Dimmu Borgir: técnico, sombrio e pesado

Resenha - Dimmu Borgir - In Sorte Diaboli

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Ricardo Seelig
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Após quatro anos sem lançar nenhum álbum com músicas inéditas (o último foi “Death Cult Armageddon”, de 2003), a expectativa por um novo trabalho dos noruegueses do Dimmu Borgir era enorme. O grupo sabia disso, e acredito que os fãs ficarão satisfeitos com o resultado final de “In Sorte Diaboli”.
Dimmu Borgir: banda inicia gravação de novo discoAerosmith: As 20 frases mais ultrajantes de Steven Tyler

Mais sinfônico já de saída, com a excelente “The Serpentine Offering”, o disco traz um Dimmu Borgir soando mais técnico, bastante sombrio e pesado, e bem menos teatral do que nos últimos anos. O foco de “In Sorte Diaboli” está totalmente na música, e em se tratando de músicos do nível de Shagrath e Silenoz, esse pequeno detalhe faz uma enorme diferença.

A já citada “The Serpentine Offering”, que também é o primeiro single do álbum e possui um clipe fantástico, é um dos destaques do CD. Ao lado dela, músicas como “The Chosen Legacy”, “The Sacrilegious Scorn”, “The Sinister Awakening” e “The Foreshadowing Furnace” chamam a atenção de imediato, mas o som do Dimmu Borgir alcançou um nível de elaboração e uma riqueza sonora que, a cada audição do disco, essa lista muda.

Belos coros marcam presença em todo o álbum, realçando ainda mais o aspecto dramático e emocional das músicas. Os teclados de Mustis ganharam mais espaço, reforçando o já citado aspecto sinfônico. Além disso, as guitarras de Silenoz e Galder derramam riffs inspirados, o que colabora para “In Sorte Diaboli” ser um dos trabalhos mais pesados da carreira do grupo. Vale mencionar que Hellhammer, o lendário baterista que já fez parte do Mayhem e de inúmeros grupos extremos, toca no álbum, o que dá uma cara meio old school para algumas passagens.

O Dimmu Borgir alcançou em “In Sorte Diaboli” um resultado tal que classificar o disco com uma peça de arte não seria errado.

Excelente, mais uma vez.

Faixas:
1. The Serpentine Offering
2. The Chosen Legacy
3. The Conspiracy Unfolds
4. The Sacrilegious Scorn
5. The Fallen Arises
6. The Sinister Awakening
7. The Fundamental Alienation
8. The Invaluable Darkness
9. The Foreshadowing Furnace

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Metal Injection
20 álbuns que completam 20 anos em 2017

Dimmu Borgir: banda inicia gravação de novo discoDimmu Borgir: banda oficialmente em estúdio gravando novo álbumTodas as matérias e notícias sobre "Dimmu Borgir"

Slayer
Conheça outras capas do brasileiro Marcelo Vasco

Halloween
Dez clássicos do Heavy Metal para curtir a data

Dimmu Borgir
Silenoz escolhe músicas para o Halloween

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Dimmu Borgir"

Aerosmith
As 20 frases mais ultrajantes de Steven Tyler

Heavy Metal
As melhores faixas de 2012 segundo o Loudwire

Guns N' Roses
Tudo parece muito surreal para Slash

Black Sabbath: o talvez mais bizarro cover de "Paranoid"Top 10: Melhores Baixistas de todos os temposRodolfo Abrantes: "Raimundos como banda não me interessa"Nirvana: os dois maiores sucessos seriam plágios?System Of A Dilma: mashup de SOAD e discurso da presidenteAté que demorou: versão metal de "Aquele 1%" de Wesley Safadão

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online