Bruce Dickinson

WHIPLASH.NET - Rock e Heavy Metal!

Bruce Dickinson


  | Comentários:

Inquestionavelmente, a fama e reputação de Bruce Dickinson se devem aos anos em que esse inglês de 50 anos passou no Iron Maiden. Nada de errado com isso, afinal, “o Maiden” é considerado por muitos como “a maior banda de metal de todos os tempos”. Dizem também que o Iron Maiden fez bem ao Bruce Dickinson e que o Bruce Dickinson fez bem ao Iron Maiden. Pois a banda decolou de vez quando Dickinson se juntou à mesma em 1982, no álbum “The Number Of The Beast”. E cantor, que antes disso atuava como vocalista do Samson, banda sem uma razoável notabilidade na cena (não se comparada ao “sacrossanto” Iron Maiden), ficou conhecido mundialmente e se tornou um ícone, um deus protetor dos cavaleiros defensores do metal após o lançamento de seu primeiro álbum na banda do magnânimo e igualmente adorado baixista Steve Harris.

O que é de se admirar é que a carreira solo de Dickinson, que teve início em 1990, com o álbum “Tattooed Millionaire”, não seja tão – ou mais (sim, ou mais) – enaltecida que o Iron Maiden. Enquanto o Iron Maiden passou mais de um quarto de século praticamente (sem entrar nas particularidades da imensa discografia da banda) na mesma, Bruce Dickinson, ao longo de seis álbuns, experimentou, inovou e mostrou ao mundo uma face criativa competentíssima que pouco aparecia no Iron Maiden. Ele foi do hard rock à lá Los Angeles ao hard rock pesado com influências de música latina. Do rock alternativo ao metal.

Tudo bem, ninguém está chamando de estúpido aqueles que preferem Iron Maiden à carreira solo de seu principal vocalista. Afinal de contas, existe a conhecida, adorada e velha questão de gosto. E, além do mais, todo mundo sabe que é difícil competir com “o Maiden”. Bandas e bandas competentíssimas são superadas pela “Harris and Associates”, tanto no sentido de vendas, como no sentido de preferência unânime. Por que, então, alguém iria propor que apenas um simples e mortal homem (sim, mortal, pois Dickinson só é um deus absoluto no Maiden) batesse o Iron? Loucura.

A discografia solo da carreira de Bruce Dickinson é composta por seis álbuns de estúdio, dois álbuns ao vivo e uma compilação. O primeiro álbum é “Tattooed Millionaire” (1990), lançado paralelamente às atividades de Dickinson no Iron Maiden. Esse primeiro álbum e toda a experiência solo de Bruce surgiram quando o vocalista foi convidado a escrever uma música para a trilha sonora da 5ª parte do filme de Freddy Krueger, “A Hora do Pesadelo” (“A Nightmare On Elm Street”). Origina-se daí “Bring Your Daughter To The Slaughter”, que fora gravada pelo Iron Maiden numa versão alternativa no criticado “No Prayer For The Dying” (1990).

“Tattooed Millionaire” traz uma sonoridade absolutamente diferente da proposta pelo Iron Maiden até então. O álbum, com Janick Gers nas guitarras (que viria a substituir Adrian Smith no Iron Maiden no mesmo ano), Andy Carr no baixo e Fabio Del Rio na bateria, traz um competentíssimo hard rock, semelhante ao feito pelas bandas que inundavam a cena hard no final dos anos 80 e início da década de 90. Os destaques do álbum, além da faixa título, que se tornaria um dos grandes hits da carreira de Dickinson, são “Son Of A Gun”, “Born In ‘58”, “Gypsy Road”, “Dive! Dive! Dive!” e a versão para “All The Young Dudes”, gravada pelo Mott The Hoople, em 1972.

A atmosfera de “Tattooed Millionaire” recupera o lado rock n’roll esquecido pela maioria das bandas da época. Jaquetas de couro e jeans azul tomaram de novo o seu lugar que fora roubado por toda a purpurina e colorido exagerado dos anos 80. Além disso, Bruce apresenta uma abordagem vocal diferente daquela que o fez famoso, cheia de tons altos e melódicos. Dickinson, agora, apostara em uma performance mais visceral, rasgada e agressiva. O Iron Maiden também se afastara daquela coisa de calças apertadas e coloridas. Seus primeiros álbuns dos anos 90, “No Prayer For The Dying” e “Fear Of The Dark” (1992), o último álbum de estúdio com Bruce Dickinson na banda, antes de sua saída em 1993, também trazem, tanto no visual, quanto na sonoridade, um espírito mais "rocker" e menos “espetaculoso”, que marcou os lançamentos e turnês astronômicas de álbuns como “Powerslave” (1984) e “Seventh Son Of A Seventh Son” (1988).

