Em 26/12/2011 | Blog N' Roll: um brasileiro no Rock and Roll Fantasy Camp

WHIPLASH.NET - Rock e Heavy Metal!

Blog N' Roll: um brasileiro no Rock and Roll Fantasy Camp


  | Comentários:

A aparência do Amp Studios em Los Angeles é de um verdadeiro bunker de guerra, mas o som ensurdecedor vem das mais de vinte salas de ensaio que integram o espaco. Entro em uma delas. Logo que plugo meu baixo, Vinnie Appice chega ao studio e me pergunta: “Primeira vez no Rock Camp? Minha também. Você sabe tocar Mob Rules?” - já tomando seu lugar na bateria. Depois de alguns minutos Billy Sheehan aparece e comecamos uma jam de Smoke on Water. Esse é o clima desta mistura de workshop e campo de ferias para roqueiros de todas as idades e níveis musicais. Quem ja viu o episódio dos Simpsons em que Homer aprende como ser um rockstar com os Rolling Stones tem uma vaga ideia do que estou falando.

Imagem

Minha jam com Vinnie Appice

O evento vem se realizando há dezesseis anos. A cada edição os participantes formam suas bandas, ensaiam com a ajuda do seu "personal rockstar" e se apresentam numa grande festa para o público - formado por convidados, vips e groupies em geral. Entre os instrutores estavam, alem dos citados Apice e Sheehan - Kip Winger, Lita Ford, Rudy Sarzo, Howard Leese, Bruce Kulick , Teddy Andreadis e Phill Sousan. O nosso era Chris Slade, baterista do AC/DC durante os anos 90, uma das melhores fases da banda, quando gravaram Razor's Edge e Live at Donington. Além de ser um cara extremamente simpático, ele mantem o mesmo pique dos tempos de Thunderstruck e Moneytalks, seja espancando a bateria ou regendo a banda como um maestro insano. “FANTASTIC!” Ele exclama cada vez que a banda acerta uma música. Foi emocionante tocar The Ocean do Led Zeppelin com ele, fazendo a mesma introducao e tocando com a mesma pegada do seu amigo John Bonham. (nos anos 80 ele tambem tocou com Jimmy Page e Paul Rodgers no The Firm).

Eu, Cris e Mark com Chris Slade em um intervalo de ensaio

Os participantes formam um grupo bastante heterogêneo - desde empresários e médicos de meia idade - fanáticos por rock, mas com pouca intimidade com seus instrumentos, até músicos profissionais que nao ficam devendo em nada para seus instrutores em virtuosismo. (Eu, meu irmão Cris e nosso amigo Mark fomos os primeiros brasileiros a participar).

Nossa banda - Brazilian Wax e Chris Slade

A expectativa era grande nesta edição. Além do convidado especial (ninguém menos que Paul Stanley), que tocaria uma música com cada banda, era a primeira vez que a festa era realizada na lengendaria Mansão Playboy, com a presenca de Hugh Heffner e suas coelhinhas.

Mark Hudson, Howard Leese (Heart, Bad Company) eu e Cris

Os três dias de ensaio sao em si, uma festa. O rock não para, das dez da manhã até altas horas da noite. Todos fazem as refeições juntos, rindo de histórias como as do produtor Mark Hudson, que tem no seu currículo Ringo Star e Ozzy Osbourne, além de ser autor de Living on the Edge do Aerosmith. Uma figura, com sua barba colorida e suas imitações de Ozzy e Steven Tyler. Tudo, é claro, com direito a open bar, porquê, como disse um dos nossos colegas – “Isso aqui é o Campo do Rock, não dos colecionadores de selo!”

Nils Lofgren (Bruce Springsteen)

Cada banda tem pouco mais de dez minutos para se apresentar, entao a ideia é criar um set enxuto, sem tempo para a platéia respirar. Sob a supervisão de Slade, resolvemos tocar a intro de We Will Rock You, seguida de Born to be Wild, Honky Tonk Woman (eu no vocal) e Here I Go Again do Whitesnake. Esse seria o set que tivemos que repetir infinitamente nos dois dias seguintes. Para quebrar a monotonia há convidados surpresa, como Nils Lofgen, guitarrista da E Street Band, que acompanha Bruce Springsteen há mais de trinta anos. Nils também tocou com Neil Young e é um virtuose em vários instrumentos. Ele chega no estudio, cumprimenta a todos, pluga sua fender telecaster e faz um solo espetacular em Honky Tonk Woman. Ele conta que Keith Richards é um dos seus ídolos e está para ele como Chuck Berry para o próprio Keith.

