Bad Company: O clássico de estreia da banda

Resenha - Bad Company - Bad Company

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Paulo Severo da Costa
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
A coisa mais triste se ficar velho é perceber que, enquanto algumas coisas melhoram substancialmente, outras decaem de uma forma vergonhosa. Se a Internet trouxe a possibilidade de qualquer um saber qual o nome do baterista do SAXON ou quais foram as influências de LARS ULRICH em segundos, por outro lado, tornou muitos fãs de rock n´roll de certa forma, mais comodistas, menos inquietos, mais passivos, discutindo sem ouvir, falando sem saber.
Chinese Democracy: Talaricagem, galinheiros e megalomaniaMetallica: Lars é um bom baterista? Mike Portnoy explica

Veja, por exemplo, o caso de PAUL RODGERS: dono de uma carreira invejável, hoje ele é conhecido “apenas” por ser o capitão do que um dia foi o QUEEN. Sem menosprezo, lógico, mas, com todo respeito aos maravilhosos remanescentes da banda, LED ZEPPELIN sem JIMMY PAGE, SABBATH sem IOMMI e QUEEN sem MERCURY não dá, né ?

Por outro lado, estou certo de que um grupo muito menor de pessoas conhece o trabalho de RODGERS a fundo- um cidadão com mais de quarenta anos de serviços muito bem prestados ao rock n´roll. Seja à frente do FIRM, do FREE ou do QUEEN, o homem mostra toda a herança blueseira “bruta” que sempre se sobressai em seus vocais estupendamente trabalhados.

Em 15 de junho de 1974, sai o primeiro álbum, homônimo, do BAD COMPANY. Originalmente composta, além de RODGERS no vocal, por, SIMON KIRKE (bateria), MICK RALPHS (guitarra) e BOZ BURRELL (baixo), a banda fazia um hard rock competente- vigoroso, mas, ao mesmo tempo com alta carga melódica.

Redundante dizer que o grande diferencial do BAD era mesmo a indefectível voz de RODGERS. O vocalista, em suas interpretações, unia a doçura de STEVE WINWOOD com o “descuido” malicioso e cachaceiro de ROD STEWART- sempre mantendo o timbre de voz singular. Faixas como “Rock Steady” deixam claro que o grupo mantinha os pés fincados na tendência da época, sem vanguardismos- mas sem mesmice.

“Don´t Let Me Down” lembra vagamente a sua célebre homônima no refrão; contudo sua condução está mais para STONES do que para o quarteto de Liverpool- tá aí uma tremenda balada! Antecipando sua entrada no QUEEN (brincadeira!), “Bad Company” começa lenta ao piano, ganha espaço na dinâmica e vira um puta riff de bom gosto de RALPHS.

Falando em STONES, “Movin On” e “Can´t Get Enough” tem toda aquele carga swingueira que anos depois faria a alegria do BLACK CROWES e do BLUES TRAVELLER e vale o ótimo solo de guitarra. Já “Seagull” é folk puro, conduzida no violão e voz, ao melhor estilo dos anos 70- para minha alegria.

Vale demais uma ouvida.

Track List:

• "Can't Get Enough"
• "Rock Steady"
• "Ready for Love"
• "Don't Let Me Down"
• "Bad Company"
• The Way I Choose"
• "Movin' On"
• "Seagull"

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Todas as matérias e notícias sobre "Bad Company"

Baladas Hard
Blog elege o Top 20 de todos os tempos

Planet Rock
As quarenta maiores vozes da história do rock

Rock Hall Of Fame
25 bandas que ainda precisam ser nomeadas

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 30 de junho de 2012

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Bad Company"

Guns N' Roses
Talaricagem, galinheiros e megalomania

Metallica
Lars é um bom baterista? Mike Portnoy explica

Tempo implacável
Os rockstars também envelhecem parte 1

Rob Zombie: sua lista dos 5 Melhores Filmes de ZumbiSeparados no nascimento: Dave Mustaine e um Cocker SpanielFoo Fighters: Banda mita em protesto homofóbico religioso nos EUAAerosmith: "Justin Bieber é um punk", diz Joey KramerSergiy Putyatov: o guitarrista mais rápido do mundo?Chris Caffery: guitarrista sofreu preconceito por ser "cabeludo"

Sobre Paulo Severo da Costa

Paulo Severo da Costa é ensaísta, professor universitário e doente por rock n´roll. Adora críticas, mas não dá a mínima pra elas. Email para contato: joaopsevero@bol.com.br.

Mais matérias de Paulo Severo da Costa no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online