Em 1993, Bruce Dickinson deixa o Iron Maiden para se dedicar à carreira solo. Em 1994 é lançado seu segundo álbum, “Balls To Picasso”, com influências de música latina, certamente trazidas pelo grupo de rock latino que tocou com Dickinson neste álbum (e em outros dois), o Tribe of Gypsies, banda do famoso guitarrista e produtor Roy Z (Helloween, Judas Priest, etc.). Além de Roy, a nova banda de Bruce tinha Edward Casillas no baixo, David Ingraham na bateria e Doug Van Booven na percussão.

“Balls To Picasso” pode ser visto como um álbum de hard rock, porém diferente da proposta de “Tattooed Millionaire”. O disco é mais pesado e traz um clima mais obscuro, como nas canções “Cyclops”, “Hell No” e “Change Of Heart”. Outros destaques do álbum são “Fire”, “1000 Points Of Light” e dois dos grandes hits da carreira de Bruce: “Laughing In The Hiding Bush” e “Tears Of The Dragon”. Não dá pra esquecer a ótima, pesada e emocionante “Gods Of War”, que traz uma performance impecável de Bruce Dickinson, que se mostra mais solto e consciente como músico.

No ano seguinte seria lançado “Alive In Studio A”. Um controverso álbum duplo ao vivo: o primeiro disco trazia versões das canções solo de Bruce gravadas ao vivo em estúdio; o segundo, com o repertório praticamente idêntico, trazia uma apresentação no famoso clube londrino The Marquee. As músicas que compunham o álbum eram em sua maioria extraídas de “Balls To Picasso”. O repertório de “Tattooed Millionaire” fora praticamente ignorado: apenas “Tattooed Millionaire”, “Born in ‘58” e “Son of a Gun” foram tocadas. Ótimas canções como “Dive! Dive! Dive!” e “Gypsy Road” ficaram de fora. A banda que acompanhou Bruce era composta por Alex Dickson na guitarra, Chris Dale no baixo e Alessandro Elena na bateria.

“Alive In Studio A” é interessante se observarmos o modo como algumas músicas ficaram quando tocadas ao vivo. “Cyclops” e “Son of a Gun”, por exemplo, ficaram ainda mais pesadas. Além da performance de Bruce, que, sob certos aspectos (como a interpretação visceral e a tonalidade usada), nestas canções, ficou superior às versões originais. “Shoot All The Clowns” também merece ser destacada pela forma solta como ficou tocada ao vivo. As demais canções não tiveram nenhum ponto absolutamente notável.

Em 1996, Bruce lança “Skunkworks”, gravado com a mesma banda que o acompanhara em “Alive In Studio A”. Esse lançamento marca um proposital e (aparentemente) definitivo afastamento de Bruce do heavy-metal. “Skunkworks” é considerado por muitos como a pior coisa que Bruce Dickinson já lançou em sua vida. O álbum, composto praticamente inteiro por Bruce e Alex Dickson, foi taxado pela crítica como um álbum de Grunge, primeiramente em função de sua sonoridade e pelo fato do produtor do álbum, Jack Endino, ter trabalhado com o Nirvana, um dos grandes expoentes do movimento surgido em Seattle (EUA) no final dos anos 80 e início da década seguinte.

“Skunkworks” pode ser dito como o principal pilar de resistência de Bruce contra um mundo que dizia a que o lugar do cantor era no Iron Maiden, tocando o “glorioso” heavy-metal que o fez famoso. Além de essa rebeldia ter ficado explícita na sonoridade – próxima ao rock alternativo – de “Skunkworks”, completamente avessa a tudo já escrito pelo músico, Bruce aparece de cabelos mais curtos, com um visual mais leve e aproximado do pop. Na canção “I Will Not Accept The Truth”, aos berros, Bruce responde às críticas do mundo: “Você diz que eu nunca vou conseguir. Pois me aguarde!”.

