Bloody: Thrash Metal oitentista soando contemporâneo

Resenha - Engines Of Sins - Bloody

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Quem vem acompanhando os veículos especializados com certeza já percebeu o quanto o Bloody vem investindo na divulgação de seu segundo álbum, “Engines Of Sins”. Mas o headbanger é conhecido por sua exigência implacável (e geralmente aquele temperamento forte...), então nada disso realmente funcionaria se os paulistas de Hortolândia não fossem competentes em sua proposta, certo?
Twisted Sister: segundo Dee, "ser pobre e famoso é uma merda"Ataques em Paris: Mortos e reféns em show do Eagles Of Death Metal

Mas podem ter a certeza de que o Bloody sabe o que quer em termos de Thrash Metal! O pessoal trabalhou muito em todos os detalhes que envolveram este disco, tanto no sentido de elaborar boas composições, quanto em possibilitar que “Engines Of Sins” chegasse ao público com um preço que deve fazer com que aquele eterno chavão 'CD é muito caro!' seja sufocado.

Enturbinado pela ótima produção do renomado Ciero do estúdio paulistano DaTribo, o disco apresenta 11 faixas repletas de características vinculadas ao Thrash Metal oitentista, ainda que fatalmente consiga soar contemporâneo. E é algo realmente gratificante observar que o Bloody procura fugir de fórmulas prontas, conseguindo aplicar uma torção própria em suas influências nas mais diversas ocasiões.

Um vocalista com um estranho timbre que é perfeito para o Bloody, riffs galopantes matadores, muitas passagens criativas bem amarradas e uma seção rítmica pra lá de consistente tornam a audição um primor por sua linearidade. Tudo soa bastante compactado e há várias faixas espetaculares como “Invisible Faith”, com vozes de fundo grudentas mesmo; “Forbidden Words” (ô guitarra invocada!!!), "Forsaken By The Gods" tem uma bateria que se destaca e ainda “Vírus”, já famosa por ser uma homenagem à nossa eterna sociedade do oba-oba-verde-amarelo e, como tal, cantada no ‘portuguêis do zé-povão’.

Finalizando, vale mencionar que novamente o Bloody colocou a tradução de suas letras no próprio encarte do CD. Um exemplo que poderia (ou deveria?) ser seguido por outros artistas... “Engines Of Sins” é um produto honesto até o osso, feito de headbanger para headbanger. Se este é você, confira sem medo!

Contato:
http://www.bloody.com.br

Formação:
Paulo Tuckumantel - voz
Fábio Bloody - guitarra
André Tabaja - baixo
Luis Coser - bateria

Bloody - Engines Of Sins
(2008 / independente – nacional)

01. Bloody Machine
02. Invisible Faith
03. No Pay, No Gain
04. Kill The Order
05. Forbidden Words
06. Evil’s Science
07. Forsaken By The Gods
08. Vírus
09. The Outcome
10. Immortal Rage
11. Chaos Empire

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Engines Of Sins - Bloody

Bloody: maturidade de causar inveja a muita banda veterana

Todas as matérias e notícias sobre "Bloody"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Bloody"

Twisted Sister
Dee Snider: "Ser pobre e famoso é uma merda"

Ataques em Paris
Mortos e reféns em show do Eagles Of Death Metal

John Lennon
10 coisas que você não sabia sobre o Beatle

Em 05/01/1974: Pink Floyd tenta fazer um álbum sem instrumentosAxl e Bono: entre artistas com egos do tamanho do TexasAC/DC: setlist, fotos e vídeos do show arrasador com Axl RosePantera: o segredo da capa de Vulgar Display of PowerPorrada: músicos que praticam ou já praticaram algum tipo de arte marcialOzzy Osbourne: Os 65 anos do madman em seis músicas

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online