Beatles Excursionam a America

WHIPLASH.NET - Rock e Heavy Metal!

Beatles Excursionam a America


  | Comentários:

É difícil acreditar, mas está se completando trinta e seis anos desde que os Beatles fizeram sua primeira excursão, costa a costa, pelos Estados Unidos. Em fevereiro de 1964 visitaram o país, participando do Ed Sullivan Show e se apresentando em dois teatros, com ingressos disputados a tapa. A imprensa declarava na época, com frases de efeito, que havia uma "invasão britânica" e concluía que os Beatles "conquistavam a América." Entre aquela chegada em fevereiro e a seguinte, em agosto, os Beatles não descansaram um minuto. Gravaram um disco e filmaram o longa-metragem "A Hard Day’s Night"; excursionaram pela Europa e Austrália e ainda acharam tempo para compor e iniciar as gravações de algumas músicas que acabariam no álbum "Beatles For Sale". No dia 18 de agosto, chegaram na costa da Califórnia com o cansaço estampados nos rostos.

Apesar de toda a confiança que o empresário Brian Epstein depositava na banda, havia nervosismo e incertezas em todos. Uma coisa é tocar em alguns poucos centros, como fizeram em Nova York e Washington D. C. em fevereiro, mas varrer o país como estavam por fazer, era outra história. Os Rolling Stones tentaram o feito em junho, em menor escala, e fracassaram terrivelmente. É bom lembrar que a esta altura dos acontecimentos, os Stones já eram dados como mais populares em Londres do que os Beatles. Na pergunta feita por George Harrison ao repórter do "Liverpool Echo", "A América tem de tudo, porque eles iriam nos querer?", pode-se perceber a incerteza na mente do grupo.

A proposta certamente era assustadora. Os quatro rapazes de Liverpool teriam que se apresentar em 26 casas, quase todas estádios ou arenas, fazendo 31 shows em 27 dias. Teriam direito a um total de sete dias de descanso, o que os obrigaria a tocar mais de uma vez por dia. Mas antes desta louca maratona musical iniciar, houve um show de negociações estrelado pelo grande artista invisível ao público, Brian Epstein. Foi o seu trabalho de conseguir que a Capitol passasse a dar uma maior atenção aos Beatles e divulgasse mais "I Want To Hold Your Hand", que detonou a onda que culminaria com a chegada dos Beatles no Ed Sullivan Show. Depois desta aventura americana realizada em fevereiro, os convites eram tantos que tomaram quase cinco meses de planejamento.

Se em 1964 o maior artista americano era possivelmente Bob Hope, que cobrava cerca de US$15,000 por show, a excursão dos Beatles exigia o mínimo de US$20,000, ou entre 40 a 80% da bilheteria. Nos Estados Unidos, naquele ano, a faixa etária de maior população beirava os 17 anos e os organizadores dos espetáculos sabiam que fariam dinheiro, não importasse as exigências. Difícil para alguns foi convencer os bancos a financiar o adiantamento necessário. Entre as ofertas, Epstein deu preferência às cidades onde haviam os maiores índices de vendagem de discos dos Beatles.

Uma de suas exigências na época causou espanto e irritação para muita gente. O valor teto de um ingresso teria que ser de US$5.50, assinalado em contrato. Brian objetivava garantir a presença da garotada e ao mesmo tempo não queria que uma excessiva exploração danificasse a boa imagem que o grupo conquistara. Era certo que os Beatles poderiam cobrar o dobro ou triplo deste valor nos ingressos melhores, mas Epstein, com o consentimento da banda, não permitiu. Na prática, muitas casas venderam ingressos a US$6.50, e na mão de cambistas no próprio dia dos shows havia ingressos sendo vendidos a US$15, US$25 e até US$35.

