Black Sabbath: a história por trás de "Master of Reality"

WHIPLASH.NET - Rock e Heavy Metal!

Black Sabbath: a história por trás de "Master of Reality"

Postado por Elias Varella | Fonte: Trendkills

  | Comentários:

Imagem

A história do quarteto mais famoso de Birmingham teve início em 1968, quando ainda de chamavam Earth, mudando para Black Sabbath influenciados pelo filme de terror homônimo de Boris Karloff que o baixista Geezer Butler havia assistido num cinema próximo à sua casa e após notarem que já existia outra banda usando o antigo nome. O grupo evoluiu muito rápido e o saldo no final de 1970 já era gigantesco: dois discos lançados figurando entre os vinte mais vendidos no Reino Unido, a estreia em LP marcava presença nos Top 30 nos Estados Unidos, a música Paranoid tornou-se um single Top 5 em sua terra natal, além de shows na América e por toda Europa.

Pôster do filme de Boris Karloff
Nesse clima de euforia e para não perder o pique, no primeiro dia de Janeiro do ano seguinte já agendaram uma sessão no Island Studios em Londres, em companhia da mesma equipe que gravou os dois primeiros discos: o produtor Roger Brain e o engenheiro de som Tom Allom, que trabalharia futuramente com os conterrâneos do Judas Priest em clássicos seminais da banda. Nesse estágio, o Sabbath já estava trabalhando nas músicas After Forever e Into the Void, embora essa última ainda se chamava Spanish Sid, sendo que as duas foram sendo refinadas numa curta turnê que a banda fez ainda em Janeiro pelo Reino Unido. Uma curiosidade que ronda essa sessão é uma faixa que a banda gravou contra sua vontade para ser lançada como single de estreia, intitulada Weevil Woman ’71’, que ficou de fora do lançamento oficial na época e permaneceu guardada até lançarem a versão dupla expandida que saiu em 2009.

Depois da tour no início do ano, a banda voltou para o mesmo estúdio e gravaram o terceiro álbum de sua carreira entre Fevereiro e Abril, o que era um longo período e uma novidade para eles até então: “Tivemos dois dias para gravar nosso disco de estreia e não muito mais que isso para o Paranoid. Aproveitamos a oportunidade: Tony compôs peças de violão clássico, Geezer multiplicou o poder de seu baixo, eu explorei os overdubs e uma bateria com som mais grave, além de Ozzy estar muito melhor”, relembra Bill Ward. A bateria a que ele se refere é a 600 Ludwig Series.

Uma outra mudança que surtiu efeito na banda decorreu do acidente de trabalho que cortou a ponta dos dois dedos interiores da mão direita de Tony Iommi. Para sentir-se mais confortável ao tocar, o guitarrista abaixou o tom do seu instrumento para Ré. Consequentemente, Geezer também teve que mudar a afinação de seu baixo e isso tornou o som do Sabbath muito mais grave, pesado e sombrio. Tal afinação tornou-se marca registrada dos estilos Doom e Stoner, além influenciar toneladas de bandas modernas até hoje.

Até então eles ainda tinham controle sobre os excessos que cometeram anos mais tarde. A insanidade que foi o abuso de drogas que tomou conta de todos ainda não havia os atingido: “Não é que não existiam drogas ou álcool por perto, mas naquela época ainda tínhamos controle desses hábitos. Conseguia me drogar e gravar logo em seguida, beber num pub e saber a hora de parar. Isso somente se tornou um problema anos mais tarde.”, admite Bill.

O álbum abre com uma das músicas mais adoradas da banda, Sweet Leaf. Butler revela a inspiração para a letra: “Estávamos gravando no Island Studios e eu fumava alguns cigarros da marca Sweet Afternoon que tinha acabado de trazer da Irlanda e que só existiam por lá. No maço estava escrito ‘It’s the sweetest leaf that gives you the taste’ (N.T: é a folha mais doce que te dá o sabor). Então Ozzy leu frase e disse ‘O que será que dá pra escrever sobre isso?’, então já pensei ‘Sweet Leaf – yeah’’’’ - referindo a uma outra "folha" que pintava naquele estúdio.

