Beatles: 45 anos de "Sgt. Peppers Lonely Hears Club Band"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Eduardo Schereder
Enviar correções  |  Comentários  | 

Imagem
Assalto em Niteroi: A inacreditável manchete do Meia-HoraSeguidores do Demônio: as 10 bandas mais perigosas do mundo

Quarenta e cinco anos atrás. Talvez, nem seus pais eram nascidos nessa época, o que não faz diferença. Em 1967, a modernidade transbordava em forma de música em “Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band, oitavo álbum de estúdio dos BEATLES.

O que era para ser um álbum conceitual acabou virando um amálgama de sons e experimentações que ultrapassam qualquer narrativa linear. Se em “Revolver”, os rapazes de Liverpool haviam mostrado ao mundo que a psicodelia havia vindo para ficar, em “Pepper” eles redefiniam sua própria cria. É impossível não pensar nas inúmeras bandas que seguiram seus passos na experimentação, de Hendrix a Os Mutantes.

No disco, os efeitos servem à boa música, não o contrário. O engenheiro de som Geoff Emerick testou diversas modalidades de captação de som, George Martin alinhou os arranjos perfeitos, tornando a figura do produtor essencial em um bom disco de rock a partir de então. Além da abertura fora do comum, com Billy Shears nos sendo apresentado, temos em “Lucy in the Sky with Diamonds” a sonorização dos efeitos lisérgicos, em plena era do LSD (se era apenas um desenho de Julian Lennon, a mística permanece intacta). Em “Getting Better”, uma narrativa em tom irônico, em “She’s Leaving Home”, a beleza harmônica tão conhecida dos Beatles, em “Mr. Kite”, Lennon mostra todo o seu experimentalismo e, em “A Day in the Life”, a atmosfera surrealista que engloba o disco vem ainda mais à tona, trazendo diversas sensações (lembram do “lisérgico” mencionado?). Isso sem esquecer de George Harrison e sua transcendental "Within You Without You".

Falar em Beatles é chover no molhado. Que eles são geniais, isso todo o mundo sabe. Mas, reconhecidamente, foi aqui que eles fizeram jus à fama. “Sgt. Peppers” pode ser considerado o melhor disco de rock, mas não o melhor dos Beatles, para muitos. Uma contradição das melhores no mundo da música, mas perfeitamente explicável: é um álbum que representa muito mais a situação cultural de uma época, do que a música propriamente dita. E é isso que o diferencia de seu nobre concorrente (e, segundo McCartney, também inspirador), “Pet Sounds”, dos BEACH BOYS.

Se você não conhece ainda o “Sgt. Peppers”, não se faça de rogado. Vá atrás (principalmente da versão em mono, que vale a pena), escute e escute novamente. O resultado é o vício imediato, mas também certa frustração: dificilmente teremos algo assim nos próximos quarenta e cinco anos.

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Beatles
A ocasião em que Ringo Starr saiu da banda

Assalto em Niteroi: A inacreditável manchete do Meia-HoraFloyd, Beatles, Dylan: não gostariam de começar a carreira hojePaul McCartney: K7 exclusivo será lançada na Record Store DayBeatles: a história do integrante temporário vai virar filmeBeatles: "Sgt Peppers" ganha edição de 50 anos com faixas extrasTodas as matérias e notícias sobre "Beatles"

The Beatles
Let It Be não foi originalmente gravada pela banda?

Charges
O que diriam as capas clássicas se pudessem falar

The Beatles
A história da música "Lucy in the sky with Diamonds"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 03 de junho de 2012

Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "Beatles"

Coisa de Satanás
As bandas de rock mais perigosas do mundo

Eddie Van Halen
Falando sobre o solo de "Beat It"

Gilby Clarke
Axl Rose nem falava diretamente comigo

Iron Maiden: "o fim de nossa carreira está próximo", diz Steve HarrisDavid Bowie: muito mais assustador que Michael JacksonRock Progressivo: os dez discos mais importantes da históriaDream Theater: "muito mais que Rock Progressivo"João Gordo: Crente? Vai tomar no cu quem tá acreditando!Separados no nascimento: James Hetfield e Mano Menezes

Sobre Eduardo Schereder

Eduardo Schereder, 23 anos, cursa o último ano de Publicidade e Propaganda, e é profissional da área de marketing. Apreciador da boa música, independente da época, crê que um dia os BEATLES lançarão um novo álbum, embora reconheça que é difícil. Também é fã de BEACH BOYS, METALLICA e outras bandas tão díspares quanto.

Mais matérias de Eduardo Schereder no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online