Outras exigências sem precedentes tratavam das medidas mínimas do palco em que eles iriam se apresentar, detalhes dos equipamentos que teriam que ser fornecidos e a garantia de um engenheiro de som de primeira linha para cada espetáculo. Também sob contrato, a garantia de no mínimo cem policiais uniformizados dentro do estádio ou arena durante o evento, para garantir a segurança de todos. Além disso, camarins exclusivos para os Beatles e demais artistas que se apresentariam antes deles, completos com quatro camas portáteis, espelho, geladeira de isopor, uma televisão portátil e várias toalhas limpas. Como explicaria Norman Weiss, braço direito na organização da excursão, diretamente abaixo de Epstein, "Sabíamos que uma vez dentro do local do evento, eles não poderiam se locomover livremente, tendo que se contentar em ficar presos dentro do camarim por várias horas. Todas as exigências vinham das necessidades e não de vaidade." Exclusivamente para os Beatles, haveriam duas limousines, com ar condicionado e chauffeur.

Foram contratadas, para abrirem os shows, as bandas The Righteous Brothers, Jackie Del Shannon, The Exciters e o Bill Black Combo, que abriria o set e depois serviria de banda de apoio para as demais atrações. Para viajar de um lado para o outro, foi utilizado pela primeira vez o expediente de um avião exclusivo. Foi alugado através da American Flyers, firma que mantinha contratos com o exército americano, um Lockheed Electra II com capacidade para noventa e dois passageiros, pela quantia de $75.000 dólares.

Foi também contratada uma firma exclusivamente para cuidar das acomodações de toda troupe nas diversas cidades que faziam parte da excursão. Se a segurança no local das apresentações estavam garantidas sob contrato, a segurança do aeroporto até o local do evento, e para os hotéis, era outro assunto a ser lidado com precaução e estudo. Foi então contratado Ed Leffler, homem que trabalhou para a inteligência do exército americano, para negociar e planejar a segurança com as diferentes polícias de cada cidade, em cada estado. Até o detalhe de ter ternos feitos exclusivamente para essa excursão, meia dúzia para cada Beatle, não foi esquecido.

As vendas de ingressos bateram todos os recordes na história do "music business". Para se ter uma idéia, depois de garantir que seria fisicamente impossível vender todos os ingressos do Hollywood Bowl em um dia, os ingressos se esgotaram em três horas. Nunca antes acontecera nada parecido com a Beatlemania. Quando a organização dentro do Hollywood Bowl tentara negociar um segundo show, já não havia mais datas e a oferta foi recusada.

Sobre esses Estados Unidos que os Beatles encontrariam; no dia 2 de julho de 1964 o presidente Lyndon Johnson assinaria o ato de direito civil que considerava ilegal a discriminação de trabalho baseado em cor, sexo ou religião. Por meio deste decreto, seria obrigatório o fim das divisões de locais exclusivamente para brancos ou negros. Não só em restaurantes e bares, mas em escolas como também nos transportes públicos. Levaria anos até que esta situação nova fosse realmente assimilada e, durante o verão daquele ano e o dos anos seguintes, haveria guerras estourando nos guetos, mantendo a questão racial longe de ser resolvida.

No dia 1º de Agosto, o filme "A Hard Day’s Night", estreava simultaneamente na Inglaterra e nos Estados Unidos. No dia 2 os jornais falavam de um destroyer americano sendo atacado por navios norte-vietnamitas. No dia 4, a retaliação americana vem com sessenta e quatros aviões realizando bombardeios no Vietnã do Norte e, no dia 7, o Congresso dava plenos poderes ao presidente para tomar ações militares em suporte aos aliados americanos no sul asiático. Dias depois começaram a vazar histórias de que foram os Estados Unidos que provocaram o ataque ao seu destroyer. Surgem acusações dizendo que o destroyer americano acompanhou navios sul-vietnamitas enquanto estes atacavam os navios norte-vietnamitas, a 10 milhas da costa do norte do Vietnã. Depois apareceriam dúvidas se o navio americano sequer fora atacado.