Embora muitos ainda acreditem que foi Ozzy quem deu a famosa tossida que inicia a faixa, na verdade foi Tony Iommi quem se engasgou perto do microfone depois de dar uma bela tragada num baseado enquanto as fitas de gravação ainda estavam rolando entre uma música e outra. No fim daquele dia, quando o engenheiro som se deparou com a tossida, sugeriu a Ozzy a ideia de utilizá-la na canção, o que agradou o músico. No dia seguinte estava pronto um loop bem curto que resolveram encaixar logo no começo, já que tinha tudo a ver pelo fato de a letra tratar da erva proibida.

Para After Forever, Iommi escreveu uma letra que falava abertamente sobre a crença no Cristianismo de forma positiva, afastando-se da temática sombria com que Geezer tratou sobre religião no passado. Bill Ward comenta sobre o assunto: “Anteriormente falamos sobre o lado negro das coisas e ainda penso no Sabbath como uma força escura, mas não estávamos descartando o Cristianismo.”. Mas é claro que Butler não deixou de desenvolver o assunto no qual é especialista e na pesadíssima Lord of This World volta a tratar dos assuntos obscuros da nossa existência, após um belo instrumental de violão clássico intitulado Orchid.

Assim como War Pigs no disco anterior, Children of the Grave é a faixa com temática anti-guerra da vez. “Quando começamos a tocar a música na turnê pelos Estados Unidos, foi bem na época em que os veteranos da Guerra do Vietnã estavam voltando pra casa. Muitos deles iam aos nossos shows na cadeira de rodas e quando tocávamos essa canção ou War Pigs, eles chegavam até a frente do palco e erguiam suas bandeiras cantando junto. Era muito emocionante”, lembra Bill. Ela começa com uma faixa que serve de introdução chamada Embyo e desemboca num ritmo cavalgante que marcou época e arrepia até hoje, sendo obrigatória em qualquer show de todas as fases da banda. O final assustador composto por sintetizadores foi nomeado como The Haunting.

Solitude é a música mais calma e viajante, lembrando Planet Caravan do segundo disco, e mostra a versatilidade dos músicos na composição. Mikael Akerfeldt, fã confesso e incondicional do Sabbath, a executou na atual turnê do Opeth. Confira a versão.

Em seguida, Into the Void fecha com chave de ouro e é minha favorita! Iommi não economizou nos riffs e desfila um atrás do outro até não caber mais, com mudanças de andamento o tempo todo.

Com mais de meio milhão de cópias vendidas antecipadamente, o LP foi lançado nos Estados Unidos em Julho de 1971 e um mês depois no Reino Unido, onde alcançou o número 5 nas paradas. Já na América, ficou com o oitavo lugar, permanecendo por quarenta e três semanas entre os mais vendidos, tornando-se disco de ouro em questão de semanas e alcançou a platina em 1986. O álbum só chegou ao Brasil em 1976 e, pra piorar, os fãs tiveram que se contentar com uma capa que trazia a grafia do “Black Sabbath” impresso com letras coloridas que parecem infantis e ridículas quando comparadas às originais. No lado de dentro da embalagem havia um pôster que trazia uma foto da banda embaixo de uma árvore tirada por Marcus Keef, o mesmo fotógrafo responsável pela icônica foto que acompanhava o disco de estreia dos ingleses. Assim como em Paranoid, nenhum single foi extraído, embora tenha sido prensado um promo de 7 polegadas contendo Children of the Grave no lado A e do outro lado o Status Quo (companheiros de gravadora na época), tocando Roadhouse Blues, cover do The Doors e que pode ser conferida no clássico Piledriver, de 1972. Hoje, esse seven inch se tornou raríssimo e é sonho de consumo para colecionadores aficionados.