“I Will Not Accept The Truth”, um dos principais destaques de “Skunkworks”, é uma declaração de resistência, interpretada por Bruce de forma magistral e surpreendentemente dramática e agressiva. Outros pontos fortes do álbum são “Space Race”, o hit “Back From The Edge”, “Inertia”, “Dreamstate” (comparada a “Black Hole Sun” do Soundgarden), “Strange Death In Paradise”, a agressiva “Innerspace” e a admirável “Octavia”, que levanta um interessante questionamento sobre vida após a morte. Tudo interpretado por uma banda competentíssima e pela voz de Bruce, ora melódica, ora agressiva.

Em 1997, Bruce Dickinson cede: retorna ao heavy-metal com “Accident Of Birth”, seu quarto trabalho solo. Nesta época, Steve Harris criticou o vocalista, dizendo que “Bruce tocaria Country Music se isso vendesse bem”. O fato é que, em questões de criatividade, “Accident Of Birth” traz um heavy-metal anos luz à frente do praticado pela maioria dos artistas considerados deuses do estilo, inclusive o Iron Maiden. É neste ano que Bruce, para o espanto do mundo, aparece com os cabelos totalmente curtos.

A banda que acompanhou Bruce Dickinson foi novamente o Tribe Of Gypsies de Roy Z. e companhia. Além disso, para ocupar o posto na outra guitarra, Adrian Smith, ex-guitarrista do Iron Maiden, que até então estava trabalhando com projetos solos e sua banda Psycho Motel, fora chamado. Mesmo sendo um autêntico álbum de heavy-metal tradicional e trazendo músicas absolutamente cheias de clichês do estilo, como “Road To Hell” e “The Magician”, “Accident Of Birth”, cuja arte de capa foi feita pelo famoso Derek Riggs, consagrado pelo “Eddie” do Iron Maiden, incorpora em sua sonoridade elementos que o fazem diferente das demais produções da cena. O álbum tem uma atmosfera forte, proporcionada pelo uso de teclados e guitarras com uma carga extra de peso e distorção.

Os destaques do álbum, além da faixa título, ficam por conta de “Freak”, que abre o álbum com toneladas de peso, “Taking The Queen”, as emocionantes “Darkside Of Aquarius” e “Man Of Sorrows”, além de “Welcome To The Pit” e “Omega”. “Arc Of Space”, arranjada com belas melodias de violão, fecha o álbum que facilmente pode ser enquadrado como um dos melhores discos de heavy-metal da década.

Em 1998, Bruce Dickinson supera “Accident Of Birth” e lança a sua obra de arte, seu ápice artístico: “The Chemical Wedding”, composto e gravado pela mesma formação do álbum anterior. Mais pesado, obscuro e maduro, “The Chemical Wedding”, é um álbum de metal ainda mais fantástico que “Accident Of Birth”. Afastado dos clichês do estilo, o disco é baseado nas obras do pintor e poeta inglês William Blake (1757 – 1827). Temas como alquimia e religião são embalados por um instrumental competente e assombrosamente pesado – segundo a lenda, os guitarristas usaram cordas de baixo para acentuar o peso das guitarras.

É uma injustiça destacar apenas algumas músicas de um disco composto por 10 obras de arte, mas, mesmo assim, da para se dizer que as que mais chamam a atenção são: “King In Crimson”, “The Tower”, “Book of Thel”, “Jerusalem”, “Trumpets Of Jericho”, “Machine Man”, “The Alchemist” e a bela faixa título. É em “The Chemical Wedding” que Bruce mostra o lado mais poderoso de sua voz, mesclando momentos absolutamente melódicos, com tons baixos, com momentos agressivos, viscerais, com tons altos e potentes.

Infelizmente, “The Chemical Wedding” é o último álbum de estúdio de uma seqüência de lançamentos geniais do vocalista. Após isso, em 1999, “Scream For Me Brazil”, álbum gravado ao vivo no Brasil (sério?), é lançado, sendo o último álbum solo de Bruce antes de sua “incrível”, “fantástica” e “orgasmática” volta ao Iron Maiden.

