Bad Company: excelente opção para os fanáticos pela banda

Resenha - Hard Rock Live - Bad Company

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Vitor Bemvindo
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Nunca me esqueço da primeira vez que escutei “Rock Steady” do Bad Company. Estava no bar Heavy Duty Beer Club, um dos únicos redutos Rock and Roll do Rio de Janeiro, e uma banda cover a tocou. Eu era então um jovem mancebo que pouco conhecia do rock setentista e quando ouvi aquilo, perguntei ao meu amigo Luiz Felipe Freitas, a Enciclopédia do Rock: “que banda é essa?”. Ele respondeu com a sutileza que lhe é peculiar: “é Bad Company, porra!”. Minha vida nunca mais foi a mesma depois daquele dia.
Tony Iommi: "não sei como criei aqueles riffs"Motley Crue: As críticas de Vince Neil a Nikki Sixx e Tommy Lee

Na mesma semana, a Enciclopédia teve a nobreza de me emprestar alguns dos seus “verbetes”: foi então que ouvi pela primeira vez o disco “Bad Company” (1974), uma das maiores obras-primas da história do Rock na minha humilde opinião. Ele me emprestou também os bons “Straight Shooter” (1975), o “Burnin’ Sky” (1977) e “Desolation Angels” (1979). Eu ouvi todos aqueles discos a exaustão e fiz uma coletânea das músicas que mais gostei. Eu levava aquele disquinho pra todo lugar que eu ia. Foi assim que o Bad Company passou a ser parte da trilha sonora da minha vida.

Paul Rodgers mudou meus conceitos sobre o que é ser um vocalista de Rock and Roll. Agudos e estripulias vocais são legais, mas não são fundamentais. A maneira sutil, suave e apaixonada com que Rodgers canta me cativou desde o primeiro momento que eu ouvi. Ele não é metido a exageros, sabe encaixar sua voz exatamente ao que cada canção pede, o que o fez se tornar um dos grandes.

O Bad Company nasceu de uma reunião estrelar de ex-membros do Free (Paul Rodgers e o baterista Simon Kirke), do Moot The Hoople (o guitarrista Mick Ralphs) e King Crimson (o baixista Boz Burrell), em 1973. O supergrupo imediatamente assinou um contrato com o selo Swam Song (de propriedade do Led Zeppelin) e, entre 1974 e 1982, com a mesma formação, lançou seis discos de estúdio.

Após esse período, Paul Rodgers partiu para carreira solo e a banda passou ter uma rotatividade maior em sua formação. Em 2002, a banda voltou às origens da sua formação, mas sem o baixista original, Boz Burrell. Lançaram o ótimo disco ao vivo “Merchants of Cool”, que contava com duas músicas inéditas bem legais: “Saving Grace” e “Joe Fabulous”. Mas a reunião durou pouco. Em 2006, Burrell faleceu e frustrou de vez uma possível reunião da formação original.

Mas em 2008, Rodgers, Kirke e Ralphs resolveram se reunir novamente para algumas apresentações por algumas partes do mundo. A apresentação no Hard Rock Hotel & Casino, na Flórida, foi registrada e, finalmente lançada agora em 2010. O concerto foi disponibilizado em um pacote que vem com um CD e um DVD.

O disco é um apanhado muito bem feito da carreira da banda. Eles selecionaram 16 canções do período de 1974 a 1982, quando Rodgers comandava os vocais do grupo. A diferença evidente é a nova roupagem dada às faixas. Se há uma coisa que pode se criticar no Bad Company era a produção dos discos de estúdio. As faixas nunca ficaram com o peso e a significância que mereciam. A banda costumava então consertar isso no palco, se tornando um caso clássico de grupo que se saia melhor nos palcos do que no estúdio.

O registro de “Hard Rock Live” (2010) é uma prova de aquelas canções tem mais para oferecer do que está registrado nos álbuns originais. Ao vivo o Bad Company, mais uma vez mostrou sua força. Um exemplo claro disso é a faixa “Gone, Gone, Gone”, que entrou nesse álbum como uma espécie de tributo a Boz Burrell, compositor da música. A versão original, que saiu em “Desolation Angels”, tem uma produção que chega a ser constrangedora: uma guitarra sem peso e uma percussão intercalada por palmas fazem com que você não consiga se deter na faixa até o fim. No disco ao vivo recém-lançado, “Gone, Gone, Gone” recebeu o peso que merecia, ganhando mais distorção na guitarra e se desfazendo das palminhas que remetiam a um programa de auditório de quinta categoria.

