Dark Side Of The Prog: como comprar Rock Progressivo Italiano

WHIPLASH.NET - Rock e Heavy Metal!

Dark Side Of The Prog: como comprar Rock Progressivo Italiano

Postado por Elias Varella | Fonte: Trendkills

  | Comentários:

A Itália não tinha muita tradição no rock até o final dos anos 60, produzindo apenas algumas bandas de beat sem muito sucesso. Porém, durante os agitados “Anos de Chumbo”, como ficou conhecido o período dominado por partidos políticos de esquerda entre as décadas de 60 e 80 em que ocorreram muitos ataques terroristas devido a conflitos decorrentes de visões extremistas, muitos escolheram a música para expressar sua revolta contra o status quo. Diante dessa efervescência, muitos jovens passaram a tocar música clássica com uma roupagem de rock, o que foi a base para o que conhecemos por Rock Progressivo Italiano (RPI).

Existem alguns elementos que tangenciam as bandas de Rock Progressivo surgidas naquele país durante os anos 70 que nos permite tratar esse estilo como um caso à parte. Primeiramente, percebe-se a clara influência de música erudita e o uso de referências à rica e diversificada música regional, como a ópera. Muitos elementos culturais também dão contornos à sua identidade, vide as famosas interpretações repletas de dramaticidade por parte dos vocalistas. Quem ouve Banco Del Mutuo Soccorso não duvida disso. Definitivamente as teclas (hammond, moog, piano, órgão, mellotron) comandam o RPI, sendo muito comuns a presença de flautas, violinos, violoncelos, além do uso, por vezes, de instrumentos típicos como mandoloncello e clavicembalo, que dão um tempero ainda mais especial para esse movimento.

É claro que a marca registrada da língua italiana não poderia deixar de ser comentada. Embora muitos discos-chave do estilo tenham sido traduzidos para o inglês em busca de reconhecimento internacional, a língua original não deve ser desconsiderada quando se quer entender o prog italiano. Inicialmente pode causar estranheza, mas conforme a audição vai fluindo, logo percebe-se que não existe idioma mais propício para harmonizar com a alma interpretativa do gênero.

Muitas dessas bandas conseguiram se manter por muito tempo e estão ativas até hoje, porém muitas estacionaram no primeiro registro, o que torna a pesquisa por grupos desconhecidos um garimpo quase infinito. Num primeiro momento, a intenção aqui é justamente apresentar dez das melhores bandas que lançaram apenas um disco, desconsiderando álbuns que algumas colocaram no mercado décadas depois, já que a imensa maioria não manteve a formação original e são títulos que não representam a época em que as bandas surgiram, sendo inexpressivos até mesmo para os mais entusiastas. Na segunda parte da matéria, serão incluídos grandes nomes como Premiata Forneria Marconi, Le Orme, Banco Del Mutuo Soccorso, Area, entre outros que tiveram uma carreira mais prolífica.

Por enquanto, esse é o Top 10 das bandas clássicas e obscuras de um só disco em ordem cronológica:

Reale Accademia di Musica - Reale Accademia di Musica (1972)

Imagem

Inicialmente chamavam-se I Fholks e chegaram a abrir shows para o Pink Floyd e Jimi Hendrix em Roma, sua cidade natal, em 1968. Após algumas alterações na formação, mudaram o nome para Reale Accademia Di Musica e fizeram um relativo sucesso na época. Lembra um pouco o Locanda Delle Fate devido às belas linhas melódicas suaves. No geral é um disco de atmosfera serena e bucólica, à exceção de Vertigine, que é um pouco mais pesada.

Em 1974, ocorreram algumas mudanças no seu line-up e serviram como banda de apoio para o cantor e compositor Adriano Monteduro, lançando um único disco que foi co-creditado ao Reale Accademia, mas que tem uma sonoridade mais puxada para o soft rock e quase não lembra o rock progressivo que faziam em 1972.

Campo di Marte – Campo Di Marte (1973)

Imagem

Quando foi gravado em janeiro de 1973, fazia pelo menos dois anos que o disco tinha sido composto e ensaiado. Essa demora atrapalhou a trajetória do grupo, pois seu líder já encaminhava outros projetos devido ao desânimo com o atraso do lançamento.

Campo di Marte foi inteiramente composto pelo seu guitarrista, líder e idealizador, Enrico Rosa. Musicalmente, ele foge um pouco do padrão do estilo já que o vocal é praticamente nulo, dando ênfase ao instrumental liderado pela guitarra, o que evidencia a sonoridade puxada mais para o Hard Prog como na faixa de abertura Primo Tempo, embora belos arranjos acústicos de violão e flauta se fazem presentes. Outro destaque é o baixo palhetado do americano Richard Ursillo, que por vezes remete ao mestre Chris Squire. Fato curioso é que Ursillo quis assinar os créditos como Paul Richard, só para ter um nome que soasse menos italiano. Esse foi o único disco do RPI a ser lançado pela major United Artists.