Estes eventos desencadearam desconfiança nas subsequentes informações oficiais dadas à nação pelo governo americano. Criou-se o clima propício para o início do maior movimento anti-guerra, politicamente orientado e executado pelo o que se passou a chamar inicialmente de "a geração jovem" e posteriormente de "hippies". Em Times Square, houve uma marcha de "jovens esquerdistas", conforme apregoado pela mídia, para demonstrar o descontentamento com a política externa empregada em relação ao Vietnã. No dia 16 de agosto, em San Francisco, Lowell Eggemeier, de 27 anos, em um ato de protesto, desafio e desobediência civil, entra no Palácio da Justiça e, de frente ao balcão de informações, encara o atendente e prontamente acende um "cigarro" de maconha, sendo preso em seguida. Seu ato serviu para mexer com a opinião do público jovem, e outros atos de desobediência cívica seriam a tônica da década. No dia 18 de agosto, os Beatles chegavam a San Francisco.

Os Beatles, com seus cabelos compridos, se tornaram, mesmo sem prever, um fator representativo entre os jovens. O cabelo comprido não é ainda uma moda mas é encarado como uma forma de protesto. Uma maneira de demonstrar descontentamento com o sistema imposto. Se em fevereiro tudo era uma "adorável jogada publicitária" para os olhos americanos, os adultos já estavam paranóicos e insatisfeitos com a ressonância carismática que os Beatles causavam a suas crianças. A igreja culpava o demônio e os direitistas culpavam os comunistas. Em suma, a América pegava fogo.

As rádios anunciavam desde o início da manhã, "Hoje é o Dia B", uma alusão ao Dia D e à invasão da Normandia, ponto da virada da Segunda Guerra Mundial. Aqui, o Dia B era de Beatles mesmo. Todas as estações entoavam músicas dos Fab Four e o aeroporto de Los Angeles foi repentinamente invadido por uma horda de jovens estimada em mil crianças, que faziam um barulho ensurdecedor após uma estação soltar no ar o local e horário de sua chegada. Depois de uma viagem de quinze horas no Boeing 707 da Pan Am, o quarteto teve uma hora para esticar as pernas, passar pela alfândega, conversar com os repórteres e estar de volta no avião rumo a San Francisco, onde estreariam no dia seguinte.

No San Francisco International Airport, uma aglomeração estimada em cinco mil pessoas fervia no calor e na histeria. Muitos chegaram com até vinte e oito horas de antecedência. A segurança do aeroporto, como também a polícia local, nunca vira nada parecido e todos estavam tensos com o medo de uma possível catástrofe. Haviam outras quatro mil pessoas aguardando em frente ao Hilton Hotel, onde eles iriam se hospedar. Quando a polícia conseguiu levar os quatro Beatles para dentro do hotel e eles já se encontravam seguros dentro do seus quartos, todos relaxaram. Anunciaram então para o povo que cercava o hotel que eles poderiam ir para suas casas pois os Beatles já estavam em seus quartos e não fariam nenhuma aparição pública. Pronto, o pandemônio se instalou, com a criançada não aceitando o fato de ter perdido a chance de ver seus ídolos. Muitos invadiram o hotel em direção aos elevadores.

Em Cow Palace, no dia seguinte, enquanto o Bill Black Combo e demais atrações tentavam se apresentar para um público em coro gritando "We want the Beatles" (Nós queremos os Beatles), os rapazes estavam backstage conversando com a imprensa. Foram apresentados a Joan Baez e, mais tarde, Shirley Temple e sua filha de sete anos, Lori. Bastou eles subirem ao palco para que tudo ficasse claro, tamanha a quantidade de flashes das câmeras fotográficas. Para cada rapaz presente, havia pelo menos dez meninas, em um público pagante total de 17.130 pessoas, a maioria jogando "jellybabys" - uma bala colorida equivalente à nossa jujuba, que certa vez na Inglaterra os Beatles caíram na asneira de dizer que gostavam. As balas batiam nos rapazes e doíam. Tocaram seu set e logo após eles descerem do palco, duas limousines pretas fugiam pela saída dos fundos. Muitas crianças seguiram atrás mas os Beatles estavam na verdade presos em seus camarins, só podendo sair uma hora depois, escondidos em uma ambulância.