Isso acontece durante todo o disco. A energia do Bad Company está muito bem captada em “Hard Rock Live”, assim como já havia acontecido em “Merchants of Cool” (2002) e “Live in Albuquerque” (lançado em 2006, mas que traz um registro feito em 1976).

O disco tem vários destaques. Claro que os clássicos saltam aos ouvidos. Canções clássicas como “Bad Company”, “Rock Steady”, “Can’t Get Enough”, “Good Lovin’ Gone Bad” fazem qualquer um se empolgar. As baladas também estão de emocionar: “Shooting Star” e “Ready for Love” ganharam suas versões definitivas.

Mas talvez o destaque seja a versão de “Rock ‘n’ Roll Fantasy”, do “Desolation Angels”. O Bad Company teve a feliz idéia de convidar o bom guitarrista Howard Leese (que costuma acompanhar Paul Rodgers em seus projetos solo) para acompanhar a banda. Isso trouxe para o grupo uma característica antes quase não existente, a utilização de duas guitarras. O trabalho de guitarras gêmeas de Leese e Ralphs em “Rock ‘n’ Roll Fantasy” fez com que a música ficasse ainda melhor.

As versões das faixas de “Desolation Angels” em “Hard Rock Live” mostram como aquele disco foi mal aproveitado. Existem várias músicas fantásticas naquele disco, mas a produção deixa bastante desejar. Talvez por isso, aquele seja o disco mais injustiçado da carreira do Bad Company.

Portanto, “Hard Rock Live” é uma excelente opção para os fanáticos pela banda, mas também para aqueles que querem ter o primeiro contato com o grupo. Os maiores sucessos do grupo estão ali registrados de maneira magistral, fazendo jus a fama do Bad Company de ser um grande grupo em cima dos palcos. Vale o investimento, vocês não se arrepender.

Faixas:
1. Bad Company
2. Honey Child
3. Sweet Lil' Sister
4. Burnin' Sky
5. Gone Gone Gone
6. Run with the Pack
7. Seagull
8. Feel Like Makin' Love
9. Movin' On
10. Simple Man
11. Rock Steady
12. Shooting Star
13. Can't Get Enough
14. Rock N'Roll Fantasy
15. Ready for Love
16. Good Lovin' Gone Bad

Leia outras resenhas de CDs e DVDs de artistas dos anos 60 e 70 no MOFOBlog, o blog do MOFODEU.

http://www.mofodeu.com/mofoblog

Para ouvir o Bad Company no MOFODEU, acesse:

http://www.mofodeu.com/?tag=bad-company

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Todas as matérias e notícias sobre "Bad Company"

Baladas Hard
Blog elege o Top 20 de todos os tempos

Paul Rodgers
A morte de Bonham e a saída do Bad Company

Hard Rock
As 25 melhores músicas acústicas do gênero

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Bad Company"

Tony Iommi
"Não sei como criei aqueles riffs"

Motley Crue
As críticas de Vince Neil a Nikki Sixx e Tommy Lee

Kiss
A filmografia da banda

Tony Iommi: "não sei como criei aqueles riffs"Motley Crue: As críticas de Vince Neil a Nikki Sixx e Tommy LeeKiss: A extensa e variada filmografia da bandaIron Maiden: uma curiosa entrevista com EddiePra ouvir e discutir: os melhores discos lançados em 1996Kiko Loureiro: como ele vê ser chamado de melhor guitarrista por Dave Mustaine

Sobre Vitor Bemvindo

Historiador de formação, tem verdadeira adoração pelo Rock and Roll desde sua infância. Seu instinto de pesquisador fez com que "se especializasse" em bandas velhas, especificamente as das décadas de 1960 e 1970. Produz e apresenta o MOFODEU (www.mofodeu.com), o Programa que tira o MOFO do ROCK, juntamente com seu parceiro Luiz Felipe Freitas (a Enciclopédia do Rock). O Programa está no ar desde 2007, tocando só bandas sessentista e setentistas sempre com muita informação e bom humor.

Mais matérias de Vitor Bemvindo no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online