Geordie: A primeira banda do vocalista Brian Johnson

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Bento Araújo
Enviar correções  |  Comentários  | 

Cidades industriais da velha Inglaterra serviram de berço para um bom punhado de lendários agrupamentos roqueiros. A atmosfera caótica e angustiante, o trabalho pesado e a falta de perspectivas forneceram subsídios suficientes para impulsionar carreiras de bandas tão distintas como os Animals, o Black Sabbath, o Judas Priest, o The Clash, o Venom, o Toy Dolls, o Skyclad e o Tygers Of Pang Tang.

Iron Maiden: a brincadeira de gato e rato nas capas da bandaDuff McKagan: "eu cheirei meu peso em cocaína"

No norte do país, muitas dessas bandas lutavam para conseguir um lugar ao sol (se é que ele existia). Desde a explosão beat do começo dos anos 60, a cidade de Newcastle servia de cenário para uma série de bandas e vocalistas poderosos, como Mr. Eric Burdon. Nessa escola, surgiu um sujeito chamado Brian Johnson, filho de um renomado sargento da Infantaria britânica. Brian declarou que aprendeu com seu pai como usar toda sua força e capacidade vocal.

Brian e muitos de sua geração denominavam-se um “geordie”, uma gíria que designava pessoas nascidas no norte do país, nas proximidades do Rio Tyne. A gíria “Geordie” começou a ser usada no século 19, e partiu do nome “Georgie”, o apelido do ilustre George Stephenson, o inventor da locomotiva.

Os Geordies sempre mantiveram um imenso orgulho de suas origens e faziam questão de manter suas diferenças perante o pessoal nascido no Sul do país. Esses princípios foram também o motivo motriz da banda do jovem Brian adotar o nome Geordie, lá pelos idos de 1972.

Antes do Geordie, Brian tinha passado por um grupo chamado Buffalo (não confundir com a banda australiana), onde conheceu o baixista Tom Hill. Ambos mantinham uma forte amizade com um experiente guitarrista, Vic Malcolm que tocava com os grupos Influence, Yellow e Smokestack. Como nenhuma dessas bandas vingou, resolveram unir forças, aproveitando a onda Glam, que assolava a Inglaterra com o sucesso devastador de caras como David Bowie e Marc Bolan, além de bandas como o Slade, Sweet, Mott The Hoople e muitas outras.

Imagem

Na verdade o Geordie começou em 1971, com o nome de U.S.A., sempre percorrendo o circuito de pubs, universidades e até alguns concertos para numerosas platéias em lugares abertos ao público, como praças e parques.

Imagem
As boas notícias começaram a vir de Londres, quando um sujeito da Red Bus Organisation ouviu uma fita dos rapazes e descolou um contrato pela estampa Regal Zonophone. Três meses depois saía o primeiro single da banda: "Don't Do That".

Em janeiro de 1973, esse compacto chagava na 32º posição dos charts, o que serviu de isca para a sedenta EMI cair matando. Já pela poderosa gravadora, saiu a estréia do Geordie no formato LP: "Hope You Like It", emplacando alguns hits pela Europa como “All Because Of You” (6º posição na Inglaterra), “Ain't It Just Like A Woman”, a bela balada “Oh Lord”, a vintage “Old Time Rocker” e a divertida “Geordie's Lost His Liggie”, com Brian carregando naquele tradicional sotaque dos nortistas ingleses (Geordies). Essa última tornou-se um dos pontos altos dos shows do grupo.

Imagem
Em 1974 é a vez de "Don't Be Fooled By The Name", com a banda firmando sua identidade, como mostram as faixas “Going Down”, “Got To Know”, “Mercenary Man” e uma versão para “House Of The Rising Sun”.

A exemplo do registro anterior, o elepê saiu milagrosamente no Brasil, só que ainda mais caprichado, dessa vez com capa dupla e tudo mais. Dois anos depois sai mais um álbum, "Save The World". Salvem o mundo da disco music, da new wave e do punk rock, que minavam cada vez mais grupos como o Geordie, tratados dali pra frente como jurássicos demais para a nova geração sedenta por novidade mais agressivas ou meramente
rebolantes.

Imagem
Os shows diminuíam e a venda dos discos passava a ser risível. O jeito era se virar de qualquer maneira. Brian abandonou o grupo e lançou um disco solo que não deu em nada ("Strange Man", também de 1976). Chegou até a gravar um comercial para aspiradores de pó na TV inglesa, onde ele emprestava sua peculiar voz ao anúncio publicitário.

O Geordie durou até 1978, quando tudo foi interrompido graças a total descaso do público e da crítica com o então mais recente álbum: "No Good Woman". Dois anos depois, Brian reformula o grupo, mas recebe um convite dos irmãos Young para uma audição referente ao posto de vocalista no AC/DC. A vaga estava aberta com a morte inesperada de Bon Scott.

Brian foi e cantou “Nutbush City Limits” de Ike & Tina Turner e “Whole Lotta Rosie”, do próprio AC/DC. Ficou com a vaga, acabando mais uma vez com os planos do Geordie.

