Axel Rudi Pell: orgulho em não inovar?

Resenha - Mystica - Axel Rudi Pell

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Rodrigo Simas
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Existem algumas bandas que você compra o CD já sabendo o que vai encontrar. Existem algumas que, além disso, não buscam nenhum tipo de inovação e sentem orgulho por fazer o mesmo disco infinitas vezes. Algumas conseguem um resultado excelente, algumas caem em clichês óbvios e outras são apenas cópias sem graça de seus ídolos.
Axel Rudi Pell: Seu melhor trabalho em anosSlipknot: Corey Taylor abandona os palcos se o Guns se reunir

Axel Rudi Pell une um pouco de cada uma dessas características. "Mystica", lançado em 2006, traz tudo que um fã do guitarrista quer, até porque é exatamente igual a todos últimos lançamentos de estúdio da banda (sem contar com os álbuns “Ballads”): muitos solos, melodias neo-clássicas, um misto entre heavy-metal e hard rock com influências óbvias de Rainbow e Deep Purple (Ritchie Blackmore), refrões grudentos e nenhum tipo de surpresa durante toda audição do CD.

O engraçado (ou não) de tudo isso, é que até os mínimos detalhes são repetidos: a ordem das músicas segue um padrão (com a primeira sendo rápida, a segunda meio hard rock e lá pela segunda metade do CD, uma faixa épica, que também se parece com todas as outras faixas épicas lançadas anteriormente), você sabe (mesmo sem nunca ter ouvido) quando vai ouvir um solo, o refrão ou mesmo como a bateria vai entrar na próxima música.

De resto, o vocalista Johnny Giolli cumpre bem seu papel, conseguindo encaixar sua voz tanto nas músicas mais pesadas como nas baladas, o baterista Mike Terrana se enquadra no estilo, criando linhas que não chamam tanta atenção e não atrapalham o resto dos instrumentos, limitando-se apenas a acompanhar as músicas, e o tecladista Ferdy Doernberg e o baixista Volker Krawczak tem uma performance tímida, praticamente sem aparecer durante todas as faixas.

Clichês à parte, Axel consegue um resultado que dificilmente vai desagradar por completo qualquer fã de rock ou metal, mas provavelmente vai passar batido para os mais exigentes ou vai enjoa-los na segunda vez que for ouvido. Mas, se você é daqueles fãs que gostam de ter a sensação de já ter ouvido aquela música antes, sem surpresas, com tudo no seu devido lugar, "Mystica" é um prato cheio.

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Mystica - Axel Rudi Pell

Axel Rudi Pell: hard maduro, evoluído e modernoAxel Rudi Pell: na linha dos trabalhos anterioresResenha - Mystica - Axel Rudi Pell

Axel Rudi Pell: Seu melhor trabalho em anosTodas as matérias e notícias sobre "Axel Rudi Pell"

Heavy Metal
Discos que são obras-primas pouco lembradas - Parte 1

Baladas do Metal
Blog elege as mais bonitas de todos os tempos

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Axel Rudi Pell"

Slipknot
Corey Taylor abandona os palcos se o Guns se reunir

Iron Maiden
Quinze canções que definem a banda

Death Metal
As 10 melhores (ou piores?) capas do estilo

Iron Maiden: a brincadeira de gato e rato nas capas da bandaDuff McKagan: "eu cheirei meu peso em cocaína"Rock e Heavy Metal: E se as capas dos álbuns fossem honestas?Led Zeppelin: ex-presidente Bill Clinton tentou reunir a bandaGuns N' Roses: nem o Alice in Chains consegue autógrafo delesQueen: os músicos filhos dos integrantes

Sobre Rodrigo Simas

Designer, carioca e tricolor. Começou a ouvir música aos 11 anos, com Iron Maiden, Metallica e Rush. Tem como hobby quase profissional, a música. Além de produzir shows e eventos, trabalhou por 5 anos em loja especializada em Heavy Metal, e já escreveu para alguns sites e revistas de música. Hoje escuta de tudo um pouco, e cada vez mais descobre que existem apenas dois tipos de música: a boa e a ruim, independente do estilo. Bandas e artistas favoritos: Dave Matthews Band, Peter Gabriel, Rush, Iron Maiden, Led Zeppelin, Ben Harper, Radiohead, System of a Down... e a lista continua…

Mais informações sobre Rodrigo Simas

Mais matérias de Rodrigo Simas no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online