Phil Soussan (Ozzy), eu e Billy Sheehan

Durante o almoço Jerry Shirley, legendário baterista do Humble Pie, chega para falar do seu livro- “Best Seat in the House” (ótimo título para a biografia de um baterista) e contar casos dos tempos em que tocava com Steve Marriot e Peter Frampton. À tarde você podia escolher entre uma das várias Master Classes - como “Song Writing” com Mark Hudson ou “Blues Piano” com o ex–tecladista do Guns n Roses Teddy “Zig Zag” Andreadis. Optei por “Frases de Baixo “com Billy Sheehan e Phil Soussan - baixista de Ozzy na fase Ultimate Sin e autor de Shot in the Dark - uma das minhas músicas preferidas do “príncipe das trevas"

Vinnie Appice e Rudy Sarzo

Eu, entre Phil Soussan e Rudy Sarzo

A noite a jam é livre. Assisto um pouco a Rudy Sarzo e Vinnie Apice mandando ver em Raibow in the Dark e Holy Diver, como na época em que formavam a sessão ritmica do Dio, logo depois me junto a turma de Bruce Kulick pra tocar uma sequência de clássicos do KISS.

Ensaio com Paul Stanley

No segundo dia, chega o aguardado momento do ensaio com Paul Stanley. O protocolo é quase de uma visita de chefe de estado. Os roadies entram, preparam seu amplificador e guitarra, logo depois chega a equipe de vídeo. Fomos informados que ele não iria cantar, pois está se recuperando de uma cirurgia na garganta e que teriamos pouco tempo para um breve bate-papo, ensaio e fotos. Mesmo sem maquiagem e com roupas (um pouco) mais discretas, Paul é uma presença marcante. Cumprimenta cada um e apresenta seu fiel escudeiro, o atual baterista do KISS - Eric Singer (quase não o reconheci de boné e bem mais baixinho do que parece nos videos). Paul o cobre de elogios diz que o trouxe para intimidar nosso baterista. Ele relembra com Chris Slade quando o KISS tocou em 1972 juntamente com sua antiga banda Manfred Mann’s Earth Band ("O KISS era a banda de abertura!" - conta Chris com um sorriso sarcástico. Obviamente, depois que Paul foi embora...).

Eu, Cris e Eric Singer

As coelhinhas não poderiam faltar...
Finalmente ele pergunta o que a gente iria tocar. Parecia que ele não estava muito afim de tocar KISS, logo sugeri Honky Tonk Woman (não pediria pra Paul tocar nada que nao fosse tão ou mais clássico do que KISS). “Acho que já ouvi essa” - ele responde, para a diversão geral. Confesso que é bem intimidante tocar e cantar com Paul te encarando a meio metro de distância, mas sobrevivi. Ele se perdeu na progressão de acordes e fez feio ao tentar tocar o riff final da música, mas ele é Paul Stanley... Deu alguns toques legais sobre presenca de palco, autografou meu vinil de Dinasty e se mandou com sua entourage. Durante o almoco Paul estava mais acessível, circulando e conversando com todos. Ele deu certeza que o KISS volta ao Brasil na tournê do novo disco, que já está gravado.

Daria pra escrever alguns capítulos de um romance rock and roll sobre o que é tocar numa festa na Mansão Playboy. Mas como este blog é sobre música, dá pra resumir da seguinte forma: me senti num clip do Motley Crue nos anos 80, com todos os clichês do Glam Rock que minha geração cresceu adorando. É surreal tocar vendo um bando de coelhinhas semi-nuas cantando o refrão de "Here I go Again", olhar pra trás e dar de cara com Paul Stanley no mesmo palco e um punhado de rockstars que você admira curtindo o som na plateia. Saio direto pro camarim depois dos dez minutos mais rápidos da minha vida e dou de cara com Billy Sheehan: “Good job!” - ele me fala, dando um tapinha em minhas costas. “É, vai ser difícil voltar à realidade...”, penso.

No palco com Paul Stanley

Eu e Lita Ford

O último dia tem aquele clima bitter-sweet de despedidas. Vamos todos ao show-room da Gibson para um brunch e show acústico (a partir do meio dia, claro. A ressaca não permitiria nada mais cedo.) A confraternização no palco é total - tem canja de um dos Beach Boys, Kip Winger e Howard Leese tocando Bad Company, Lita Ford cantando Kiss me Deadly, Mark Hudson e Teddy Andreadis tocando soul music... Beth, a coordenadora do Rock Camp se emociona quando dedicamos a balada do KISS a ela. Para o grand finale, Kip pergunta se a gente sabia tocar Don't Stop Believin’ do Journey. Meu irmão comeca a introdução no piano e todos se juntam ao coro. Me senti naquele momento de final de filme dos anos 80, quando tudo acaba bem e os créditos comecam a passar na tela.

