Dew-Scented: apenas competente mais do mesmo

Resenha - Incinerate - Dew-Scented

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Maurício Gomes Angelo
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
A partir de “Inwards”, de 2002, os alemães do Dew-Scented vieram recebendo maior atenção não só no Brasil como em várias outras partes do mundo. Descendentes diretos da escola “sem concessões” do thrash/death, a receita aqui é nítida: música extrema velocíssima, primando por triggers incessantes, vocais urrados e uma usina de riffs que explodem por todo o play. Ou seja, o tipo de som que faz um considerável estrago ao vivo.
VH1: Os vinte guitarristas mais influentes da era modernaDuff McKagan: se arrependendo de Duff Beer dos Simpsons

A dupla de guitarristas Flo Mueller e Hendrik Bache realmente capricham nos riffs e solos, sendo donos de um poder de fogo não muito comum, calcados diretamente na dupla Kerry King/Jeff Hanneman. “The Fraud”, “Now Or Never”, “Everything Undone” e “Aftemath”, por exemplo. Uwe Werning vem na tradição de bateristas alemães, sendo muito influenciado pelo thrash daquele país, o que é ótimo.

O principal problema, como já apontado por quase todos que têm contato com a música do Dew-Scented é a repetição, a dificuldade de se diferenciar quando uma faixa termina e outra começa. As guitarras são bem “trampadas”, para usar uma expressão típica do meio, e a cozinha é funcional, mas a velocidade demasiada e o vocal uniforme de Leif Jensen atrapalham.

Deste modo, as virtudes acabam eclipsadas pelos defeitos. É como se ouvíssemos uma única composição de uma hora e dez minutos - no caso deste CD, recheado de bonus tracks. Contudo, as participações de Jeff Waters (Annihilator), Gus G. (Firewind) e Mille Petrozza (Kreator) conseguem trazer um atrativo a mais em “Perdition For All” e “Retain The Scars”.

Talvez a saída para o Dew-Scented seja pisar um pouco no freio, reconhecendo que a velocidade não é o único sentido da existência e assim dando espaço para que a qualidade de seus instrumentistas sobressaia melhor, bem como a atuação do solapado baixista Alexander Pahl. Andy Sneap, preferência de 11 entre 10 bandas do estilo, faz um bom trabalho como sempre, deixando tudo nítido apesar do caos sonoro. Mas não me agrada os timbres sempre parecidos que constrói e o toque excessivamente “moderno” e estalado da atmosfera num todo. As composições não “respiram”, como seria saudável. Resta saber se o grupo irá continuar na linha daqueles famosos representantes do “competente mais do mesmo”, ou tentará algo com mais cérebro e menos músculos.

Formação:
Leif Jensen (Vocal)
Flo Mueller (Guitarra)
Hendrik Bache (Guitarra)
Alexander Pahl (Baixo)
Uwe Werning (Bateria)

Site Oficial: www.dew-scented.net

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Incinerate - Dew-Scented

Dew-Scented: muito direto e sem concessões

Todas as matérias e notícias sobre "Dew-Scented"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Dew-Scented"

VH1
Os vinte guitarristas mais influentes da era moderna

Duff McKagan
Arrependido por ceder nome para cerveja

Nick Jonas
Em um dos piores solos de guitarra que você já ouviu

Slayer: King não entende como alguém pode querer entrar no MegadethRobert Plant: "quase saí do Led quando meu filho morreu"Slash: guitarrista flagrou a mãe pelada com David BowieThe Beatles: banda foi vetada pela CBF na Copa de 66Broderick: estar no Megadeth é constantemente pesar prós/contrasTestament: só as bandas que lotam estádios estão indo bem

Sobre Maurício Gomes Angelo

Jornalista. Escreve sobre cultura pop (e não pop), política, economia, literatura e artigos em várias áreas desde 2003. Fundador da Revista Movin' Up (www.revistamovinup.com) e da revrbr (www.revrbr.com), agência de comunicação digital. Começou a escrever para o Whiplash! em 2004 e passou também pela revista Roadie Crew.

Mais matérias de Maurício Gomes Angelo no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online