost" já tem a pegada mais stoner, com a melodia cheirando a asfalto na auto estrada, com muita cerveja e substâncias ilícitas. Possui um bom solo de guitarra.

O Queens of the Stone Age assinaria facilmente "I've Got Your Flavor", pois a canção possui a melodia muito rápida e voz abafada, lembrando muito algumas gravações da banda de Josh Homme, muito pelo timbre das guitarras. Outro destaque do disco.

"Simmer Down" é outra porrada com um breve e ótimo solo e guitarras afiadas, enquanto "Swallow" inicia com um berro e o andamento da guitarra marca quase um heavy metal, porém a música balanceia entre o peso e a cadência, garantido pela coesão apresentada pela banda. "Immature Toy" segue a mesma linha, porém com mais distorção e um solo psicodélico. Na letra um garoto jovem fala de uma desilusão amorosa e se define como um brinquedo imaturo.

"Black Lines (I'll Find a Way)" inicia com uma levada na bateria de Douglas que remete quase a um hardcore, depois cadencia, encorpa e é uma das melhores do disco. Essa lembra mais alguma banda de rock alternativo dos anos 90. "Little Crazy" é um encontro do grunge com a psicodelia, com um riff marcante, boa linha de baixo se alternando no destaque da canção, com a bateria marcando tudo e o vocal potente.

"The Stalker", "Denis's Dream" e "Cheat, Love and Lies" fecham o disco. A primeira mantém a pegada pesada, enquanto a segunda se desenvolve como uma marchinha e tem uma letra pequena que fala sobre vingança. A última faixa, novamente rápida e voraz, queimando o pneu e encerrando com o ótimo verso: "...tell me baby that i got a dream to survive".

O Black Drawing Chalks juntou todas suas influências e fez além de seu disco mais pesado, seu melhor álbum até aqui. Vemos uma banda executando músicas enxutas, sem firulas, com técnica e precisão. Uma banda em ascensão, esbanjando talento, provando que a cena brasileira ainda possui sim bandas de qualidade e com propostas honestas.

Esse é um dos melhores discos lançados no Brasil até aqui esse ano, senão o melhor, produzido por uma banda que não deixa nada a desejar pra gringo nenhum.

Criado em 1996, Whiplash.Net é o mais completo site sobre Rock e Heavy Metal em português. Em março de 2013 o site teve 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas e 8.590.108 pageviews. Redatores, bandas e promotores podem colaborar pelo link ENVIAR MATERIAL no topo do site.


  | Comentários:

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs
Todas as matérias sobre "Black Drawing Chalks"

Grito Rock em Betim: agitando cidade neste domingo
Black Drawing Chalks: um dos melhores cds lançados no ano
Black Drawing Chalks: shows na Inglaterra em maio
Black Drawing Chalks: relembrando abertura para Motorhead
Black Drawing Chalks: novo clipe do grupo em 3D
Guns N' Roses: show no RJ terá mais uma banda de abertura

Os comentários são postados usando scripts do FACEBOOK e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Pense antes de escrever; os outros usuários e colaboradores merecem respeito;
Não seja agressivo, não provoque e não responda provocações com outras provocações;
Seja gentil ao apontar erros e seja útil usando o link de ENVIO DE CORREÇÕES;
Lembre-se de também elogiar quando encontrar bom conteúdo. :-)

Trolls, chatos de qualquer tipo e usuários que quebram estas regras podem ser banidos sem aviso. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Sobre David Oaski

David Oaski é editor do blog Ideologia Rock, colunista do site Stereo Pop Club e colabora frequentemente com os sites Galeria Musical e Whiplash, além de já ter escrito para outras plataformas online. Amante de música (principalmente rock) independente de rótulos, escreve por hobby e para exercitar o senso crítico.

Mais matérias de David Oaski no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

QUEM SOMOS | ANUNCIAR | ENVIAR MATERIAL | FALE CONOSCO

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em março: 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas, 8.590.108 pageviews.


Principal

Resenhas

Seções e Colunas

Temas

Bandas mais acessadas

NOME
1Iron Maiden
2Guns N' Roses
3Metallica
4Black Sabbath
5Megadeth
6Ozzy Osbourne
7Kiss
8Led Zeppelin
9Slayer
10AC/DC
11Angra
12Sepultura
13Dream Theater
14Judas Priest
15Van Halen

Lista completa de bandas e artistas mais acessados na história do site

Matérias mais lidas