“Scream For Me Brazil” foi gravado na turnê de “The Chemical Wedding”, marcando o fim da produtiva união de Tribe Of Gypsies com Dickinson – Bruce continuaria trabalhando somente com Roy Z. “Scream For Me Brazil” traz 12 canções oriundas de “Balls To Picasso”, “Accident Of Birth” e “The Chemical Wedding”. Canções de “Tattooed Millionaire” e “Skunkworks” foram deixadas de lado. Reclamar disso não é como o saudosismo fanático dos fãs do Iron Maiden, que crucificariam a banda caso não tocassem as músicas mais antigas. Bruce Dickinson solo, lançando seu segundo álbum ao vivo com algumas de suas mais clássicas canções, não é o mesmo que o Iron Maiden lançando o seu décimo álbum ao vivo com “The Number Of The Beast” e “The Trooper”. Estas duas músicas já bateram todos os recordes quanto ao número de apresentações e gravações ao vivo, além de já terem enchido o saco de todo mundo, ao contrário de “Tattooed Millionaire”, “All The Young Dudes” ou “Inertia”, por exemplo.

Neste mesmo ano, levando fãs de todas as faixas etárias – de garotos de 12 anos, ainda sem nenhum pêlo no corpo, a marmanjos barbados de 30 anos – às lágrimas e aos mais diferentes tipos de delírios, Bruce Dickinson volta ao Iron Maiden. Para aumentar ainda mais a êxtase e a euforia de toda a galáxia, Adrian Smith também volta de gaiato à banda.

A excelente carreira solo de Bruce é deixada em segundo plano. Em 2001 é lançada uma coletânea com os maiores hits da carreira solo do cantor e duas faixas inéditas: “Broken” e a ótima “Silver Wings”. As primeiras edições do álbum, chamado simplesmente de “The Best Of Bruce Dickinson”, traziam um disco bônus, com algumas músicas raras da carreira do vocalista, como a versão original de “Bring Your Daughter To The Slaughter”, “Re-Entry”, “Ballad Of Mutt”, etc.

Todas as grandes músicas da vida solo de Bruce, estão no álbum: “Tattooed Millionaire”, “Book Of Thel”, “Darkside Of Aquarius”, “Back From The Edge”, “The Chemical Wedding”, “Accident Of Birth”, “The Tower” etc. Um repertório satisfatório até mesmo para chatos que tenham pensando em reclamar a falta de “Hell No” ou “Space Race” ou qualquer outra grandiosidade que tenha ficado de fora.

Apenas em 2005 – sim, para quem lançava um álbum por ano, lançar um álbum inédito somente seis anos depois é o bastante para dizer “apenas” e constatar que uma brilhante carreira solo fora deixada de lado – Bruce lança “Tyranny Of Souls”, lançado em parceria com Roy Z, que compôs, tocou guitarra, baixo e produziu o álbum. Para a gravação do álbum, foram contratados os músicos: Juan Perez e Ray "Greezer" Burke no baixo, David Moreno na bateria e um enigmático tecladista que atende pelo pseudônimo de “Maestro Mistheria”.

“Tyranny Of Souls”, em momento ou outro, tenta recuperar atmosfera de “The Chemical Wedding”. Dá para se dizer isso em função de algumas abordagens instrumentais e principalmente pela capa, que traz “Hell”, pintura de 1485 de Hans Memling (1430 – 1494), que lembra bastante o estilo de William Blake.

O álbum traz um bom heavy-metal e um Bruce Dickinson em boa forma, entretanto, “Tyranny Of Souls” não se compara a “Accident Of Birth” ou “The Chemical Wedding”. Destacam-se no álbum “Abduction”, a balada “Navigate The Seas Of The Sun”, “Kill Devil Hill” e “River Of No Return”. Ao contrário dos dois álbuns anteriores, “Tyranny of Souls” é mais cru e direto, tanto na produção quanto na estrutura das músicas.

Estamos em 2008 e até agora não há sinal de um lançamento inédito de Bruce Dickinson em carreira solo. Em 2005, o catálogo de álbuns solo de Dickinson foi relançado em álbuns duplos que traziam material bônus. Em 2006 sai "Anthology", um pacote com três DVDs que traziam material ao vivo e vídeos promocionais da carreira solo de Bruce. Belos e interessantes caça-níqueis – ele aprendeu a lição com “Mr. Harry”.

