Resenha - Wildflowers - Tom Petty

WHIPLASH.NET - Rock e Heavy Metal!

Resenha - Wildflowers - Tom Petty

Por Guilherme Rodrigues

  | Comentários:

O texto representa a opinião do autor, não do Whiplash.Net ou de seus editores.

Imagem
Julgar os trabalhos mais recentes de Tom Petty sem um traço de condescendência é aquilo que a gente pode chamar, sem medo, de “impossível histórico”. Desde 1976, esta figura admirável (e aqui já entrego os pontos quanto à isenção da opinião) construiu uma carreira absolutamente irrepreensível, trazendo na bagagem obras-primas do quilate de “Damn The Torpedoes” (1979), “Hard Promises” (1981), “Southern Accents” (1985), “Let Me Up (I´ve Had Enough)” (1987), "Full Moon Fever” (1989), entre outros. Sempre se reinventando no pop-rock´n´roll.

Para um roqueiro de bagagem setentista, Petty soube manejar, como poucos, as novas mídias e meios de veiculação de seu trabalho (a exemplo dos videoclipes) sem descuidar da qualidade de seu pop-rock. Certamente o surgimento dessas novas linguagens e meios foi um desafio artístico-estilístico que os 80´s impuseram e a que muitos ícones dos 70´s não resistiram (a exemplo de David Bowie - que do disco "Tonight", 1984, em diante, teve um anticlímax à altura de suas pérolas nos 70 - e de Stevie Wonder - depois de "I just call to say I love you", que é praticamente um atentado terrorista, o "maravilha" não viu mais nada. Pudera!). E Petty não só passou incólume pelos 80´s, segundo alguns a "década maldita", como conquistou o respeito e admiração de grande parte das novas gerações de público e de compositores, sendo (junto de Young, Dylan e Gram Parsons) grande referência para Jay Farrar, Jeff Tweedy e Mark Olson, os grandes expoentes do chamado “no depression movement”, a vertente que, desde o fim dos 80´s, vem mantendo a chama do rock acesa (totalmente anacrônico isso, mas vá lá) nos escuros salões do pop-rock industrializado e/ou pseudoalternativo.

Contudo, quando se ouve “Wildflowers” (1994), o primeiro trabalho de Petty para a Warner (dizem que seu contrato se deu na base dos 20 milhões de dólares), “vê-se” que condescendência definitivamente não é adjetivo que se aplique no julgamento do disco.

Vindo de dois discos super-produzidos nos quais fica evidente (beirando à chatice) a influência espartano-beatlemaníaca do produtor Jeff Lynne (“Full Moon Fever” e “Into The Great Wide Open”), em “Wildflowers” Petty optou por uma sonoridade mais acústica, orgânica, quase country-folk – demais disso, essa sonoridade sempre foi o ideal estilístico para o rock de Petty -, emoldurando com perfeição a temática - num certo sentido, quase espiritualista - aludida nas letras: viver e merecer uma vida com simplicidade, mesmo sendo um “rock star” (“Wildflowers” e “It´s Good to be King”, esta última uma homenagem a Elvis com um arranjo de cordas por Michael Kamen que lembra os melhores momentos de George Martin); não à estagnação, seguir adiante sempre (“Time To Move On”, que também tem cordas sutil e excepcionalmente bem arranjadas por Kamen); estar só e melancólico nem sempre são “coisas” ruins, desde que você esteja “bem acompanhado” (“You Don´t Know How It Feels”); aceitar os enganos e seguir o fluxo (“It´s Only a Broken Heart”, uma das mais belas composições de Petty); escapismo (“You Wreck Me”)... enfim, personagens bem construídos vivendo estórias bem contadas. É nisso que Petty sempre foi mestre: contar estórias... sem julgamentos clericais... ao revés, sempre mostrando empatia com os “losers” (porém, sem piedade) e injetando feeling com sua voz despida, como se fora testemunha ocular do conto que conta. Por vezes (como em “Broken Heart” e “Wake Up Time”, os momentos mais marcantes do disco), ele é o personagem, numa auto-análise - literalmente e sem pieguices - de partir o coração (ouça as canções e tente me contradizer!).

