Avenged Sevenfold: Hard Rock turbinado por doses de Metal

Resenha - Nightmare - Avenged Sevenfold

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Ricardo Seelig
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Quinto trabalho do Avenged Sevenfold, "Nightmare" é um disco emblemático na carreira destes norte-americanos. O motivo é simples: "Nightmare" é o primeiro álbum dos caras sem o baterista Jimmy Owen Sullivan, conhecido como The Reverend Tholomew Plague, um dos fundadores do grupo, encontrado morto em sua casa no dia 28 de dezembro de 2009, vítima de uma overdose. Devastados, mas decididos a seguir em frente, os demais integrantes resolveram manter a banda na ativa, convidando para assumir o posto de baterista no novo disco o maior ídolo de Rev, ninguém menos que Mike Portnoy, ex-líder do Dream Theater.
Avenged Sevenfold: guitarrista dá aula de humildadeGhost: por que toda a atenção sobre a banda?

O play abre com a faixa que dá nome ao disco, um hard grudento com excelente refrão e boas melodias de guitarra. “Welcome to the Family” dá sequência ao disco reafirmando sua principal característica: um hard rock com linhas vocais cativantes e passagens instrumentais que beiram o heavy metal.

Belas guitarras gêmeas, acompanhadas pela bateria marcada de Portnoy, introduzem “Danger Line”, dona de um ótimo refrão. Excelente faixa, uma das melhores do disco. Já “Buried Alive” é uma balada com boas passagens de guitarra e cheiro de single. Preste atenção lá pelos cinco minutos, quando entra um trecho instrumental que é puro Metallica fase "Master of Puppets". “Natural Born Killer”, ao lado de “God Hates Us”, é a faixa mais pesada do disco e conta com a marcante exuberância percussiva de Portnoy.

A parte final do álbum é marcada por baladas contemplativas sobre tudo que o Avenged Sevenfold passou nos últimos tempos, e em como esses acontecimentos colocaram em xeque o seu futuro. O início de "Victim”, com um vocal feminino ao fundo, traz à mente o excelente "Scenes from a Memory", disco lançado pelo Dream Theater em 1999. Uma grande faixa, perfeita para ouvir ao lado de uma bela companhia feminina. A reflexiva “Tonight the World Dies” é levada ao violão e conta com ótima performance do vocalista M. Shadows. A fantasmagórica “Fiction” tem as linhas vocais gravadas pelo falecido baterista, em sua versão demo, preservadas, que ganharam a companhia da bela voz de Shadows.

A impressionante “Save Me” encerra o disco com uma jornada de mais de dez minutos pelas dores e incertezas que marcaram a banda desde a morte de Rev.

"Nightmare" é um bom disco, que traz em suas faixas um competente hard rock turbinado por doses certeiras de heavy metal. A mistura foi aprovada pelos fãs, tanto que o álbum estreou em primeiro lugar na parada da Billboard, e por lá ficou por um bom tempo.

Altamente recomendado, se você não tiver a cabeça fechada.

Faixas:
1 Nightmare 6:14
2 Welcome to the Family 4:07
3 Danger Line 5:30
4 Buried Alive 6:43
5 Natural Born Killer 5:17
6 So Far Away 5:29
7 God Hates Us 5:21
8 Victim 7:31
9 Tonight the World Dies 4:43
10 Fiction 5:14
11 Save Me 10:56

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Nightmare - Avenged Sevenfold

Avenged Sevenfold: Falta de músicas mais pesadas atrapalhaAvenged Sevenfold: composições diferentes, mas melhores

A7X
Guitarrista dá aula de humildade ao responder sobre elogios

Shows: veja quanto Sabbath, A7X, Red Hot e Disturbed faturaramAvenged Sevenfold: Johnny Christ fala sobre os bateristasRock e Metal: em vídeo, as 10 despedidas mais épicas da históriaTodas as matérias e notícias sobre "Avenged Sevenfold"

Arin Ilejay
"O Avenged Sevenfold quer ser uma banda clássica"

O Metal continua relevante?
As melhores músicas lançadas recentemente

Avenged Sevenfold
Os álbuns da banda, do pior para o melhor

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Avenged Sevenfold"

Ghost
Por que toda a atenção sobre a banda?

Humor
Namorar um headbanger é sair da zona de conforto

Megadeth
Mustaine coloca Kiko acima dos outros guitarristas

Janick Gers: descartável ou essencial ao Iron Maiden?Megadeth: Nick Menza e Marty Friedman iam retornarMetallica: Dave Mustaine revela seu álbum favorito da bandaAngra: banda escaneada em 3D; veja imagem de Rafael BittencourtSlipknot: Os conselhos de Corey Taylor a jovens em depressãoKurt Cobain: tão bonito quanto uma pedra na cara de um guarda

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online