Aeon Arcanum: Para apreciadores de brutalidade e técnica

Resenha - Monuments - Aeon Arcanum

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Vitor Franceschini
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Uma das surpresas, sem dúvidas, é o fato de a banda vir da Macedônia, onde a cena Metal não tem muita expressão internacional. Originalmente formada em 2003 com o nome de Arcanum, a banda mudou seu nome para Aeon Arcanum em 2008 e de lá pra cá havia lançado somente um single intitulado “Mind´s Eclipse”, em 2009.
Avantasia: gafes durante show na Alemanha em 2010Avenged Sevenfold: banda toca "Lepo-Lepo"' em show em São Paulo

Neste ano, o power trio formado por Aleksandar Ivanov (vocais/guitarra), Dragan Teodosiev (bateria) e Darko Avramovski (baixo), lançou “Monuments”, seu primeiro trabalho oficial.

A outra surpresa é que quando colocamos o álbum para tocar, de cara imaginamos uma banda que investe em um Death/Doom Metal, já que a faixa que abre o disco, “Dysphoria” possui uma levada cadenciada, riffs e solos melódicos, além de um clima denso.

Mas, apesar da introdução dedilhada e triste, a segunda faixa, “Morbid Incarnation”, apresenta a verdadeira faceta da banda. Apesar de continuar com guitarras melódicas, surgem os blasts beats, quebradas muito bem encaixadas, além de um clima denso. Os vocais de Aleksander seguem a linha gutural típica do Brutal Death Metal.

A técnica apurada da banda e a inclusão de vários elementos como tambura (instrumento de cordas indiano) sintetizadores e percussão, é outra surpresa, pois não há nada de excessivo que tire a sonoridade extrema praticada pela banda. Por se tratar de um trio, o grupo conta com músicos adicionais em seu show.

“Lurid Luminance” mostra o lado mais épico e trabalhado da banda, com seus mais de oito minutos. A composição possui riffs e cozinha rápida, porém com um clima melancólico, que encobrem passagens viajantes e são envoltos por um ótimo arranjo. “Cosmic Solitude” segue uma linha mais moderna e com influências de Gothic Metal nos arranjos, mas, incrivelmente, é a faixa menos melódica da banda.

“Entreaty”, que fecha o disco, mostra de vez o lado mais brutal da banda, lembrando nomes como Aeternus, pelo riffs típicos de Black Metal e o vocal urrado e extremamente raivoso.

A produção do trabalho merece destaque. O som do grupo é complexo e pesado, e em nenhum momento soou embolado ou desconexo. Um disco de Metal extremo para apreciadores de brutalidade e técnica. Grata surpresa!

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Aeon Arcanum"

Avantasia
Gafes durante show na Alemanha; confira em vídeo

Avenged Sevenfold
"Lepo-Lepo"' no show em São Paulo

Ghost
Papa Francisco impede apresentação da banda nos EUA

Guns N' Roses: "Quer ver algo cedo? Vá assistir Friends!"Mad Max: guitarrista explosivo rouba a cena em "Estrada da Fúria"Queen: algumas curiosidades sobre a bandaObituário: todas as mortes do Rock e Metal em 2016Google: "não nos culpem pela pirataria"AC/DC: quem Dave Mustaine gostaria de ver no vocal?

Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online