Imagem
Brian Johnson chegou ao AC/DC graças a um fã norte-americano, que com apenas 14 anos de idade, enviou um LP do Geordie para os irmãos Young, logo após ficar sabendo da morte de Bon Scott. Malcolm Young ouviu a bolacha e lembrou até de ter visto um show do Geordie, onde Brian gritou efusivamente, jogando-se ao chão, se contorcendo, enfim, uma performance histórica. Depois ficaram sabendo que na verdade Brian estava tendo um ataque de apendicite e logo após o show foi levado às pressas para o hospital!

Corre também um boato interessante: desde o início dos 70s, Bon Scott era um fã de Brian Johnson, já que uma de suas primeiras bandas (Fraternity) tinha servido como supporting act do Geordie.

Imagem
Em 1982, quando o AC/DC ia de vento em polpa com seu multi-platinado e emblemático "For Those About To Rock (We Salute You)", o Geordie voltava às atividades com Terry Schlesser no lugar de Brian Johnson. Buscando desesperadamente por um golpe de sorte, gravaram uma versão de “Nutbush City Limits”. A faixa que mudou a vida do ex-vocalista dos rapazes não teve o poder de fazer algo similar com a trajetória da recém reformulada banda.

Chegaram a gravar mais um disco, chamado "No Sweat", pelo selo Neat, sem nenhuma repercussão. Em 1985 a banda muda seu nome para Powerhouse e lança um disco homônimo, outro fracasso.

Imagem
Brian sempre se preocupou com a saúde (principalmente) financeira de seus ex-companheiros. Dos anos 90 pra cá, promoveu uma série de reencontros e shows especiais do Geordie, todos contando com sua ilustre presença, o que servia para levantar fundos aos ex-membros (um deles estava sem grana para comprar uma dentadura!). Chegaram a se apresentar com o nome de Geordie II e gravaram duas faixas, “Biker Hill” e uma nova versão para “Wor Geordie's Lost His Liggie”, ambas para uma compilação chamada "Northumbria Anthology", uma homenagem à música e a cultura do norte inglês. Causas nobres...

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Poeira

Garagens dos Anos 60Paul Kossoff - Dor transmitida através das cordasGrand Funk Railroad: A Maior Potência do Hard Norte-AmericanoBlack Sabbath: a passagem de Ian Gillan pela bandaPower-Trios: o Hard é o gênero "onde o bicho mais pega"Blow By Blow - a baforada certeira de BeckIggy and the Stooges: Raw Power, a trilha sonora do fim do mundoIron Maiden: versões pesadas para clássicos do RockResenha - Jethro Tull (Credicard Hall, São Paulo, 20/03/2004)Muscle of LoveZZ Top: os sagrados primeiros álbuns alterados em estúdioLynyrd Skynyrd x Neil Young - Amigos ou inimigos?ScorpionsTommy Bolin: Os excessos estavam acabando com aquele caraMountain - discografia comentadaJerry Lee Lewis: o dia em que ele quase matou John LennonThin LizzyMassageie sua mente com este ácido orgasmo auditivoThe James Gang - A gangue encrenqueira do rockDuane Allman: o auge do Derek And The DominosOs 30 anos da morte de Marc BolanKen Hensley: seguindo sonhos, como nos bons temposLed Zeppelin no Brasil: sonho que pode se realizarFestivais Ao Ar Livre no Brasil que não aconteceramThe Who: Quinze minutos de fama no lugar de Keith MoonPoeira: Rockstars e as bandas que eles sonhavam fazer parteBon Scott, o eterno Rocker...Blind Faith: uma das capas mais polêmicas da históriaA jubilosa estréia do Moby GrapeJethro Tull: a fúria de Ian Anderson pra cima do Led ZeppelinAC/DC: os últimos dias do vocalista Bon ScottBlack Sabbath: a "era 'Mob Rules'"Todas as matérias sobre "Poeira"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 11 de março de 2015

Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "Poeira"Todas as matérias sobre "Geordie"Todas as matérias sobre "AC/DC"

Iron Maiden
A brincadeira de gato e rato nas capas da banda

Duff McKagan
"Entre 1989 e 1993 eu cheirei meu peso em cocaína"

Rock e Metal
E se as capas dos álbuns fossem honestas?

Cristina Scabbia: "Símbolo sexual? Fico surpresa com isto!"Zakk Wylde: Aerosmith é tão falso quanto Britney Spears?Iron Maiden: desvendando a música "Paschendale"Bon Jovi: fotos de vocalista com mulheres nuas em 1985Floor Jansen: cantora diz que "crítica" ao Slayer foi retirada do contextoDeep Purple: Blackmore, sempre simpático nas entrevistas

Sobre Bento Araújo

Bento Araújo nasceu em 1976. É jornalista profissional e adora a música dos anos 60 e 70. É o editor chefe da Poeira Zine, a única publicação do país dedicada à música dos bons tempos. Lá ele escreve os textos, faz a diagramação, cuida da arte, do visual, faz 'a social' com os anunciantes, distribui, faz correio, banco, responde os e-mails e as cartas e também limpa o banheiro da redação... Além de tudo isso, o cara ainda tira uma onda tocando contra-baixo pela noite paulistana, além de vez ou outra fazer um 'bico' em alguma loja de discos em troca de raridades vinílicas... O Editor também oferece seus serviços jornalísticos e musicais a quem se interessar... (nada que uns bons dólares não possam resolver...)

Mais matérias de Bento Araújo no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online