Capa da edição brasileira (1976)

Pôster que acompanhava o Master of Reality

Após o lançamento, a banda caiu na estrada para sua mais ambiciosa turnê até aquele momento: foram quatorze meses praticamente ininterruptos, tirando apenas três semanas em que foram obrigados a cancelar algumas datas enquanto Ozzy se recuperava de uma laringite e Iommi de uma gripe. Ninguém é de ferro!

Sendo o álbum predileto de Bill Ward, ele o encaixa perfeitamente na discografia da banda: “Eu sempre olho para os três primeiros álbuns como parte do mesmo período para nós. Foi Master of Reality que definiu o quão bons nos tornamos. A banda atingiu o ápice com ele. Quando ouço os primeiros discos, percebo que nos encontramos neste. Marcou um ponto em que depois começamos a nos desenvolver para outro caminho.”.

A influência que o disco exerce até hoje é incalculável. Inúmeras bandas Heavy Metal, Doom Metal, como o Trouble de Chicago, e Stoner, vide os californianos do Kyuss, foram atingidos por esse clássico, que foi fundamental para o surgimento desses estilos. Falar dos riffs insanos de Tony Iommi e dos talentos únicos de cada músico é chover no molhado. Fato é que ninguém pode negar que a sonoridade pesada que a obra carrega é um marco para a história, assim como quando sua autointitulada estreia foi lançada e virou o rock de cabeça pra baixo.

Criado em 1996, Whiplash.Net é o mais completo site sobre Rock e Heavy Metal em português. Em março de 2013 o site teve 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas e 8.590.108 pageviews. Redatores, bandas e promotores podem colaborar pelo link ENVIAR MATERIAL no topo do site.

Esta é uma matéria antiga do Whiplash.Net. Por que destacamos matérias antigas?


  | Comentários:

Todas as matérias da seção Matérias e Biografias
Todas as matérias sobre "Black Sabbath"

Black Sabbath: Ozzy achava que Iommi não sobreviveria
Black Sabbath: vídeo mostra banda recebendo Platina no Canadá
Dio: Tributo faz jus à sua importância para a música pesada
Black Sabbath: recebendo platinas por vendas de "13" e de DVD
Black Sabbath: Iommi fala sobre tocar com Bill Ward novamente
E Se...: Sua banda favorita mudasse de gênero musical?
Black Sabbath: Ozzy volta a comentar sobre o sucessor de "13"
Geezer Butler: detalhando a criação do single "God Is Dead?"
Black Sabbath: As 10 melhores músicas segundo o Loudwire
Dio: qual foi sua melhor banda? Os rockstars respondem
Phil Anselmo: comentando cover que o Pantera fez do Black Sabbath
Black Sabbath: Ozzy está animado por poder tocar em Londres
Geezer Butler: dificuldade de ser vegan em tour na América do Sul
Geezer Butler: religião, humildade e vegetarianismo
Vinny Appice: Sabbath de Dio e Ozzy tem a mesma força musical

Os comentários são postados usando scripts do FACEBOOK e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Pense antes de escrever; os outros usuários e colaboradores merecem respeito;
Não seja agressivo, não provoque e não responda provocações com outras provocações;
Seja gentil ao apontar erros e seja útil usando o link de ENVIO DE CORREÇÕES;
Lembre-se de também elogiar quando encontrar bom conteúdo. :-)

Trolls, chatos de qualquer tipo e usuários que quebram estas regras podem ser banidos sem aviso. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Sobre Elias Varella

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados.

Caso seja o autor, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Link que não funciona para email (ignore)

QUEM SOMOS | ANUNCIAR | ENVIAR MATERIAL | FALE CONOSCO

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em março: 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas, 8.590.108 pageviews.


Principal

Resenhas

Seções e Colunas

Temas

Bandas mais acessadas

NOME
1Iron Maiden
2Guns N' Roses
3Metallica
4Black Sabbath
5Megadeth
6Ozzy Osbourne
7Kiss
8Led Zeppelin
9Slayer
10AC/DC
11Angra
12Sepultura
13Dream Theater
14Judas Priest
15Van Halen

Lista completa de bandas e artistas mais acessados na história do site

Matérias mais lidas