A produção ficou a cargo de Rick Rubin - que já produziu desde Beastie Boys e Slayer, passando pela obra-prima do Cult (“Electric”) a Johnny Cash e Jayhawks. Em “Wildflowers”, seu melhor trabalho foi deixar Petty à vontade (convenhamos, Tom não precisa de muitos “conselhos”).

“Wildflowers” é o retrato de Petty no auge de sua maturidade artístico-estilística, sereno, confiante, dominando todos os truques de estúdio e “travelings” imagísticos, literários (sim, por que não literários?) e rítmicos (intercalando folk-rocks, baladas-country, com rocks) e mostrando interação quase genética com seus músicos - alguns convidados ilustres como Ringo Starr e Steve Ferrone e Lenny Castro juntam-se aos Heartbreakers presentes, Benmont Tench e Mike Campbell que, redundância, dão um show particular nas teclas e nas guitarras, respectivamente.

O álbum termina com o belo verso “Cause it´s wake up time... it´s time to open your eyes... and rise... and shine...” “Wildflowers” mostra que a música de Petty, em seu cinqüentenário, continua tão visceral, instigante e necessária quanto aquela presente em seu disco de estréia, há 25 anos . Uma aula de rock.

Keep rockin , Tom!

(É lamentável que no Brasil, Petty seja um ilustre desconhecido e tenha, em versão nacional, apenas um greatest hits da vida).

Criado em 1996, Whiplash.Net é o mais completo site sobre Rock e Heavy Metal em português. Em março de 2013 o site teve 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas e 8.590.108 pageviews. Redatores, bandas e promotores podem colaborar pelo link ENVIAR MATERIAL no topo do site.


  | Comentários:

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs
Todas as matérias sobre "Tom Petty"

Tom Petty e Eddie Vedder: juntos no palco
Tom Petty: disco remasterizado com inéditas e em LP duplo
Tom Petty: matéria sobre "Mojo" no Imprensa Rocker
Tom Petty & Heartbreakers: novas músicas em show nos EUA
Tom Petty: detalhes - incluindo video - de disco novo
Tom Petty: anunciado novo disco com o Heartbreakers
Tom Petty & The Heartbreakers: turnê e disco novo
Tom Petty & The Heartbreakers: Caixa com 7 LPs e livro
Traveling Wilburys: George sonhava com uma turnê no mar
Rolling Stone: leitores elegem os maiores retornos do rock
Rolling Stone: revista elege melhores faixas de álbuns ruins
Em 01/02/1954: Nasce Mike Campbell (Tom Petty & The Heartbreakers)
Tom Petty comenta "plágio" em música do Red Hot
Red Hot Chili Peppers é acusado de plágio
Tom Petty

Os comentários são postados usando scripts do FACEBOOK e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Pense antes de escrever; os outros usuários e colaboradores merecem respeito;
Não seja agressivo, não provoque e não responda provocações com outras provocações;
Seja gentil ao apontar erros e seja útil usando o link de ENVIO DE CORREÇÕES;
Lembre-se de também elogiar quando encontrar bom conteúdo. :-)

Trolls, chatos de qualquer tipo e usuários que quebram estas regras podem ser banidos sem aviso. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Sobre Guilherme Rodrigues

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados.

Caso seja o autor, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Link que não funciona para email (ignore)

QUEM SOMOS | ANUNCIAR | ENVIAR MATERIAL | FALE CONOSCO

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em março: 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas, 8.590.108 pageviews.


Principal

Resenhas

Seções e Colunas

Temas

Bandas mais acessadas

NOME
1Iron Maiden
2Guns N' Roses
3Metallica
4Black Sabbath
5Megadeth
6Ozzy Osbourne
7Kiss
8Led Zeppelin
9Slayer
10AC/DC
11Angra
12Sepultura
13Dream Theater
14Judas Priest
15Van Halen

Lista completa de bandas e artistas mais acessados na história do site

Matérias mais lidas