O pandemônio continuou em todas as cidades em que passaram. Em Las Vegas tiveram a oportunidade de conhecer Liberace e Pat Boone. Realizaram duas apresentações, uma às quatro da tarde, outra às oito da noite. Antes do segundo show houve uma ameaça de bomba que exigiu uma vistoria completa antes de ser considerada sem fundamento, e o show realizou-se normalmente. Em Seattle, uma menina conseguiu escalar até o palco mas foi rapidamente impedida de chegar perto dos quatro e levada embora. Depois do show, muitas das meninas chegaram até o palco para catar pedaços de balas pisadas pelos Beatles e guardar como souvenir. A limousine partiu, porém desta vez o povo conseguiu pular na frente, obrigando o veículo a parar. Foi um desastre; o teto cedeu e as portas foram arrancadas. Se tivesse alguém dentro do carro, teria possivelmente morrido, mas novamente os Beatles estavam encurralados em seus camarins, aguardando as horas passarem para poder fugir dentro de uma ambulância. Em Vancouver, tiveram que interromper o show duas vezes para pedir calma ao público e várias meninas foram levadas para uma área externa para se recuperarem. Do lado de fora do estádio, milhares de pessoas sem ingressos davam trabalho. Uma menina de onze anos foi encontrada chorando no meio do pandemônio. Aparentemente ela havia fugido de casa para ver os Beatles, mas não tinha nem ingresso nem meios de voltar.

No dia 23 de agosto o Hollywood Bowl abriria suas portas para rock 'n' roll pela primeira vez. Às sete da manhã começavam as primeiras filas para entrar. Os portões acabaram sendo abertos às 17:20, porque o Bowl já estava cercado por milhares de pessoas. No backstage, são apresentados à atriz Lauren Bacall. O show correu normalmente e a saída dos Beatles foi a mais tranqüila até então. À noite, hospedados em uma mansão que pertencia ao ator inglês Reginald Owens, houve uma festa de comemoração onde todos que faziam parte da excursão foram convidados. Entre os que compareceram e pernoitaram estavam Peggy Lipton e Joan Baez. Foram convidados também, pela parte administrativa que cuidava de entretenimentos, as mais belas fãs dos Beatles acima de 21 anos em Los Angeles.

A Capitol solicitou uma gravação do show com a intenção de lançar um disco exclusivamente para o mercado americano. Depois, ao ouvir o material, o projeto foi abortado, pois a barulheira dos 18.700 pagantes registrados estava mais audível do que a música. Surgiriam versões piratas no mercado a partir de 1970, quando a primeira gravadora pirata, "Trade Mark of Quality", foi inaugurada. No Brasil, de alguma maneira misteriosa, Big Boy, o maior e mais importante DJ na nossa história, conseguiu lançar oficialmente o disco "And The Beatles Were Born", que incluía um lado com o show do Hollywood Bowl e, no outro lado, miscelâneas de artistas variados como o show do The Who no Rock And Roll Circus. A Capitol acabaria lançando em 1977 um disco chamado Hollywood Bowl mas que mesclaria as apresentações dos Beatles tanto em 1964 quanto em 1965.

No dia seguinte, o presidente da Capitol, Sr. Livingston, que com sua esposa, a atriz Nancy Olson, patrocinavam uma fundação em prol da assistência para crianças hemofílicas, solicitaram aos Beatles comparecer a um encontro de caridade. A idéia era que, por uma doação de apenas US$ 25, as crianças poderiam passar parte da tarde com os Beatles. Nenhum adulto teria acesso sem a presença de uma criança e os convidados foram escolhidos a dedo. Quando a polícia foi contactada para a segurança, entrou em pânico. Armou barricadas, cercou a casa onde o evento seria realizado e deixou um esquadrão de choque de sobreaviso, escondido entre os arbustos durante a duração da festa. Para levar os Beatles até o local, uma residência com um imenso jardim em uma região bucólica, nenhuma firma de transportes quis o serviço. Até mesmo a Brink’s recusou, temendo ter um de seus caminhões destruídos. Finalmente uma limousine fez o translado, sob garantias de que qualquer prejuízo em relação ao carro seria ressarcido. Estiveram presentes uma pequena elite da California, como Dean Martin e seus filhos; Lloyd Bridges e suas crianças, entre eles o hoje também ator Jeff Bridges; Princesa Jasmin Khan, a filha de Rita Hayworth; Gary Lewis, o filho de Jerry Lewis; Jack Palance e sua filha Holly, entre muitos outros. Os quatro Beatles conversaram por uma hora e foram embora para descansar. À noite, Paul, George, Ringo, Derek Taylor, Mal Evans, Neil Aspinal e Roy Gerber foram jantar e assistir um filme na casa de Burt Lancaster. John ficou em casa para terminar de compor uma canção.

