Bon Jovi: uma banda a ser respeitada e odiada por muitos

Resenha - Circle - Bon Jovi

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Alex Heilborn
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Mais uma vez o quarteto de New Jersey surpreende seus fãs e a chamada "crítica especializada" (talvez não tão positivamente) com mais um álbum de estúdio onde um ciclo se encerra e mais uma nova era se inicia, devidamente intitulado "The Circle". Além do CD versão simples, há a opção deluxe com o DVD do documentário que comemora seus 25 anos de carreira para acompanhar o livro autobiográfico "When we were beautiful".
Rock In Rio: saiba quais dias esgotaram primeiro na pré-vendaSlipknot: "o Kiss se transformou na Disney do Rock"

Em seu 11° album de estúdio, a banda retoma seus álbums anteriores como inspiração, incluindo a grande época de "Slippery When Wet" e "New Jersey" nas faixas "We Weren't Born To Follow", "When We Were Beautiful" e "Work For The Working Man". A primeira lembra uma releitura de "Born To Be My Babe" e a terceira remete à clássica "Livin' On a Prayer".

Ok, isso quer dizer que eles voltaram as raízes?

Bem, podemos dizer que sim, porém não exatamente as dos anos 80 e sim as raízes que fizeram a banda ser conhecida e vender mais de 120 milhões de álbums, tocando para mais de 34 países e fechado 2008 como a maior turnê de rock do ano!

Faixas como "Superman Tonight" e "Thorn In My Side" trazem o pop rock que estamos acostumados desde "It's My Life", já "Bullet" e "Happy Now" retornam aos álbums definitivos do "hard contemporâneo" mais comercial apresentado em "Keep The Faith" (1992) e "Bounce" (2002), que também foi seguido por grandes como Paul Stanley, Def Leppard, Scorpions, etc.

Mas é a épica "When We Were Beautiful" que mostra ao mesmo tempo nostalgia e amadurecimento, alcançados nesses anos de carreira.

Jon não é mais o grande vocalista que costumava ser e isso acaba sendo decepcionante, mas Richie Sambora e Tico Torres retornam em grande estilo em suas funções e fazem de "The Circle" uma surpresa para quem gosta de bons riffs e batidas precisas.

"The Circle" chega em uma época onde nao só americanos mas o mundo quer acreditar que a mudança de um presidente seja positiva e suas letras passam a mensagem que devemos continuar lutando pra que isso aconteça!

Isso faz de Bon Jovi uma banda a ser respeitada e odiada por muitos, mas também a maior sobrevivente dos anos 80, não seguindo modas ou fases como muitas outras e sim tocando seu pop hard desde seu início, sendo mais pesado ou romântico e comercial, porém sendo honesto com seus fãs e amadurecendo a cada lançamento.

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Circle - Bon Jovi

Bon Jovi: não é pior do que os anteriores... nem melhor...

Rock In Rio
Saiba quais dias esgotaram primeiro na pré-venda

Rio Rock City: Bon Jovi não faz mais música boa?Todas as matérias e notícias sobre "Bon Jovi"

Voz
10 músicos que cantam tão bem quanto os vocalistas (Parte I)

Planet Rock
As quarenta maiores vozes da história do rock

Bon Jovi
"Blaze of Glory" foi composta em guardanapos em um bar

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Bon Jovi"

Slipknot
"O Kiss se transformou na Disney do Rock!"

CJ Ramone
"Usar camisa dos Ramones por causa da moda é estúpido"

Fotos clássicas
Axl Rose e seu 'tijolão' celular

Mulheres e guitarras: as mais importantes segundo a GibsonBin Laden: possível sucessor era músico de Death MetalWatchMojo: os 10 guitarristas mais subestimados de todos os temposDream Theater: Jordan Rudess quase tocou no The Wall, do Pink FloydSlash: ele pira com a série de games "Forza Motorsport"Wasp: por que Lemmy nao queria Chris Holmes no Motörhead?

Sobre Alex Heilborn

Meu nome é Alex Heilborn, tenho 33 anos e tenho feito parte do mundo Rock, Hard e Heavy, como produtor de eventos, intérprete e repórter por 19 anos. Fiz algumas coberturas de eventos como Skol Rock 97 e entrevistei Jason Bonham, Dio, Bruce e Klaus Meine, outros como Matt Sorum, Ian Astbury e Billy Duff do Cult em Sp e em Campinas, o Michael Vescera e o Quiet Riot, Blaze Bailey, Paul Dianno,Tracii Guns, e outros.

Mais matérias de Alex Heilborn no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online