Com o passar dos anos o disco adquiriu o status de cult, o que fez com que Enrico reunisse o grupo para alguns shows em 2003 e deles foi extraído o ao vivo Concerto Zero, que ainda traz uma apresentação de 1972 como bônus.

Museo Rosenbach – Zarathustra (1973)

Imagem

Uma das bandas mais pesadas da cena, o Museo Rosenbach não pode passar batido de jeito nenhum. Zarathustra, música divida em cinco partes abre a obra-prima passando dos 20 minutos. Baseada no livro homônimo de Nietzsche, possui um clima bem carregado com muitas levadas de Hammond e guitarras cortantes que cativam até o último instante. As outras três músicas restantes mantém a mesma atmosfera tensa que o torna marcante e único dentre os demais conterrâneos. Acusados de envolvimento com o fascismo devido à presença da imagem de Mussolini na colagem da capa e às letras inspiradas em Nietzsche, sumiram do mapa com medo de retaliações do regime vigente, o que torna grupo ainda mais lendário. É o favorito da casa!

De De Lind - Io Non So Da Dove Vengo e Non So Dove Mai Andrò, Uomo E’Il Nome Che Mi Han Dato (1973)

Imagem

A Mercury Records não costumava lançar bandas de RPI, mas acertou em contratar o De De Lind, pelo menos do ponto de vista artístico. Hoje o disco original é uma raridade, mas a Vinyl Magic o relançou em CD (réplica do vinil) e numa bela versão gatefold em LP. Curiosamente, o título do álbum é um dos mais longos que já vi, que traduzido quer dizer algo como “eu não sei de onde vim e não sei onde estou indo. Homem é o nome que me foi dado.”.

Quando ainda eram um sexteto, gravaram três singles inexpressivos, mas em 1973 já haviam reduzido para cinco pessoas e registraram essa bela obra. Embora Gilberto Trama toque flauta, sax e teclados, sua especialidade era mesmo o sopro, com passagens remetendo a influências óbvias ao Jethro Tull como em Smarrimento, que define bem as alternâncias de belos arranjos acústicos com partes direcionadas à guitarra. Outro destaque é a utilização do tímpano, instrumento de percussão tipicamente utilizado em orquestras, o que confere tonalidades densas em certos momentos, como logo na faixa de abertura Fuga e Morte.

Após tocar em alguns festivais em 1973 nas cidades de Roma e Nápoles, a banda se desmanchou e o vocalista Vito Paradiso arriscou uma curta carreira solo de 1978 a 1980, mas o que importa mesmo é o legado deixado pelo De De Lind como um dos melhores álbuns do estilo.

Semiramis - Dedicato a Frazz (1973)

Imagem

Quem ouve não acredita que esse grande clássico foi gravado por adolescentes com idade média de 15 a 16 anos. A maturidade e complexidade das composições não correspondem ao curto tempo de vida dos italianos prodígios. Cada faixa soa de um modo diferente, mas as influências de folk, música clássica, barroca, além de alguns experimentalismos, são unânimes entre elas. O vibrafone em Uno Zoo Di Ventre torna a música sublime e a complexidade de Per Un Strada Affolataé de cair o queixo!

Michele Zarrillo, guitarrista e principal compositor, tornou-se um cantor muito popular na Itália durante os anos 80, mas sua carreira solo destoa bastante do que fazia na década anterior. Dedicato a Frazz tem nuances originais que os diferenciam das outras bandas, sendo essencial e surpreendente a todo momento, ainda mais quando pensamos na idade de seus integrantes à época.

L' Uovo di Colombo - L' Uovo di Colombo (1973)

Imagem

Surgida em Roma, essa banda registrou grandes interpretações do vocalista Toni Gionta. A parte instrumental consiste num belo trio bateria (Ruggero Stefani), baixo (Elio Volpini) e teclados (Enzo Volpini) em que o último se sobressai aos demais, com a guitarra aparecendo em algumas ocasiões, como na marcante Consiglio. Sua maior característica são as linhas melódicas, que não chegam a ser tão complexas quando comparadas a outros exemplares do gênero, como o Maxophone, por exemplo. O que atrai no disco é a fácil assimilação de suas oito músicas, que não passam dos cinco minutos. O grupo se desmanchou pouco tempo depois de seu lançamento por falta de apoio da gravadora e seus membros foram para outras bandas. Elio Volpino formou o Etna com seus ex-companheiros do Flea (on the honey), Gionta mudou seu nome para Tony Tartini e se envolveu com o Cherry Five e Rugerro foi tocar com o Samadhi.

