Drowned: Belligerent Part Two; Death And Greed Are United

Resenha - Belligerent Part Two: Death And Greed Are United - Drowned

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Vitor Franceschini
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Lembro-me perfeitamente, como se fosse ontem, quando recebi a demo “Where Dark And Light Divides...” (1998) em meados de 1999, para resenhar no finado Goredeath Zine, e o quão surpreso fiquei com a qualidade das três composições que emanavam daquela fitinha K7.
Evanescence: estranha criatura em foto de Amy Lee com seu filhoAerosmith: Tyler tem mesmo um salsichão ou Adler mentiu?

Cá aqui estamos 13 anos e 12 trabalhos depois – dentre demo, EPs, singles, compilação e split - (e 18 anos do surgimento do Drowned), resenhando este trabalho físico que antecede o recém lançado ““Part I – The Killing State Of The Art” (que será disponibilizado virtualmente).

Musicalmente é evidente a evolução da banda, tudo gradativamente, de lançamento a lançamento, unido à coesão e técnica absurda que a banda possui. Mesmo assim a característica de unir medidamente o Thrash/Death Metal como poucos, continua lá.

Os timbres, solos e riffs típicos das guitarras de Marcos Amorim e Kerley Ribeiro, a cozinha brutalmente técnica formada por Beto Loureiro (bateria) e, o recém-retornado, Rafael Porto (baixo), além dos vocais multi timbres de Fernando Lima estão todos aqui como a banda sempre privou.

A diferença está na evolução dos caras, na maior coesão e total amadurecimento. Isto se dá desde o início com “The War Remains The Same” que abre o disco com um excelente dedilhado para depois descambar para riffs cavalgados e seguir com um Thrash Metal de altíssimo nível e cheio de quebradas.

Logo em seguida, sem dar descanso, surge “Belligerent” e sua áurea moderna calcada nas raízes, como só o Drowned sabe fazer, além de excelente refrão. “Before You Try To Kill Me” (lindo nome) segue uma linha mais reta, onde Fernando mostra toda sua versatilidade alternando vocais rasgados com um gutural rouco. O refrão e a melodia da música ficaram magníficos, assim como os solos muito bem encaixados.

“Universal Killing Portion” mostra uma ótima dose de melodia que casou perfeitamente ao som da banda. Os riffs são bem criativos e os solos excelentes, além de uma cozinha que segura a bronca como poucos e uma linha da baixo muito bem executada. Fechando o trabalho, temos “The King Can Do No Wrong”, um tema um tanto quanto épico que mostra uma variação rítmica digna da técnica da banda.

“Belligerent - Part Two: Death And Greed Are United” é Thrash/Death Metal do mais grosso calibre. Para quem já conhece, é simplesmente Drowned!

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Todas as matérias e notícias sobre "Drowned"

Death Metal
5 álbuns nacionais que não se pode deixar de escutar

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Drowned"

Evanescence
Estranha criatura em foto de Amy Lee com seu filho

Aerosmith
Steven Tyler tem mesmo um salsichão ou Adler mentiu?

Dave Mustaine
Aquela foi a pior "Master of Puppets" que ele já ouviu

Lars Ulrich: "Quem são essas outras bandas para nos criticarem?"Bruce Dickinson: "O Iron Maiden é melhor que o Metallica"Slipknot: demônio avistado em fogo durante show?Testament: não se acrescenta rap ao Thrash MetalMetallica: Jason Newsted é melhor que Cliff Burton, mas Lars e James ferraram eleGhost: se tivesse surgido em 1967 não existiria o Black Sabbath

Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online