Cavalera Conspiracy: Deve causar alvoroço em todo planeta

Resenha - Blunt Force Trauma - Cavalera Conspiracy

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Daniel Junior, Fonte: Aliterasom
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Se você é daqueles que sente saudades daquela sujeira e peso de discos como “Arise” e “Chaos A.D” (clássicos da banda mineira Sepultura), talvez consiga matar um pouco desta nostalgia na audição do pesadíssimo “Blunt Force Trauma”.
Max Cavalera: trabalhando em dois novos discos simultaneamenteDuff McKagan: "Advogados acabaram com o Guns e Velvet!"

Quando Max e Iggor (mais o primeiro do que o segundo) não ficam fazendo cavadinha para uma reunião que “celebraria” a formação original do SEPULTURA (esquecendo o Jairo não é sr. Max?) conseguem produzir um disco com força e autenticidade.

Max é um dos artistas de metal que em minha opinião consegue demonstrar todo seu DNA e talento (ou seja demonstrar suas marcas de composição) e mesmo assim soar contemporâneo e forte como se o tempo não tivesse passado. E volto a dizer: é muito melhor ver o músico e vocalista ocupado com seu projeto + sério e fazendo dele um disco para se prestar atenção em 2011 do que vê-lo em notinhas cuspindo fogo em seus ex-companheiros.

Enquanto o mundo parece ter “dado um tempo” nas demonstrações alegre/afetivas para sons mais calcados no neo-punk e o som emocore tenha perdido parte da sua força consolidada em 2010, o CAVALERA CONSPIRANCY lança CD com cara de boa época em que o som porrada não era apenas uma expressão chula para identificar uma banda na prateleira mas sim diferenciar bandas pesadas de bandas MUITO pesadas.

O single "Killing Inside" dava provas cristalinas que a dupla Cavalera (que ainda conta com Marc Rizzo nas guitarras e Johny Chow no baixo) não vinha para brincar de passado ou inventar moda. O CD tem toda a agressividade que um bom disco de metal precisa e sugere, com passagens de thrash muito interessantes como na faixa "Thrasher", que mescla guitarras rasgadas e boas doses de velocidade e ritmo.

Existem alguns aspectos interessantes em BFT como a mescla de guitarras mais tradicionais que lembram MEGADETH e TESTAMENT com outras mais ‘dolorosas’ que lembram MACHINE HEAD ou BLACK LABEL SOCIETY. A faixa "I Speak Hate" não é uma conservadora canção de metal, mas tem todos os ingredientes que o fã do estilo gosta de encontrar na camada sonora de um bom disco de rock.

"Target" tem até solo de guitarra… E pode parecer ridículo salientar esta informação, uma vez que, é quase uma convenção do rock, de maneira geral, que as canções apresentem o momento ‘estrelar’ do guitarrista solo. O que ouvimos na faixa são excelentes momentos de Rizzo/Cavalera com peso e excelentes ideias musicais.

"Burn Waco" traz uma parede de distorção em uma envolvente e veloz saraivada de riffs. Há quem torça o nariz pela ausência de conssonância (ou em menor escala, na falta de melodias mais apuradas) mas é impressionante o vigor de Max em canções deste timbre, mesmo após 26 anos de carreira (contados a partir do lançamento de "Bestial Devastation", 1985). Em "Rasputin", a áspera forma del e’cantar’ as canções remetem até mesmo ao black metal, o que não é de todo um desconhecido para os irmãos Cavalera, uma vez que o disco de estreia do SEPULTURA é um ode ao black e thrash metal.

"Blunt Force Trauma" – a canção que dá título ao disco – não poderia ser diferente. Com riffs pesados e até aqui, contrastando com o ‘q’ de atonalidade apresentado pelos músicos, apresenta opções interessantes, para uma banda que toca com o pé no acelerador do início ao fim.

O disco encerra com "Warlord" e mostra como a banda está madura e tem fogo para queimar muita lenha sem mudar um milésimo da sua filosofia sobre como um disco de metal deve soar.

Talvez o pormenor seja um mais comedido Iggor Cavalera. Não que esteja aquém do que o músico pode compor, mas parece que o baterista optou em fazer arranjos mais redondos e menos tribais, o que pode ser uma prova de que o baterista está longe de repetir maneiras e trejeitos e que busca, na economia, um som mais encorpado e em favor da canção.

Dos melhores que ouvi este ano, BFT faz MUITO barulho e deve causar alvoroço em todo planeta.

Quanto às viúvas da formação original do SEPULTURA: o choro é livre.

“Warlord” 3:05
“Torture” 1:51
“Lynch Mob” 2:31
“Killing Inside” 3:28
“Thrasher” 2:49
“I Speak Hate” 3:10
“Target” 2:36
“Genghis Khan” 4:23
“Burn Waco” 2:52
“Rasputin” 3:22
“Blunt Force Trauma” 3:58

twitter: @aliterasom
twitter do autor: @dcostajunior

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Blunt Force Trauma - Cavalera Conspiracy

Cavalera Conspiracy: Mais Sepultura do que eles própriosCavalera Conspiracy: "Blunt Force Trauma" é um discaçoCavalera Conspiracy: Groove Metal com uma pegada agressivaCavalera Conspiracy: Ainda não mata a ansiedade dos bangers

Metallica
Nomes do Rock e Metal brasileiro explicam por que show é imperdível

Max Cavalera: trabalhando em dois novos discos simultaneamenteSepultura: documentário será lançado em AbrilTodas as matérias e notícias sobre "Sepultura"

Max Cavalera
Dez álbuns que marcaram o vocalista/guitarrista

Sepultura
Turnê com Ramones foi ponto alto da carreira segundo Max

Sepultura
10 curiosidades sobre o novo disco, "Machine Messiah"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 27 de março de 2011

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Cavalera Conspiracy"Todas as matérias sobre "Soulfly"Todas as matérias sobre "Sepultura"

Duff McKagan
"Advogados acabaram com o Guns e Velvet!"

Excessos
Como os rockstars gastam os seus milhões

Grammy 2015
Lista dos ganhadores nas categorias Rock/Metal

Tenacious D: faturando o Grammy com cover de Ronnie James DioRolling Stone: os 100 melhores álbuns dos anos 90Guitarpedia: os 5 erros mais comuns do guitarristaSlash conta qual foi o disco que mudou sua vidaMike Portnoy: "Bateria não é trabalho para fracotes"Kerrang: os melhores singles já lançados

Sobre Daniel Junior

Daniel Junior é blogueiro do Diário do Pierrot e do site The Crow (especializado em cinema). Colabora com o site Seriemaníacos (sobre séries de TV) e com o blog Minuto HM. Começou seu amor pelo rock por causa do Kiss e do Black Sabbath até conhecer outras bandas pelas quais nutriria paixão e admiração como Metallica, Rush, Dream Theater, Faith No More e tantas outras. Twitter: @diariodopierrot.

Mais matérias de Daniel Junior no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online