Biglietto Per L’Inferno – Biglieto Per L’Inferno (1974)

Imagem

Esse grupo de Lucca foi um dos mais populares durante o curto período de sua existência, sendo venerado por muitos fãs na época e ainda hoje mantém sua fama para as novas gerações. Sua música é caracterizada por rápidas transições de passagens acústicas para levadas agitadas de puro Hard Progressivo, como pode ser conferido na sombria L' Amico Suicida. A banda possuía dois tecladistas, Giuseppe Banfi e Giuseppe Cossa, o que torna as linhas do instrumento muito grandiosas. Apesar do nome, eles não tinham nada de satânicos e suas letras giravam em torno de temas sociais e psicológicos. Em 2004 chegou ao mercado o sonho de consumo para os colecionadores: um box completíssimo incluindo versões remasterizadas deste clássico e de um outro disco lançado em 1992, um CD ao vivo contendo uma performance de 1974, um DVD com imagens gravadas no mesmo período, além de um encarte com 116 páginas.

Maxophone – Maxophone (1975)

Imagem

Esse único e excelente disco do Maxophone tem que entrar obrigatoriamente nas prateleiras dos fãs de Prog. Mistura influências de folk como o Jethro Tull, com um toque de Gentle Giant e melodias vocais que remetem aos melhores momentos do Genesis. Em faixas como Fase, a banda se aproxima do Jazz-Rock, mostrando a característica variada que o LP possui. O ponto-chave aqui é equilíbrio entre as músicas e as mudanças de andamento, o que torna a audição bem dinâmica. Disputa no topo da lista para ser considerado o melhor álbum de todos os tempos dentro do estilo.

Para celebrar os 30 anos da obra, a BTF lançou um box contendo um CD com dez músicas, dentre elas demos, sobras de estúdio, versões alternativas e um DVD com cinco faixas ao vivo e mais 20 minutos de entrevistas.

Locanda Delle Fate - Forse Le Lucciole Non Si Amano Piu (1977)

Imagem

A presença de dois guitarristas e dois tecladistas é o diferencial para suas músicas influenciadas pelo lirismo e romantismo do país de origem, construindo, seguramente, um dos álbuns mais belos e sutis do estilo. A suavidade dos arranjos percorre todas as faixas e é difícil apontar um destaque devido à sua uniformidade, mas ficaria com a instrumental de abertura A Volte Un Instante Di Quiete e a próxima, Forse Le Lucciole Non Si Amano Più. Infelizmente o Locanda surgiu no fim do movimento progressivo na Itália, em 1977, pois certamente teria obtido mais êxito caso tivesse despontado anos antes enquanto a cena crescia. Quem gosta de progressivo sinfônico não pode deixar ouvir!

Buon Vecchio Charlie - Buon Vecchio Charlie (1990)

Imagem

Uma das maiores injustiças da história do RPI, esse álbum foi originalmente foi gravado em 1972, mas ficou na gaveta até 1990 quando foi descoberto pela pequena gravadora japonesa Melos. A banda conseguiu mostrar seu talento ainda na década de 1970, chegando receber o título de “Melhor Banda Italiana” em 1974 no conceituado festival Rome Villa Pamphili. Mesmo assim, ninguém quis contratá-los.

Guiados pela flauta e com fortes influências de música clássica com toques jazz, seu som pode ser comparado ao Collosseum, Genesis, ELP sem dever nada para esses medalhões. Possui apenas três faixas que com certeza irão agradar aos apaixonados pelo estilo. A última, All'Uomo Che Raccoglie I Cartoni, é dividida em cinco partes, mas o destaque fica com a bem-humorada faixa de abertura Venite Giù Al Fiume.

Criado em 1996, Whiplash.Net é o mais completo site sobre Rock e Heavy Metal em português. Em março de 2013 o site teve 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas e 8.590.108 pageviews. Redatores, bandas e promotores podem colaborar pelo link ENVIAR MATERIAL no topo do site.


  | Comentários:

Todas as matérias da seção Matérias e Biografias

Os comentários são postados usando scripts do FACEBOOK e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Pense antes de escrever; os outros usuários e colaboradores merecem respeito;
Não seja agressivo, não provoque e não responda provocações com outras provocações;
Seja gentil ao apontar erros e seja útil usando o link de ENVIO DE CORREÇÕES;
Lembre-se de também elogiar quando encontrar bom conteúdo. :-)

Trolls, chatos de qualquer tipo e usuários que quebram estas regras podem ser banidos sem aviso. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Sobre Elias Varella

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados.

Caso seja o autor, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Link que não funciona para email (ignore)

QUEM SOMOS | ANUNCIAR | ENVIAR MATERIAL | FALE CONOSCO

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em março: 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas, 8.590.108 pageviews.


Principal

Resenhas

Seções e Colunas

Temas

Bandas mais acessadas

NOME
1Iron Maiden
2Guns N' Roses
3Metallica
4Black Sabbath
5Megadeth
6Ozzy Osbourne
7Kiss
8Led Zeppelin
9Slayer
10AC/DC
11Angra
12Sepultura
13Dream Theater
14Judas Priest
15Van Halen

Lista completa de bandas e artistas mais acessados na história do site

Matérias mais lidas