Burzum: Um épico minimalista cheio de contrastes

Resenha - Umskiptar - Burzum

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Daniel Cassin, Fonte: O Curupira Metal WebZine
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
O nome Burzum despertou e continua a despertar um sem número de polêmicas que, ao longo dos anos, garantiu a publicidade necessária para manter a one man band sob os holofotes. Assassinato, queima de igrejas, declarações xenofóbicas, racistas, ou mesmo nazistas, dão a tônica para uma história pra lá de controversa. Porém, sem nos determos a tais detalhes, temos que admitir, por mais que alguns discordem, Burzum é uma das maiores e mais influentes bandas da história do black metal, ditando mudanças e propondo novos paradigmas dentro do estilo. Aliás, praticamente todas essas novas tendências vanguardistas “pós-norueguesas”, surgidas no final dos anos 1990, tais como depressive black metal, post-black metal ou ambient black metal, devem alguma coisa para o sujeito em questão. O projeto vem indicando novas referências para a obscura arte, através do uso e criação de atmosferas depressivas, cósmicas, cheias de guitarras sujas, gravações repletas de ruídos e composições minimalistas.
Alice In Chains: seria essa a última foto de Staley com vida?Zoltan Chaney: o baterista mais insano que existe?

Pois eis que o (anti) herói - se é que da pra chamar esse maluco disso - nos brinda com mais uma pérola surpreendente. Varg Vikernes lança “Umskpkar” o terceiro álbum desde que saiu da prisão, em 2010. As letras foram tiradas do poema nórdico "Völuspá", que fala sobre a criação e a destruição do universo, além de ser uma das grandes narrativas da mitologia daquele país. Só que tudo aparece de maneira sui generis, para além de irritantes estereótipos “RPGísticos” levados a cabo por milhares de bandas de metal. O disco é carregado em referências à mitologia e cultura nórdicas, sim. Mas é contemplativo, meditativo, filosófico de uma maneira unusual para o universo da cena extrema. Amparado, como sempre, pela noção de escuridão, Varg continua a saga de criar obras totalmente ritualísticas com a intenção de invocar um encantamento do mundo. Mundo esse, segundo palavras do músico expressas em artigos e entrevistas, cada vez mais repleto de luz e monotonia “judaico-cristã-capitalistas”. Um mundo moderno que perdeu suas referências ancestrais e se entregou à lógica racionalista, amparada pelo lucro, pela tecno-ciência e pela escravidão da população global. Portanto, por mais que o discurso de Varg esteja enraizado nas asneiras de extrema-direita, é contra esse desencantamento do mundo que ele luta com sua música.

Deixando um pouco o lado político da mágica, a musicalidade presente em “Umskiptar” é única. Muitas introduções atmosféricas, também minimalismo, climas épicos e sutilezas convidam o ouvinte para embarcar numa viagem cosmogônica. A tradução da palavra “Umskiptar” é metamorfose. É exatamente isso que prevalece no álbum: camadas de guitarras, vozes, momentos de quase silêncio, sugerindo o movimento de transformação e destruição que regem o universo. Algo que remonta também ao processo de envelhecer, à passagem do tempo e do amadurecer. Talvez, assumindo o peso da idade e experiência, esse seja o álbum da maturidade do Burzum. Um trabalho que alguns artistas privilegiados têm a possibilidade de lançar dentro de uma carreira longeva. Sereno, sem a agressividade e a urgência tão caras à juventude. Por outro lado, as canções, apesar de sua singularidade e experimentação, têm muito ainda da tradição do heavy metal. Algo de Iron Maiden nas linhas de baixo na belíssima “Join”. Aliás, a influência da Donzela está presente em vários momentos como em “Alfadanz”, canção cheia de riffs de heavy metal tradicional e pianos que evocam a melancolia do compositor erudito Eric Satie. Ecos dos anos 1980’s (neo folk, post-punk, Cure, Smiths), influência assumida em entrevistas por Vikernes, se fazem ouvir aqui e acolá . Os vocais, grande destaque do álbum, são um caso à parte. Vão do grito ao sussurro, passando pelo rasgado até chegar ao grunhido. A impressão que se tem é que várias pessoas estão cantando e não apenas um cara. Enfim, um trabalho genial que, se não supera os clássicos do início de carreira, marca uma nova fase para o projeto. Uma era mais rica em sutilezas e arranjos inusitados para o metal. Da trilogia iniciada após a saída da prisão, com “Belus” (2010) e “Fallen” (2011) esse é, de longe, o melhor capítulo. Provavelmente muitos fãs vão torcer o nariz para o álbum, já que se trata de um trampo diferente na discografia do norueguês. Varg criou um épico minimalista cheio de contrastes.

Nota do Pé Virado: 9

http://curupirametal.blogspot.com.br

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Umskiptar - Burzum

Burzum: "Umskiptar" eleva o grupo a outro patamar

Todas as matérias e notícias sobre "Burzum"

O Diabo É O Pai Do Rock
A associação do gênero com o tinhoso

Em 10/08/1993
Euronymous é assassinado por Varg Vikernes

Mayhem
"Varg Vikernes é um cara muito talentoso e inteligente!"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 02 de maio de 2012

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Burzum"

Alice In Chains
Publicada a última foto de Staley com vida?

Zoltan Chaney
O baterista mais insano que existe?

Iron Maiden
Jimmy Page relembra Rock in Rio de 2001

Heavy Metal: Loudwire elege 11 melhores álbuns dos 80sPapai Truezão: astros do Heavy Metal em fotos com seus filhosThin Lizzy, Metallica: A história de "Whiskey in the Jar"Vídeo: 10 gêneros do metal em três minutosIron Maiden: ouça a "cozinha" isolada de algumas músicasSebastian Bach: "descobri novos meios de se consumir maconha"

Sobre Daniel Cassin

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online