Em Denver, Joan Baez, que tocaria lá na noite seguinte, chegou cedo para curtir a companhia dos rapazes, pernoitando novamente com o mesmo beatle. Em Cincinnati, eles foram apresentados a Elvis Presley pela primeira vez. Elvis se queixa que comprou um baixo novo e ficou com os dedos cheio de bolhas. Depois com a imprensa, as entrevistas eram tediosas, sempre com as mesmas perguntas, que nunca eram sobre o assunto que eles queriam conversar: música. P(ergunta): Qual é sua desculpa para ter cabelos compridos? Ringo: Deixamos ele crescer. John: Não precisamos de desculpa. Você é que precisa de uma desculpa. P(para Ringo): Porque você recebe mais cartas dos fãs do que os demais? Ringo: Eu não sei mas deduzo que seja porque eles escrevem mais para mim. P: O que aconteceria se os fãs conseguissem passar pelo cerco policial? Ringo: Morreria rindo. P: De onde surgiu a idéia do seu penteado? John: Já contamos tantas mentiras a respeito que esquecemos. Paul: Na verdade tivemos a idéia na Alemanha quando uma fotógrafa amiga usou o seu cabelo assim.

Durante as apresentações, o trabalho da polícia era basicamente salvar a vida das pessoas que tropeçavam. Sim, porque uma vez que os Beatles subiam ao palco, a reação imediata era o estouro da mulherada, todas em direção ao muro de proteção. Quem tropeçava, e sempre havia algumas tropeçando, corria risco de vida. Depois haviam as meninas que desmaiavam, ou do calor ou de emoção. Em Nova York, mal os quatro saíram da limousine para entrar no hotel, alguém roubou do pescoço de Ringo, sua medalha de São Cristóvão. Dentro do hotel, através de uma linha telefônica direta com a estação WABC, com o famoso DJ Cousin Brucie na outra linha, Ringo tristonho pedia que se devolvesse a medalha dada a ele por uma tia. Cousin Brucie sugeriu que a recompensa fosse um beijinho de agradecimento e com isso a notícia se espalhou como fogo em palha. Em menos de uma hora, a pequena Angie McGowan, apareceu com a medalha, para devolver. A estação a escondeu para manter o assunto no ar por mais algum tempo, prolongando o drama. Os rapazes se divertiam conversando com diversas estações de rádios, geralmente pedindo canções de outros artistas como Fats Domino, Little Richard e Chuck Berry.

O show seria realizado no Forest Hills Tennis Stadium e, para chegar lá, foram de helicóptero. Momentos antes, ao averiguar o estádio, Bob Bonis descobriu que fora armada uma tenda vazia para os Beatles, como camarim. "Isto não serve, deveríamos estar com o camarim dentro do clube", ele tentou negociar. "Não será possível, a administração teme que eles possam estragar o lugar. Além do mais, já está tarde, os Beatles já estão no helicóptero a caminho", responderam. Bonis imediatamente puxou alguma geringonça do bolso, esticou dela uma antena e falou "Isso não é problema, ou você libera um camarim mobiliado ou eu ligo agora mesmo e mando o helicóptero voltar." "Não, não, não, eu vou conversar com eles", foi a resposta. Bonis, disfarçando um sorriso, abaixou a antena e guardou de volta no bolso seu rádio AM portátil. Quando os Beatles aterrissaram, o camarim estava pronto e aguardando. Lá conheceram Benny Goodman. Este foi para muitos a melhor apresentação da banda de toda a excursão. O público máximo do recinto era de 17.000 lugares, todos tomados. A NYPD destacou 200 homens no local e nenhum incidente maior foi registrado.