Mr. Paul Stanley
Depois da troca de e-mails e facebooks voltamos ao hotel. Subo o elevador com a Lita Ford e comento que estou indo ao show do Richie Kotzen naquela noite. Na mesma hora ela pega o celular e fala: “Richie, é a Lita, estou com uns amigos brasileiros que querem ir ao seu show hoje à noite, você pode colocar o nome deles na lista de convidados?” Assim, acabamos indo ao show no Avalon como VIPS, hehe.

No final, não havia distância entre aqueles rockstars dos clips superproduzidos e nós, meros mortais. Ficam as lembranças, como tomar cerveja com Chris Slade, ouvindo historias do AC/DC, tentar tocar Live and Let Die com o Kip Winger sem saber qual de nós estava mais perdido, ficar na fila do buffet atras do Paul Stanley... Eramos só um bando de músicos roqueiros tocando e trocando histórias com nossos pares, uma experiência única!

Criado em 1996, Whiplash.Net é o mais completo site sobre Rock e Heavy Metal em português. Em março de 2013 o site teve 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas e 8.590.108 pageviews. Redatores, bandas e promotores podem colaborar pelo link ENVIAR MATERIAL no topo do site.


  | Comentários:

Todas as matérias da seção Matérias e Biografias
Todas as matérias sobre "Kiss"

Kiss: vídeos da nomeação ao Rock and roll Hall Of Fame
Kiss: fotos da participação no Rock & Roll Hall Of Fame
Parcerias Brilhantes: duplas que marcaram história
Kiss: "Nós estamos conectados para vida inteira"
Kiss: tocar com formação original seria roleta russa
Kiss: Paul e Ace continuam discutindo alegações antissemitas
Rock Hall: CEO comenta a controvérsia do Kiss e Nirvana
Kiss: Stanley declara não ser gay, Ace admite ter tentado ser bi
Kiss: Frehley e Criss respondem à acusação de antisemitismo
Kiss: revelado enfim o preço do boxed set "Kissteria"
Ace Frehley: guitarrista tocará na cerimônia do Hall Of Fame
Bach: "Entendo porque Gene não trabalha mais com Frehley"
Kiss: veja vídeo de divulgação do mega-box Kissteria
Kiss: Ace e Peter sabotaram a banda por antissemitismo, diz Paul
Slash: A lição aprendida após espalhar que Paul Stanley era gay

Os comentários são postados usando scripts do FACEBOOK e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Pense antes de escrever; os outros usuários e colaboradores merecem respeito;
Não seja agressivo, não provoque e não responda provocações com outras provocações;
Seja gentil ao apontar erros e seja útil usando o link de ENVIO DE CORREÇÕES;
Lembre-se de também elogiar quando encontrar bom conteúdo. :-)

Trolls, chatos de qualquer tipo e usuários que quebram estas regras podem ser banidos sem aviso. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Sobre Flavio Simões Silva Araujo

Sou baixista, produtor musical e roqueiro incondicional. A culpa disto pode ser dividida entre o Rock in Rio I e meus pais, que me deixaram assistir ao Queen, Whitesnake, Ozzy e AC/DC até a madrugada e ainda toleraram minhas primeiras bandas ensaiando dentro de casa. Desde então cursei o programa BIT no Musicians Institute de Los Angeles e dividi o palco com integrantes de grandes bandas do rock nacional e internacional como Capital Inicial, Skank, Jota Quest, AC/DC, Black Sabbath e KISS. Continuo tocando meu baixo em diferentes projetos e gravando no meu estudio - PACIFIC AUDIO - BH.

Mais matérias de Flavio Simões Silva Araujo no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

QUEM SOMOS | ANUNCIAR | ENVIAR MATERIAL | FALE CONOSCO

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em março: 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas, 8.590.108 pageviews.


Principal

Resenhas

Seções e Colunas

Temas

Bandas mais acessadas

NOME
1Iron Maiden
2Guns N' Roses
3Metallica
4Black Sabbath
5Megadeth
6Ozzy Osbourne
7Kiss
8Led Zeppelin
9Slayer
10AC/DC
11Angra
12Sepultura
13Dream Theater
14Judas Priest
15Van Halen

Lista completa de bandas e artistas mais acessados na história do site

Matérias mais lidas