Castifas: Black Metal soturno, mórbido e intenso

Resenha - Journey Through the Darkness Path - Castifas

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Marcos Garcia
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Poucas pessoas sabem da história do Black Metal nacional, e de quantas e quantas bandas já existiram por aqui, que ficaram escondidas no underground pelo pó do descaso de muitos fãs com a cena de nosso país, o que é uma pena, já que ótimos nomes ficaram perdidos para sempre, alguns sem nunca ter lançado absolutamente nada, nem mesmo uma Demo Tape, e outras ficaram restritas a somente uma destas, mas algumas, mesmo assim, são lendas de nosso underground, muitas vezes mais valorizadas fora do Brasil do que aqui.
Lemmy Kilmister: "o Rock'n'Roll nunca vai morrer!"Ozzy Osbourne: "Eu detesto a expressão Heavy Metal!"

É o caso do carioca SONGE D’ENFER, que apesar de ter tido apenas uma Demo Tape (que depois acabou sendo lançada em forma de um Split CD com o MIASTHENIA), angariou muitos fãs mundo afora, inclusive sendo cultuados em países onde a maioria dos que olham o Metal nacional por cima dos ombros tem seus grupos favoritos. Outros, menos conhecidos, são MEPHISTOPHELES (RJ), GOAT EMPEROR (RJ), LUVART (Juiz de Fora, mas que está de volta à ativa), UNHOLY FLAMES (MG, que chegou a ter sua Demo Tape transformada em CD), entre tantos outros.

Mas aquela época deixou alguns heróis, que resistem contra o tempo e continuam seus trabalhos com firmeza de caráter, sem se render às vicissitudes da vida e do meio, e lançando discos que cada vez mais nos surpreendem. E os veteranos do quarteto carioca CASTIFAS se encaixam perfeitamente nesta descrição, pois o que vemos nesse seu primeiro CD, ‘Journey Through the Darkness Path’, é algo de surpreendente.

Fundada em 1993, a banda é adepta até os ossos do Black Metal mais soturno, mórbido e intenso à lá MAYHEM, BURZUM e DARK THRONE em suas épocas clássicas, mas possui também várias doses de HELLHAMMER/CELTIC FROST e BATHORY em sua sonoridade, sem nada de moderno seja em sua música, sua produção sonora, nem mesmo na parte visual, e isso é um mérito deles, pois recursos muito avançados não conseguem superar o supremo dom humano: o de pôr vida em sua música.

A parte visual do trabalho é bem simples, pois apesar da colorização dar ênfase em um tom bem escuro de azul, com uma foto de cada membro da banda, e o encarte possui os detalhes de formação e gravação, mas apenas a letra da faixa-título do CD. A produção sonora, feita pela própria banda, é bem suja, mas sem comprometer o trabalho. Pelo contrário, já que dá ao quarteto identidade, e deixando bem claro o que eles querem de seu som.

As faixas do CD se nivelam bastante, embora os andamentos se alternem bastante entre aquela velocidade típica da segunda geração do Black Metal, e aqueles momentos cadenciados bem sinistros, típicos do estilo nos anos 90, do qual muitos sentem saudades.

O CD abre com ‘The Wicked Master of Souls’, que tem mais de 6 minutos e é bem cadenciada, para ganhar um pouco (só um pouco) de velocidade após os 4 minutos; Em ‘Pure Evocation’, temos uma faixa rápida e ríspida, bem ao estilo do HELLHAMMER, embora aqui seja mais variado; ‘Into the Ceremonial Sodom’ é outra faixa mais ‘pé-no-freio’, mas ela deixa qualquer fã do estilo empolgado devido ao trabalho da cozinha rítmica, assim como a seguinte, a rápida ‘Journey Through the Darkness Path’, onde os vocais rasgados dão uma aula de Black Metal Old School; temos em ‘The Mystic and Occult Son of the Moon’ uma faixa com andamento meio-termo, mas que conta com um trabalho de guitarras bem surpreendente nos riffs; ‘Into my Somber Realm’ tem vários momentos empolgantes, pois a bateria varia bastante do 1 X 1 até outros momentos mais MAYHEM sem o mínimo pudor; e fechando, temos o bônus de ‘Immortal Feelings’, faixa de sua Demo Tape de 1994, que é extremamente suja, mas não ao ponto de não se poder perceber o quanto é uma ótima música, com riffs cortantes e vocais absurdamente insanos.

Um trabalho honesto, digno de nota e menção honrosa, e que é recomendado a todos aqueles que gostam do Black Metal mais tradicional em sua mais pura essência.

Em tempo: hoje a banda tem no baixo Lord Nuctemeron Daemon, e na bateria Lord Anti-Christ, ambos do IMPACTO PROFANO.

Imagem

Tracklist:
01. Intro
02. The Wicked Master of Souls
03. Pure Evocation
04. Into the Ceremonial Sodom
05. Journey Through the Darkness Path
06. The Mystic and Occult Son of the Moon
07. Into my Somber Realm
08. Immortal Feelings

Formação:
Hoertel – Vocais
Deathcult – Guitarras
Korzaark Verkes – Baixo
M. Kult – Bateria

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Castifas"

Lemmy Kilmister
"O Rock'n'Roll nunca vai morrer!"

Ozzy Osbourne
"Eu detesto a expressão Heavy Metal!"

Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados no ano de 1984

Chinese Democracy: Talaricagem, galinheiros e megalomaniaMetallica: Lars é um bom baterista? Mike Portnoy explicaTempo implacável: os rockstars também envelhecem parte 1AC/DC: Phil Rudd diz que quer voltar, mas ninguém fala com eleMarcelo Maiden - Uma impressionante coleção de ítens do Iron MaidenLindemann: Tägtgren salvou vocalista do Rammstein de surra

Sobre Marcos Garcia

Marcos Garcia é Mestrando em Geofísica na área de Clima Espacial, Bacharel e Licenciado em Física, professor, escritor e apreciador de todas as subdivisões de Metal, tendo sempre carinho pelas bandas mais jovens e desconhecidas do público, e acredita no Underground como forma de cultura e educação alternativas. Ainda possui seu próprio blog, o Metal Samsara, e encara a vida pela máxima de Buda "esqueça o passado, não pense no futuro, concentre-se apenas no presente".

Mais matérias de Marcos Garcia no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online