De volta no hotel, Derek Taylor segurava jornalistas e algumas celebridades, como o trio Peter, Paul and Mary, enquanto os rapazes jantavam. Bob Dylan e Al Aronowitz, que voltava de sua residência em Woodstock, foram levados direto para a suíte dos rapazes. Lá, com os quatro Beatles estavam apenas os mais íntimos, Brian Epstein, Mal Evans e Neil Aspinal, todos de Liverpool. Feitas as apresentações, em meio às conversas iniciais os rapazes ofereceram suas pílulas, uma cortesia entre músicos que geralmente necessitam de anfetaminas para agüentar o pique exigido pela carreira. Dylan declinou e ofereceu em troca maconha para relaxarem.

É largamente divulgado hoje em dia que Bob Dylan apresentou maconha para os Beatles, mas isto é só parcialmente verdade. Os Beatles fumaram maconha certa vez em Hamburgo, lugar onde eles conheceram, pela primeira vez, muitas coisas. Mas não curtiram muito pois ficaram apenas rindo à toa, não levando a nada. Brian foi o primeiro a se pronunciar, "Os Beatles nunca fumaram maconha". Dylan, confuso, perguntou sobre a canção em que a letra diz "And when I touch you, I get high, I get high" (E quando eu lhe toco, fico alto, fico alto). "Mas a letra não é essa", retrucou Lennon. "A frase é ‘I can't hide’" (Não consigo esconder). Enganos a parte, Dylan ofereceu acender um, se o pessoal estivesse interessado. Pediu que as portas fossem trancadas, as luzes apagadas, enquanto incensos e velas foram acesos. Foi explicado como inalar a fumaça e, durante o decorrer da noite, Dylan fez desenhos com a brasa do incenso e os papos fluíram soltos. Se em Hamburgo a experiência não teve graça, desta vez eles realmente relaxaram e se divertiram. Maconha passou a fazer parte dos acessórios de recreação da banda.

Na entrada de um dos hotéis em que eles se hospedaram, Bonis ouviu uma mãe conversando com sua filha: "Uma vez que você chega lá em cima, tenha a certeza de que John Lennon está no quarto. Aí grite ‘estupro!’. Estaremos ricos." Em Filadélfia, um Sr. Charles Finley, dono de um clube de baseball em Kansas City, ofereceu US$150,000 para que os Beatles abrissem mão de um dia de descanso e se apresentassem em sua cidade. O convite já fora negado quando ainda estava em US$50,000, e depois em US$75,000, mas agora o dinheiro ajudaria a pagar várias despesas hoteleiras extras que acumularam. Brian consultou os rapazes, explicando o fator histórico de serem os primeiros a receber tamanha importância por uma única apresentação e os contratos foram redigidos e assinados.

Em Indianapolis, às cinco da manhã, Ringo, com insônia, solicitou que dois guardas locais levassem ele para uma volta de carro, para conhecer a cidade. Durante o passeio, Ringo ganhou os dois patrulheiros com seu humor e polidez e estes o levaram até a casa de um deles, uma fazenda caipira. Ringo passeou com a filha de onze anos entre vacas e galinhas. No caminho de volta pararam para comer e Ringo assinou autógrafos para algumas crianças, incrédulas de sua boa sorte. Mais tarde, antes do show, outro aviso anônimo de um atentado à bomba é feito, mas novamente nada é encontrado e o show é realizado normalmente.

Chegaram então em Detroit, terra da Motown e da música que os Beatles tanto adoravam. Mas na eterna seqüência interminável de viagens, hotéis, entrevistas e shows, sempre iguais, com meninas berrando, flashes pipocando e balas jujubas sendo atiradas sobre eles, uma cidade acabava tendo a mesma aparência que a seguinte. As perguntas infames agora não tinham mais graça para os rapazes, já estressados pela fadiga das viagens. P: O que acham de Detroit? Paul: Estamos tendo uma ótima recepção, estamos todos lisonjeados. Mas como posso dizer que gosto de Detroit? Eu sequer pude ver a cidade. P: Ouvimos dizer que vocês não tocarão em Jacksonville se eles não permitirem a entrada de negros. Isto é verdade? Paul: Bem, pelo que ouvimos, foi permitido a eles apenas sentar nas laterais, mas não na área central. O nosso contrato prevê que nós não tocaremos a não ser que eles possam entrar onde quiserem.

