Asrai: interessante aposta para a música pesada

Resenha - Pearls in Dirt - Asrai

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Paulo Finatto Jr.
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Entre as bandas iniciantes que tentam trazer alguma novidade para o metal, são poucas as que realmente conseguem um resultado satisfatório. É verdade que os holandeses do ASRAI não são tão novatos assim – a banda existe desde 1988 –, mas o grupo chegou recém ao seu terceiro disco, intitulado “Pearls in Dirt”: um trabalho que foge dos padrões do metal gótico, mas que mostra uma interessante aposta para a música pesada.
Simone Simons: a nudez na capa de Divine ConspiracyPink Floyd: designer fala da criação das capas dos álbuns

Com o seu segundo álbum lançado no Brasil – “Touch in the Dark”, em 2004 – o ASRAI entrou imediatamente para o pequeno grupo de revelações de futuro promissor. A banda, formada por Margriet Mol (vocal), Rick Janssen (guitarra), Martin Koo4 (baixo), Manon Van Der Hidde (teclado) e Karin Mol (bateria), investiu pesado no seu novo álbum para concretizar as expectativas criadas em torno dela. A presença do conceituado produtor Sascha Paeth (ANGRA, RHAPSODY, EPICA) deu ao som do grupo holandês um acabamento superior à média – sobretudo um encaixe perfeito entre o som pesado e os elementos eletrônicos.

As influências encontradas em “Pearls in Dirt” são as mais variadas possíveis. Elas se movimentam com facilidade entre o punk rock, o new age e até mesmo entre a música pop mais comercial. No entanto, nenhuma dessas características arranha o espírito heavy metal do grupo, que curiosamente conta com três mulheres na sua formação. A essência da música gótica está presente – sem exceção – em todas as composições do álbum. Em quase cinquenta minutos de música, a ótima voz de Margriet Mol acompanha o instrumental arrastado e atmosférico da maioria das composições do ASRAI.

Entretanto, “Pearls in Dirt” não possui uma ótima sequência musical. É verdade que o álbum apresenta uma banda coesa e consciente do que faz. Em minha opinião, o ASRAI deixou um pouco a desejar em seu trabalho de composição. Em grande parte das dez músicas apresentadas no CD, é difícil encontrar momentos verdadeiros de inspiração criativa. O clima mais arrastado e atmosférico, com certa acentuação pop, pode ser conferido em músicas como “Delilah’s Lie”, “Go” e “Lost”, por exemplo. No entanto, não acredito que esse formato, que se repete em outras faixas, como “Roses” e “Chain Me” (com maior dose de sentimentalismo) cairá no gosto dos fãs mais exigentes.

De qualquer forma, “Pearls in Dirt” também tem seus momentos de destaque. “Your Hands So Cold” comprova que o ASRAI soube explorar muitíssimo bem a inclusão de características eletrônicas sem deixar de lado uma boa dose de riffs pesados. No lado oposto, “Stay with Me” inicia quase como uma balada – recheada de passagens sinfônicas –, mas que evolui satisfatoriamente através de um percurso mais pesado e atmosférico. Já “Awaken” chama a atenção por ser uma faixa bastante agressiva, ainda mais se comparada com a temática mais cadenciada do restante do disco. Mesmo assim, acredito que essa composição não vai ser uma unanimidade entre os fãs do grupo holandês.

No entanto, o melhor momento do álbum fica creditado à faixa intitulada “Sour Ground”. Nesta música, o ASRAI mostra de maneira evidente as influências mais pop citadas no início da matéria – claramente de bandas como o EVANESCENCE. Diferente do andamento arrastado que domina o disco, “Sour Ground” mostra uma boa melodia (a partir de um teclado mais animado e menos triste), além de um ótimo refrão atmosférico. Como bônus, o ASRAI incluiu uma versão editada dessa mesma música – o que caracteriza ainda mais o caráter importante da composição.

Embora possua qualidades técnicas (na questão da produção, principalmente) e uma porção de boas músicas, o ASRAI ainda precisa amadurecer antes de conquistar um espaço consagrado no universo heavy metal. Certamente, faltou uniformidade entre as composições em “Pearls in Dirt”. O grupo tem a capacidade de fazer um trabalho melhor recheado de inspiração musical. De repente, no próximo álbum – que precisa trazer um encarte melhor elaborado também – a banda consiga um destaque maior.

Track-list:
01. Delilah’s Lie
02. Your Hands So Cold
03. Stay with Me
04. Go
05. Lost
06. Something I Said
07. Awaken
08. Sour Ground
09. Roses
10. Chain Me
11. Sour Ground (Radio Edit)

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Asrai"

Simone Simons
A nudez na capa de Divine Conspiracy

Pink Floyd
Designer fala sobre criação das capas dos álbuns

Ódio musical
Os artistas mais detestados em lista da Spinner

Metallica: Lars diz que vai embora do país se Donald Trump ganharMountain - discografia comentadaGastão Moreira - a coleção do VJ, apresentador e jornalista musicalGuitarra: Uma inacreditável Stratocaster feita de papelãoRolling Stone: site elege os 15 melhores álbuns homônimosMax Cavalera: Os motivos que o levaram a sair do Sepultura

Sobre Paulo Finatto Jr.

Reside em Porto Alegre (RS). Nascido em 1985. Depois de três anos cursando Engenharia Química, seguiu a sua verdadeira vocação, e atualmente é aluno do curso de Jornalismo. Colorado de coração, curte heavy metal desde seus onze anos e colabora com o Whiplash! desde 2000, quando tinha apenas quinze anos. Fanático por bandas como Iron Maiden, Helloween e Nightwish, hoje tem uma visão mais eclética do mundo do rock. Foi o responsável pelo extinto site de metal brasileiro, o Brazil Metal Law, e já colaborou algumas vezes com a revista Rock Brigade.

Mais informações sobre Paulo Finatto Jr.

Mais matérias de Paulo Finatto Jr. no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online