Existem aqueles que não gostam de Bruce Dickinson solo, que o preferem à frente de sua majestade, o Iron Maiden. Existem outros que apreciam tanto Iron Maiden quanto Bruce solo. E existem também aqueles que preferem com todas as forças que Dickinson saia do Iron Maiden e volte à sua carreira solo, mesmo que isso seja um desejo bastante utópico, pois, dificilmente, em pleno século XXI, alguém deixaria uma fonte de renda inesgotável como o Iron Maiden só por amor à música. Cabe a estes questionar a volta e permanência do vocalista no Iron Maiden, já que a banda, para dizer pouco, há anos não mostra sequer metade da criatividade que os álbuns solo de Bruce mostram. Cabe a estes lamentar que um projeto tão frutífero tenha sido deixado de lado por dinheiro. Sim, dinheiro, porque esta história sobre voltar ao Iron Maiden por amor ao heavy-metal já não cola mais.

Criado em 1996, Whiplash.Net é o mais completo site sobre Rock e Heavy Metal em português. Em março de 2013 o site teve 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas e 8.590.108 pageviews. Redatores, bandas e promotores podem colaborar pelo link ENVIAR MATERIAL no topo do site.

Esta é uma matéria antiga do Whiplash.Net. Por que destacamos matérias antigas?


  | Comentários:

Todas as matérias da seção Matérias e Biografias
Todas as matérias sobre "Bruce Dickinson"
Todas as matérias sobre "Iron Maiden"

Iron Maiden: vídeos de Bruce em feira no Chile
Jon Lord: um timaço prestando tributo, veja vídeo
Separados no nascimento: Steve Harris e Bruce Campbell
Rock e metal: o outro lado das capas de discos
Iron Maiden: Steve Harris nunca gostou de "Flight of Icarus"?
1º de abril: Dois primeiros do Maiden serão regravados com Bruce
Bruce Dickinson: 450 mil dólares na maior aeronave do mundo
Iron Maiden: Gastão Moreira repassa as vindas da banda ao Brasil
Bruno Sutter: "Run To The Lepo Lepo" no Motorcycle Rock Cruise
Dj Yahel: Iron Maiden bombando numa Rave
Iron Maiden: fãs de Fortaleza ajudam crianças desnutridas
Iron Maiden: a semelhança com uma capa do Earth Wind & Fire
Bruce Dickinson: cantor pilotará jatinho em maratona beneficente
Guitar World: 10 Álbuns clássicos essenciais do Metal
Iron Maiden: Rachel Sheherazade testa conhecimentos sobre a banda

Os comentários são postados usando scripts do FACEBOOK e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Pense antes de escrever; os outros usuários e colaboradores merecem respeito;
Não seja agressivo, não provoque e não responda provocações com outras provocações;
Seja gentil ao apontar erros e seja útil usando o link de ENVIO DE CORREÇÕES;
Lembre-se de também elogiar quando encontrar bom conteúdo. :-)

Trolls, chatos de qualquer tipo e usuários que quebram estas regras podem ser banidos sem aviso. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Sobre Igor Z. Martins

Jornalista do interior do Paraná, Igor entrou no mundo do rock pesado em 1998, com "The X Factor", do Iron Maiden. Posteriormente, cairam em seus ouvidos Metallica, Guns N'Roses, Dream Theater, Megadeth, etc. Eclético, consegue escutar Oasis, Death, Pantera e Pink Floyd em sequência! Gasta mais da metade do que ganha com CDs, sendo, assim, chamado de "burro" por aqueles que acreditam que "é só baixar da Internet". Quer lhe dar um presente, fazê-lo feliz? Dê-lhe um CD! Comportar-se como criança diante de um CD novo e sentir o cheiro de encartes são marcas de sua paixão louca pela música!

Mais matérias de Igor Z. Martins no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

QUEM SOMOS | ANUNCIAR | ENVIAR MATERIAL | FALE CONOSCO

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em março: 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas, 8.590.108 pageviews.


Principal

Resenhas

Seções e Colunas

Temas

Bandas mais acessadas

NOME
1Iron Maiden
2Guns N' Roses
3Metallica
4Black Sabbath
5Megadeth
6Ozzy Osbourne
7Kiss
8Led Zeppelin
9Slayer
10AC/DC
11Angra
12Sepultura
13Dream Theater
14Judas Priest
15Van Halen

Lista completa de bandas e artistas mais acessados na história do site

Matérias mais lidas