Em Toronto, dez mil pessoas aguardavam a chegada dos Beatles no aeroporto desde a noite anterior, um recorde. Na chegada ao hotel, desta vez o público derrotou a polícia. John foi agarrado por uma menina e, sorrindo, lutou bravamente para se soltar. Paul teve várias meninas agarrando-o e acabou com suas roupas rasgadas. Ringo idem. Só George, o mais rápido naquele dia, saiu ileso. Depois Ringo comentou, "Acabamos ficando para trás mas a polícia agiu rápido e nos salvou". Lennon retrucou, "A melhor vista da cidade está sobre os ombros azuis da polícia". Lá fora, o canto continuava: "We want the Beatles!" Exaustos, a direção do hotel trouxe gente para congratulá-los, quando o que eles queriam era apenas comer e dormir. George passou a cumprimentar as visitas com o pé e as pessoas finalmente perceberam que estava na hora de ir embora e deixá-los descansar. Deram duas apresentações para uma arena lotada, com 16.761 pessoas por show. No dia seguinte, em Montreal, outros dois shows estavam igualmente lotados. John Lennon lutava contra um resfriado já há alguns dias, tomando injeções para segurar a saúde e agüentar o pique. Uma ameaça contra a vida de Ringo Starr foi levada a sério pela polícia, frente a problemas com a FLQ (Frente de Libertação de Quebec).

Enquanto os Beatles tocavam em Toronto, o furacão Dora varria a Florida, e com ela Jacksonville, a cidade seguinte depois de Montreal. Os planos originais eram do grupo descansar em Montreal depois do show mas, com a ameaça de vida sobre Ringo, sequer passaram pelo hotel onde tinham reservas, saindo do avião direto para os dois shows e daí de volta para o avião. O aeroplano os levou para Key West, Florida, onde descansaram por dois dias, com relativa tranqüilidade. Mesmo com a população ficando ciente de suas presenças, não foram ostensivamente molestados, uma grata surpresa. Um milionário, Tony Martinez, ofereceu sua piscina para os rapazes curtirem. Dias depois, os Beatles descobriram que a água da piscina tinha sido engarrafada e vendida como "Água Beatles", e o lucro supostamente ido para caridade. Ninguém acreditou.

Em Jacksonville o avião tinha que ficar circulando ao redor do aeroporto, aguardando o presidente Johnson deixar a cidade. O presidente passou o dia em Jacksonville para verificar os estragos deixados pelo furacão. Quando os Beatles finalmente aterrizaram, a criançada conseguiu invadir a pista. Felizmente, infiltraram-se através de um ponto oposto aonde estava o aeroplano, e o escort presidencial levou a troupe até o seu hotel. O estádio tinha diversos cameramen tentando filmar a apresentação dos Beatles, com fins comerciais. Eles já vinham tentando isso em pequenos grupos desde o início da excursão, sendo devidamente expulsos pela equipe de Epstein. Aqui não foi possível controlar previamente o fluxo destes profissionais. Derek Taylor então subiu ao palco, enquanto o povo urrava o já tradicional "We Want The Beatles!". Ele pegou um microfone e dirigiu-se ao público, "Os Beatles estão a cinco metros de distância." O povo urrava. "Eles viajaram milhares de milhas e a única coisa que os está impedindo de subir ao palco são esses senhores com suas filmadoras." E Derek apontou para os cameramen. O público vaiava os cameramen. "Silêncio! Se vocês querem que os Beatles se apresentem, por favor peçam para os policiais mostrar aos cameramen a saída". "Fora!, Fora!" o público passou a urrar, enquanto homens fardados começaram a aparecer colocando suas mãos nas lentes e retirando mais de oito profissionais com suas filmadoras. Em seguida os Beatles deram o seu concerto habitual, apesar dos ventos fortes que ainda persistiam. Do show foram para o aeroporto, a caminho de Boston.

