Eluveitie: fôlego novo para um estilo extremamente saturado

Resenha - Everything Remains (As It Never Was) - Eluveitie

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Júlio André Gutheil
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Com este novo trabalho, o Eluveitie conseguiu colocar decididamente seu nome entre os gigantes do Folk Metal, não só europeu como também mundial. O grupo suíço consegue reunir neste “Everything Remains (As It Never Was)” todos os elementos que já os consagravam como grande expoente do gênero: tem um pouco do peso e da velocidade de debut “Spirit”, um tanto das melodias melhores trabalhadas de “Slania” e bem mais da celticidade que se ouviu no experimental “Evocation I: The Arcane Dominion”.
Cellar Darling: a nova banda de Anna Murphy, ex-EluveitieMegadeth: Dave Mustaine é contra o casamento gay

De certa forma, eles conseguiram criar uma equação perfeitamente balanceada entre todos esses elementos, atinge um nível de maturidade musical muito interessante, nos mostrando um fôlego novo para um estilo que vem ficando extremamente saturado. “Everything Remains (As It Never Was)” é um disco que não se parece com nenhum dos outros já lançados, é diferente, tem arranjos bem diferentes, mas que mantem a essência e o espírito que a banda sempre teve. E conseguir algo assim, já garante muitos pontos prós para a banda!

Mas vamos às faixas: “Otherworld” é uma introdução soturna, com narração melancólica enfeitada por gaitas e flautas que lhe garantem um clima quase místico e hipnótico. A faixa-título, “Thousandfold” (Single com um clipe muito bacana), “Nile” e “The Essence of Ashes” formam uma sequência de muito peso, flautas aceleradas e variações muito interessantes de vocais que ão um clima inovador ao som da banda.

Em seguida chega a instrumental e belíssima “Isara”, que soa quase como mágica. “Kingdome Come Undone” retorna com o peso e a violência, e mais uma vez se ouve nitidamente o amadurecimento musical atingindo pela banda. “Quoath the Raven” e “(Do)Minion” seguem na mesma batida de força, velocidade e intensidade; na sequência mais um interlúdio instrumental (também lindo) “Setlon”, que rapidamente dá lugar para a cavalgante “Sempiternal Embers” e a quase dançante “Lugdunon”.

E para fechar com chave de ouro um epílogo instrumental emocionante, “The Liminal Passage”, que tem uma aura de despedida, triste, que dá a imagem de alguem se afastando em meio a névoa....

Ainda vale ressaltar a arte gráfica muito elegante e bonita assinada por Travis Smith e Manuel Vargas. A fonte das letras do encarte parecendo runas ficou algo fabuloso!

Por fim, um álbum maravilhoso, que pode não ser perfeito mas mesmo assim pode ser encarado como o melhor trabalho destes suíços muito competentes.

Track List:
1. Otherworld - 1:57
2. Everything Remains (As It Never Was) - 4:25
3. Thousandfold – 3:20
4. Nil – 3:43
5. The Essence of Ashes – 3:59
6. Isara – 2:44
7. Kingdome Come Undone – 3:22
8. Quoath the Raven – 4:42
9. (Do)Minion – 5:07
10. Setlon – 2:36
11. Sempiternal Embers – 4:52
12. Lugdunon – 4:01
13. The Liminal Passage – 2:15

http://www.myspace.com/eluveitie
http://www.eluveitie.ch/

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Cellar Darling: a nova banda de Anna Murphy, ex-EluveitieIrij: novo album lançado em versão físicaEluveitie: veja show completo na Alemanha, em agosto de 2016Todas as matérias e notícias sobre "Eluveitie"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Eluveitie"

Megadeth
Dave Mustaine contra o casamento gay

Kiss
Admitindo usar playback em shows ao vivo

Metallica
"St. Anger foi uma declaração", diz Hetfield

Tony Iommi: "não sei como criei aqueles riffs"Motley Crue: As críticas de Vince Neil a Nikki Sixx e Tommy LeeKiss: A extensa e variada filmografia da bandaSão muitas emoções: "Esse Cara Sou Eu" em versão Heavy MetalMetallica: as dez piores segundo a Ultimate Classic RockNightwish: "não tenho iPod e nunca baixei nada da internet"

Sobre Júlio André Gutheil

Nascido em Feliz, interior do Rio Grande do Sul, de origem alemã e com 20 anos de idade. Grande fã de Blind Guardian, Paradise Lost e Opeth, além de outras várias bandas de diversos estilos distintos. Pretende cursar jornalismo e também se dedicar o máximo possível à crônica do mundo Heavy Metal. Escreve no blog www.metalmeltdowndiscos.blogspot.com. Twitter: @jagutheil.

Mais matérias de Júlio André Gutheil no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online