Doors: mais que apenas uma coleção de canções

Resenha - Doors - Doors

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Gustavo Berlin
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Existem álbuns,e existem sopros de vida capturados em disco. Sim, estes últimos são tão raros e incomparáveis que sua simples existencia deve ser celebrada e cultivada como uma jóia. Dentro do rock pouquíssimos trabalhos atingiram este estado de graça, talvez menos de uma dúzia. E nenhum deles conseguiu, até hoje,igualar o abalo sísmico que o primeiro álbum dos Doors tem a capacidade de gerar na mente de um indivíduo. Não se trata de uma coleção de canções. É algo mais próximo de uma experiência de vida, e para alguns uma potencial jornada pelo subconsciente. Exagero? Para muitos, talvez.
Doors: unboxing da edição deluxe de 50º aniversário do 1º álbumMegadeth: Dave Mustaine é contra o casamento gay

Há algo humano, selvagem, primitivo neste album, que é realmente difícil de expressar em palavras. É claro, extinguir sua natureza destrinchando-o com compactos e execuções em rádio faz com que a mágica desapareça, mas esperar algo diferente de gravadoras é uma utopia desnecessária. Basta preservar a obra completa como um segredo bem guardado, para aqueles que conseguirem enxergar alem da levada contagiante de "Light My Fire". Seu espírito casa com o do longa de Francis Ford Coppola, "Apocalypse Now", de maneira quase sobrenatural.

O que é realmente curioso é que há uma certa incerteza em relação à proposta da banda até os ultimos minutos do disco. Ele começa iressistível e inigualavelmente psicodélico com a antológica "Break On Through (To The Other Side)", e segue um clima cada vez mais distante do prosaico com as hipnóticas "Crystal Ship" e "End Of The Night", passando por verdadeiras pérolas do rock de San Francisco. Mas é apenas com "The End", uma das músicas mais pertubadoras ja escritas, que percebe-se o quão longe Jim Morisson se encontrava do "Summer Of Love" de 67, tal como o poder apaixonante que este manifesto obscuro tem de envolver seu ouvinte.

Seja pelas letras, uma dramática interpretação de Édipo Rei entrelaçada com viagens lisérgicas e cenas apocalípticas de um Vietnã devastado, ou simplesmente pela maneira selvagem que Morisson pronuncia cada palavra, "The End" é pura e simplesmente o coração de toda a música. É seguramente um dos mais chocantes momentos do rock n' roll, e seus ecos perduram na mente por horas após a audição. Sua estrutura de Raga indiano é o traço defintivo que distancia a composição de tudo que se tenha conhecimento, enquanto uma voz anuncia intimadoramente por cima: "Lost in a roman wilderness of pain, and all the children are isane". Imaginamos os quadros descritos em nossa mente, e Morrison se remoe profeticamente. Nos últimos momentos, quando não há nada mais que possa ser dito, o vocalista inquieto e apaixonado pela sua cria altera o tom apocalíptico e balbucia em um pós-clímax perturbadoramente instimista: "my only friend, the end... it hurts to set you free, but you'll never follow me... The end of laughter and soft lies, the end of nights we tried to die". Em meio a lágrimas sentidas encerra tudo como uma passagem para o outro mundo. As portas da percepção são, de fato, abertas.

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Top 10
Bandas importantes com menos de 10 discos lançados

Doors: unboxing da edição deluxe de 50º aniversário do 1º álbumThe Doors: ouça versão inédita inédita de "Twentieth Century Fox"Todas as matérias e notícias sobre "Doors"

Classic Rock
Elegendo os 10 melhores álbuns de estréia

Rolling Stone
Revista elege os melhores rocks com mais de sete minutos

Sexo e Rock
Músicas com conotação sexual

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Doors"

Megadeth
Dave Mustaine contra o casamento gay

Kiss
Admitindo usar playback em shows ao vivo

Metallica
"St. Anger foi uma declaração", diz Hetfield

Iron Maiden: os fãs mais insuportáveis em lista da MTVMetallica: Jason Newsted afirma que salvou a banda duas vezesTradução - Kill 'em All - MetallicaQueen: segundo May e Taylor, John Deacon evita contatos sociaisCinema: Filmes para quem ama Rock e Metal (Parte 1)Black Metal: versão pesada de "Hello Kitty" da Avril Lavigne

Sobre Gustavo Berlin

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online