Paul McCartney: em 1970, o primeiro disco solo de fato

Resenha - McCartney - Paul McCartney

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Cezar “Dudy” Duarte
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Coube a ele oficializar o que já era mais do que iminente. Em 10 de abril de 1970, a separação da banda mais emblemática da história do rock, The Beatles, era anunciada, por aquele que, ironicamente, foi quem mais queria levar o grupo de Liverpool adiante. Paul McCartney, naquele momento, lançava seu primeiro disco solo, apenas com seu famoso sobrenome.
Assalto em Niteroi: A inacreditável manchete do Meia-HoraSeguidores do Demônio: as 10 bandas mais perigosas do mundo

Primeiro solo? Usando uma linguagem jurídica, há quem diga que o primeiro trabalho individual de fato, não de direito, foi Yesterday, em 1965. Primeira gravação só com um beatle, sem mencionar que praticamente toda composição é de Paul, apesar dos créditos incluírem o nome de Lennon (questão contratual). Em Yesterday, Paul canta e toca violão acompanhado por um conjunto de cordas arranjado pelo produtor George Martin. Na época, pensou-se em lançá-la em forma de compacto, como um projeto paralelo do baixista. A ideia foi rapidamente descartada. No entanto, Yesterday chegou ao mercado americano como compacto, mas com o nome dos Beatles.

Imagem
No ano seguinte, 1966, antecedendo as primeiras gravações de Sgt.Pepper’s, Paul recebe a proposta para fazer a trilha sonora do filme The Family Way, dirigido por Roy Boulting. Para enfrentar a empreitada, Paul pede auxílio ao amigo George Martin para composição dos temas instrumentais. A faixa principal é Love in the open air, que ganharia 13 variações ao longo do LP, além de mais duas versões diferentes lançadas em um compacto. Salienta-se que Paul não toca nenhum instrumento, há, porém, algumas fontes que dizem que ele teria tocado baixo e piano. George Martin acaba sendo o verdadeiro regente através de sua própria orquestra. O lançamento da trilha ocorre em 12 de junho de 1967.

Voltando para a concepção do solo McCartney. Os primeiros passos foram dados em dezembro de 1969, em um estúdio montado em sua casa, até que o disco pronto chegasse às lojas em 17 de abril de 1970. A grande força motora que o fez partir sozinho para as sessões foi um dolorido sentimento de abandono em relação aos seus companheiros.

Imagem
Nos idos de 69, John, George e Ringo queriam, a todo custo, que o empresário espertalhão, Allen Klein, tomasse conta dos confusos negócios da empresa do grupo chamada Apple. Paul se recusava, terminantemente, assinar o contrato que daria plenos poderes à Klein para fazer o que quisesse em nome dos Beatles. O desacordo foi parar na justiça, até que a dissolução judicial ocorresse em meados da década de 70. Para combater as feridas criadas pelo embate entre ele e os outros beatles, McCartney se dedica de corpo e alma à música, tendo ao seu lado, o total apoio de sua amada companheira, Linda McCartney, grande responsável por manter a veia musical de Paul pulsando em uma longa e promissora carreira solo, com e sem os Wings.

Paul toca todos os instrumentos sozinho em McCartney. Como já foi exposto, a maior parte das gravações aconteceu em sua residência, em Londres. Algumas faixas foram finalizadas nos estúdios Morgan e Abbey Road. Para evitar o assédio do público e da imprensa, Linda reservou os dias e horários para as sessões usando o pseudônimo Billy Martin. Assim, Paul teria a tranqüilidade suficiente para se dedicar às gravações da maneira que achasse mais conveniente. Linda, também, emprestou sua voz em algumas faixas fazendo backing vocal e harmonias. Foi incluído na embalagem do disco – edição especial para imprensa da época – um questionário produzido por Derek Taylor e Peter Brown (assessores de imprensa da Apple) no qual, Paul responde a várias questões. Entre suas respostas, está a declaração mais bombástica: Paul diz que está fora dos Beatles e, consequentemente, a banda deixava de existir.

Imagem
A importância do debut solo de Paul McCartney não se credita, apenas, por se tratar de um trabalho de um ex-beatle. A musicalidade ao longo das 13 faixas justifica, de sobremaneira, a exuberância deste multiinstrumentista que domina, como poucos, o ofício de construir magníficas melodias para o deleite dos ouvidos receptivos à boa música.

O disco é igualmente especial por manter, de alguma forma, a atmosfera dos Beatles. É quase um registro do quarteto feito por apenas um integrante. As canções geradas ainda com os Beatles se encaixam perfeitamente com o restante do repertório. Sim, a qualidade das primeiras gravações dos ex-beatles, provam que Abbey Road e Let it Be não seriam o limite do que eles ainda podiam fazer juntos. De certa maneira, a saga dos Beatles continuou com muito da qualidade que os quatro produziram separadamente em suas respectivas carreiras . McCartney não é exceção.

Confira detalhes sobre cada uma das músicas existentes no álbum:

The Lovely Linda (0:44)

Ode de Paul à sua adorável companheira. Existe uma versão mais longa que permanece inédita.

That would be something (2:37)

Inicialmente, era uma faixa mais curta e mais próxima de um folk. Simples e cativante.

http://www.osarmenios.com.br/wp-content/uploads/Macca-e-o-se...

Valentine Day (1:40)

Instrumental usado para testar o gravador caseiro Studer de 4 canais, portátil, que acabou sendo incluído no disco.

