Carlos Lichman: instrumental que contagia o ouvinte comum

Resenha - Firestorm - Carlos Lichman

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Clóvis Eduardo
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
É difícil pontuar um disco instrumental quando não se é um instrumentista. Musicalmente, o ouvinte pode não entender ou simplesmente não gostar do estilo empregado, mas não é por isso que o trabalho não é bom ou deve ser desvalorizado.
Avenged Sevenfold: bêbados, os caras resolvem tocar em bar na FinlândiaMetallica: porque nunca devem tocar no intervalo do Super Bowl

Gaúcho de Porto Alegre, Carlos Lichman deixou de atuar como um simples guitarrista da banda Neverland para se dedicar à carreira solo, oficinas e aulas de música e muito brilhantismo. É o primeiro trabalho do talentoso instrumentista, e para tornar a empreitada ainda melhor, chamou Kiko Loureiro, (Angra) e músicos além do país como o italiano Francesco Fareni, o argentino Pablo Soler e o estado unidense Jim Horne para acrescentarem à obra. Todos com participação marcada no encarte, para definir realmente, quem é o dono das dedilhadas velozes que estão no disco.

E que velocidade! Carlos Lichman chega a ser estúpido, sem perder a postura e a musicalidade, ainda mais ressaltada pela banda base, formada por uma verdadeira equipe técnica: Alexandre Olly e Sandro Moreira na bateria, Leandro Berpo e Vinícius Rym no baixo e Paulo Miguel Bublitz no teclado, instrumento também comandado pelo próprio Lichman na canção “Drug Dealers”.

“Firestorm” é um disco que os ouvintes amadores da música instrumental (assim como eu), deveriam ter conhecido há mais tempo. Se os licks e riffs desembaraçados tiveram boa repercussão na mídia especializada nacional e internacional, é por que de fato, Carlos Lichman merece elogios e aplausos. No entanto, não é por que revistas ou sites deram boas notas que só por isso vou valorizar o trabalho do gaúcho. De fato, apesar de sentir um pouco a insistência de solos mais agudos e repetitivos, reconheço o esforço empregado em todo o disco, a variedade musical, e o peso Heavy Metal aplicado em “Drug Dealers” ou em “Endless”, por exemplo.

Essas duas canções servem como modelo de como empregar habilidade, criatividade e ao mesmo tempo, contagiar o ouvinte com os velhos clichês do rock. É pensar no futuro, e botar fé neste grande instrumentista brazuca!

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Todas as matérias e notícias sobre "Carlos Lichman"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Carlos Lichman"

Avenged Sevenfold
Bêbados, os caras resolvem tocar em bar na Finlândia

Metallica
Porque eles nunca devem tocar no intervalo do Super Bowl

Grana pra torrar?
Os componentes de som mais caros do mundo

Ultraje a Rigor: Roger diz que foi tratado como lixo pela equipe dos StonesCristina Scabbia: "Símbolo sexual? Fico surpresa com isto!"Eddie: a foto que supostamente inspirou Derek RiggsJudas Priest: Análise vocal de Rob HalfordIron Maiden: vídeo dos bastidores da remasterização dos 15 álbunsNX Zero: "É bom para o rock estar longe da TV aberta"

Sobre Clóvis Eduardo

Clóvis Eduardo Cuco é catarinense, jornalista e metaleiro.

Mais matérias de Clóvis Eduardo no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online