Bad Religion: coeso, energético, emocionante

Resenha - Bad Religion - New Maps Of Hell

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Igor Natusch
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
É praticamente um consenso entre fãs e críticos: a volta de Brett Gurewitz fez muito, mas muito bem mesmo ao Bad Religion. Não que os três álbuns feitos sem ele fossem exatamente ruins – mas é impossível negar que os últimos CDs da banda, gravados depois da volta do guitarrista e compositor, são muito mais fortes e relevantes musicalmente.
Astros do rock: o patrimônio líquido de cada umIron Maiden: "Run To The Hills" no The Voice da Suécia

Depois do demolidor “The Empire Strikes First” (simplesmente um dos melhores discos de punk rock da década), seria complicado para o Bad Religion gravar um disco tão forte e impressionante. Eles quase conseguiram – e acredite, leitor(a), isso significa muita coisa. “New Maps Of Hell” é um disco coeso, energético, emocionado e emocionante – como, aliás, o são os álbuns mais significativos da muito significativa carreira dos californianos.

Os assuntos básicos da banda não mudaram – de fato, pode-se dizer que o objetivo sempre foi criticar (de modo muito inteligente, diga-se) o conformismo e as ameaças à liberdade individual promovidas por governos e religiões. Mas deve ser dito que a indignação do Bad Religion não diminuiu com o tempo, pelo contrário – em muitos momentos, como em “Murder” e “Grains of Wrath”, é possível sentir a revolta literalmente pulsando nas caixas de som. E, como os principais compositores (Gurewitz e o vocalista Greg Graffin) estão obviamente mais maduros, a mensagem é passada com uma sofisticação especial, que não diminui a música do grupo, mas sim a fortalece ainda mais.

As músicas, aliás, são em sua maioria muitíssimo boas. Destaques possíveis são muitos: “New Dark Ages”, “Honest Goodbye” (que conta com um refrão sofisticado e muito bonito), “Prodigal Son”, “Scrutiny” (começa com uma contagem de 1-8 simplesmente empolgante), “Requiem For Dissident” (outro refrão marcante) e “Submission Complete” são canções que saltam aos ouvidos já nas primeiras voltas do CD. A voz de Graffin está tão marcante quanto sempre, o instrumental soa muito coeso (com destaque para o trabalho impressionante do ótimo baterista Brooks Wackerman) e as harmonias vocais, sempre um dos fortes do grupo, seguem criativas e envolventes como sempre. Mas, em um disco cheio de destaques, me parece que esse “New Maps Of Hell” apresenta o seu melhor no final: “Fields Of Mars”, uma música muito bonita, ainda que veloz e raivosa, como convém a uma das bandas mais respeitadas do punk rock atual.

Tirando a média, “New Maps of Hell” pode não ser tão impactante quanto seu antecessor – especialmente devido a algumas poucas músicas como “Dearly Beloved” e “The Grand Delusion”, que não conseguem alcançar o nível de excelência das demais. Mas trata-se de um disco de alto nível, que dignifica ainda mais a já respeitabilíssima carreira do Bad Religion e se revela como uma boa aquisição para qualquer apreciador de punk rock – o que, convenhamos, é o que realmente interessa.

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Todas as matérias e notícias sobre "Bad Religion"

Punk Rock
21 logos conhecidos e suas histórias

Punk Rock
Site lista os discos mais representativos da história do estilo

Vai-e-vem
O troca-troca entre Bad Religion e Avenged Sevenfold

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Bad Religion"

Astros do rock
O patrimônio líquido de cada um

Iron Maiden
"Run To The Hills" no The Voice da Suécia

Mulheres no Rock
As mais importantes segundo rádio inglesa

Planno D: todo metaleiro se envergonha de algo que gostaMetallica: como Kirk Hammet perdeu seu PorschePink Floyd: tudo sobre "Another Brick in the Wall"Gene Simmons: um cuzão com quem não chega sóbrio e na hora certaSlipknot: ouça os urros de Corey Taylor na série "Doctor Who"Christopher Lee: conheça trabalho do lendário ator no heavy metal

Sobre Igor Natusch

Igor Natusch é gaúcho, gremista, profissional de vídeo, jornalista, baixista e fã de Heavy Metal desde que se conhece por gente. Viciado no Metal oitentista, em especial NWOBHM, gasta boa parte do seu tempo livre pesquisando sobre bandas da época, tentando ao mesmo tempo não se desligar dos sons e novidades do presente. Apegado ao passado, ainda não tomou coragem para jogar fora suas fitas K7, embora já tenha substituído todas elas por arquivos mp3 há muito tempo. E nunca pintou a barba em toda a sua vida.

Mais matérias de Igor Natusch no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online