Every Night (2:31)

Chegou a ser tocada pelos Beatles, mas não aproveitada pelo grupo. A letra teve sua origem na Escócia, em 1968, e foi finalizada na Grécia. Balada acústica dentro dos padrões dos Beatles.

Hot as Sun / Glasses (2:07)

Segunda faixa instrumental, composta em 1959. É na verdade, a junção de duas partes instrumentais distintas. No final, Paul canta alguns segundos da música Suicide que teria sido composta para Frank Sinatra.

Junk (1:54)

Começou a ser escrita em Rishikesh, Índia. Jubilee e Junk in the yard foram os primeiros títulos. Os Beatles chegaram a ensaiá-la e, fora cogitada para fazer parte de álbuns como White Album e Let it Be. Lenta, nostálgica com arranjo envolvente.

Man We Was Lonely (2:57)

A sétima faixa (em CD), conta com as harmonias de Linda que, também, teria tido uma pequena participação na letra. Música mais embalada, conta com um belo coro de Paul e Linda no refrão.

Oo You (2:48)

A princípio, era para ser uma faixa instrumental, até Paul criar a letra. O elogiado trabalho de guitarra e os agudos do vocal dão destaques à esta gravação.

Momma Miss America (4:05)

Fusão de dois temas instrumentais. O primeiro nome pensado foi Rock ‘n’ Roll Sprintime . Paul toca, com maestria, “só” sete instrumentos neste número.

Teddy Boy (2:23)

Mais uma faixa vinda das últimas sessões dos Beatles. Uma versão foi incluída no projeto Get Back até que este se transformasse no disco Let it Be, sem a referida faixa. Balada acústica de bonita melodia, típica do talento de Paul.

Singalong Junk (2:35)

Variação instrumental mais longa que a faixa seis (Junk). Ela faria parte da trilha sonora do filme Jerry Maguire, em 1995.

Maybe I’m Amazed (3:50)

Pode ser considerada o carro-chefe do disco. Uma das melhores músicas que Paul já fez em toda sua carreira, sem exagero. O próprio já admitiu ser uma de suas canções favoritas. A letra é dedicada à Linda, no qual, ele pede a presença dela para ajudá-lo a superar a difícil adaptação aos novos tempos como ex-Beatle. A versão ao vivo no disco triplo, Wings Over America, de 1976, pode ser considerada a execução definitiva.

Kreen-Akrore (4:14)

Paul encerra o disco com mais um instrumental. O título foi inspirado em um documentário chamado The Tribe that Hides From Man (A tribo que se esconde do homem). No caso, KreenÁkrore é o nome de uma tribo de nativos da selva amazônica, defensores ferrenhos de seu território. Paul tenta criar sons com base naquilo que ele captou vendo o programa.

Curiosidade: duas faixas ficaram de fora de McCartney e continuam inéditas: Indeed I do e 1982.

Data de Lançamento:
17 de abril de 1970 (RU)
20 de abril de 1970 (EUA)

Lado A
1 – The Lovely Linda (0:44)
2 – That Would Be Something (2:39)
3 – Valentine Day (1:40)
4 – Every Night (2:32)
5 – Hot as Sun/Glasses (2:07)
6 – Junk (1:55)
7 – Man We Was Lonely (2:57)

Lado B
8 – Oo You (2:49)
9 – Momma Miss America (4:05)
10 – Teddy Boy (2:23)
11 – Singalong Junk (2:35)
12 – Maybe I’m Amazed (3:51)
13 – Kreen-Akrore (4:15)

Créditos:
Paul McCartney: baixo, guitarra, violão, piano, mellotron, bateria, órgão, xilofone de brinquedo, gravação, produção.
Linda McCartney: Vocais, teclados, fotos e capa.

Posição nas paradas:
EUA: 1º lugar (Billboard), tendo permanecido por 47 semanas no Top 200.
RU: 2º lugar (UK Albums Chart), tendo permanecido 32 semanas do Top 200.

Texto publicado originalmente no site de (anti)jornalismo (contra)cultural Os Armênios.

http://www.osarmenios.com.br

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de McCartney - Paul McCartney

Paul McCartney: ele desconstrói os Beatles em estreia

Beatles
A ocasião em que Ringo Starr saiu da banda

Assalto em Niteroi: A inacreditável manchete do Meia-HoraFloyd, Beatles, Dylan: não gostariam de começar a carreira hojePaul McCartney: K7 exclusivo será lançada na Record Store DayBeatles: a história do integrante temporário vai virar filmeBeatles: "Sgt Peppers" ganha edição de 50 anos com faixas extrasTodas as matérias e notícias sobre "Beatles"

Música Fácil
Três bateras excelentes que você subestima

Rock e metal
O outro lado das capas de discos

Haddad
O prefeito pop toca guitarra e canta Beatles

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Paul McCartney"Todas as matérias sobre "Beatles"

Coisa de Satanás
As bandas de rock mais perigosas do mundo

Eddie Van Halen
Falando sobre o solo de "Beat It"

Gilby Clarke
Axl Rose nem falava diretamente comigo

Nirvana: após cover estranho, Claudia Ohana diz que público não a entendeuLemmy: "John Lennon era o cuzão dos Beatles!"Led Zeppelin: Cópia Infiel Ato 2, Moral e Ética Parte 1Guns N' Roses: Stinson tocava música solo para Axl usar oxigênioMichael Angelo: entenda o que é Shred Guitar, em vídeoBruno Sutter: "The Dance of Eternity" do Dream Theater no baixo fretless

Sobre Cezar “Dudy” Duarte

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online