Diva: clichês já batidos ad nauseam por muitos grupos

Resenha - WarsaW - Diva

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Marcos Garcia
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 5

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
A história do Death Metal, em geral, é marcada por muitos altos e baixos, tanto do estilo como um todo, quanto as de bandas adeptas dessa vertente, já que vez por outra, vemos trabalhos sublimes, e outros nem tanto, já que Death Metal tem por essência a simplicidade musical, e mesmo as bandas mais trabalhadas, como IN FLAMES antigo, AT THE GATES, NOCTURNUS, SARCÓFAGO fase ‘Laws of Scourge’ e outras nessa linha, nunca ousaram deixar as raízes de lado. Há momentos em que a criatividade ultrapassa a técnica e vemos trabalhos que marcaram a história do Metal, como ‘Scream Bloody Gore’, ‘The Grand Leveller’, ‘Pieces’, e outros onde a técnica e a criatividade andam de braços dados, como em ‘Tales from the Thousand Lakes’, ‘Wages of Sin’, ‘Threshoulds’. O que é triste é ver a terceira possibilidade: a técnica vem antes da criatividade.
VH1: os melhores momento do rock e pop na históriaTatuagens: existe algo errado nesta tatuagem do Dio?

E infelizmente, os cariocas do DIVA, banda de Death Metal bem técnico, caem justamente nesse ponto com seu EP ‘WarsaW’, disponível gratuitamente em seu myspace...

A produção visual é maravilhosa, coisa de primeiro mundo, tanto que o vídeo da música ‘Condemned’ é algo extremamente bem feito e de bom gosto, bem profissional. Mas quando se parte para o lado musical, o caldo engrossa e a polenta enche de caroços grandes, porque este EP, apesar de ter uma produção sonora bem acima da média, é extremamente mecânico, cheio de sensações de ‘déjà vu’ a cada instante. Há muita técnica, mas falta o tesão e espontaneidade que tornam o Death Metal o que ele é de fato.

As cinco músicas que compõem o EP, ‘The War Saw’ (essa só uma intro), ‘Forged in Blood’, ‘Condemned’, ‘Life Goes On’ e ‘Angel of Death’, são cheias de técnica extrema, bela gravação, tudo nos conformes, mas como citei acima, a banda ainda cai muito em clichês já batidos ad nauseam por muitos outros grupos. Sem querer ser injusto, mas a sensação de ouvir um clone um pouco pobre do ARCH ENEMY foi forte demais, mesmo porque o grupo é fronteado por uma mulher, mas que em momento algum tenta imitar Angela Gossow, o que já é um ponto positivo em seu favor. Mas vejam bem: ouvi este EP 6 vezes para poder escrever e ser o mais preciso e justo possível!

Creio que a banda ainda possa evoluir, pois é bem jovem, então, desejo que Angélica Burns (vocal), Pedro Viana (guitarras), Eduardo Seabra (baixo) e Bráulio Azambuja (bateria) possam ensaiar mais, e buscar a criatividade que vem de dentro de cada um, mas por hoje, a ética e sinceridade me levam a ter que dizer que eles estão muito longe do ideal, pois todo aparato externo não pode compensar ou obscurecer a essência de um bom trabalho, que é a fusão prefeita entre a criatividade e espontaneidade.

01. The War Saw (intro)
02. Forged in Blood
03. Condemned
04. Life Goes On.
05. Angel of Death

Contatos:
http://www.myspace.com/divaofficial

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de WarsaW - Diva

Diva: Fusão de Thrash e Death bastante ríspido e técnico

Todas as matérias e notícias sobre "Diva"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Diva"

Eleição
VH1 escolhe os melhores e maiores do rock

Tatuagens
Existe algo errado nesta tatuagem do Dio?

Iron Maiden
Os três álbuns preferidos de Bruce Dickinson

Há quem goste: As 10 bandas mais odiadas do universoLimp Bizkit: Os visuais mais bizarros do guitarrista Wes BorlandBizarre Magazine: Quão bizarro é... Ronnie James DioJim Root: explicando significado de sua tatuagem "Shovelhead"Bandas de Velhos Gordos: elas acabarão com o metal, teme produtorVoz: 10 músicos que cantam tão bem quanto os vocalistas de suas bandas (Parte I)

Sobre Marcos Garcia

Marcos Garcia é Mestrando em Geofísica na área de Clima Espacial, Bacharel e Licenciado em Física, professor, escritor e apreciador de todas as subdivisões de Metal, tendo sempre carinho pelas bandas mais jovens e desconhecidas do público, e acredita no Underground como forma de cultura e educação alternativas. Ainda possui seu próprio blog, o Metal Samsara, e encara a vida pela máxima de Buda "esqueça o passado, não pense no futuro, concentre-se apenas no presente".

Mais matérias de Marcos Garcia no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online