Com a excursão já quase no final, as prefeituras das cidades aprenderam que a chegada dos Beatles em suas cidades era um fenômeno muito maior do que os cem policiais exigidos por contrato pudesse resolver. Neste terço final, a proteção, que já contou com escort presidencial em Jacksonville, tem agora polícia montada e detetives particulares, além de obrigar folgas de policiais a serem canceladas e colocar oficiais em plantão por doze horas. Nem presidente nem realeza obrigaram a tamanha movimentação de uma segurança local. Em Cleveland, quinhentos policiais fizeram hora extra, mais bombeiros e assistentes da Defesa Civil. Infelizmente, apesar da contingência, a segurança não estava emocionalmente preparada. Quase na metade do show as crianças partiram em direção ao palco, algumas atropelando outras, e alguns policiais foram feridos. O oficial Bare, encarregado da segurança, invadiu então o palco tomando um dos microfones e ordenou: "O concerto está cancelado!" Os Beatles o ignoraram e continuaram a tocar. Lennon e Harrison foram arrancados do palco pela polícia, e todos ficaram furiosos com a estupidez e falta de bom senso demonstrados por ela. Derek Taylor pediu para conversar com o público, dizendo que ele resolveria o problema, e o oficial Bare apenas riu dele. Os Beatles já estavam se arrumando para ir embora quando Derek finalmente conseguiu permissão para subir ao palco e conversar com a multidão. Novamente, como em Jacksonville, ele explicou ao público que o destino do concerto estava nas mãos deles mesmos. "Se vocês quiserem que os Beatles continuem tocando, é imprescindível que permaneçam sentados. A segurança do evento depende de sua cooperação". O público começou a entoar "Sentem, Sentem!" e as coisas pareceram voltar ao normal. Derek Taylor conseguiu de novo e os Beatles voltaram a vestir seus ternos, subiram ao palco e continuaram de onde pararam.

Em Nova Orleans, o prefeito Schiro declarou o dia 16 de setembro como o Dia dos Beatles e presenteou cada um com uma chave da cidade, e pediu autógrafos em troca. Estar ao lado dos Beatles se mostrou ser politicamente vantajoso. Antes do show, foram apresentados a Fats Domino, grande ídolo dos rapazes, em um dos momentos mais importantes da excursão para eles. Em Kansas City, 40% do contigente policial foi destacado para cuidar de assuntos ligados à segurança dos Beatles. Somente durante o furacão de 1957 tal contingente fora destacado para um único evento, comentou um oficial. Este foi o show mais caro na história do rock 'n' roll até então, os Beatles sendo pagos a US$150,000 por uma apresentação que sequer teve lotação esgotada. O dono do estádio ficou no prejuízo mas ainda assim estava feliz em tê-los trazido à cidade. Em troca, os Beatles tocaram uma música a mais, só para Kansas City e o show transcorreu sem maiores incidentes. Em Dallas, tendo o presidente Kennedy sido assassinado há menos de um ano, os Beatles se sentiram extremamente intimidados. A minutos antes dos portões serem abertos, o auditório recebeu uma ameaça de bomba mas a única coisa que a inspeção achou foi fãs escondidos nos lugares mais esdrúxulos. De se destacar, apenas o fato de o show ser uma das poucas apresentações em que os Beatles puderam se ouvir na maior parte do tempo. O último concerto da excursão foi um sucesso.

Os Beatles então tiraram dois dias de descanso na fazenda do dono da American Flyers, em Alton, Missouri, onde comemoraram o 30º aniversário de Brian Epstein. Depois voltaram a Nova York, para um show beneficente no Paramount Theater. Com todo o dinheiro que eles estavam ganhando na América, uma apresentação beneficente para crianças retardadas era uma maneira simpática de agradecer e evitar problemas futuros. Como sempre, todas as atrações anteriores à entrada dos Beatles foram insultadas e, quando os Beatles subiram ao palco, os flashes pipocaram interminavelmente e as balas jujubas voaram. Ao final do dia, Lennon e Dylan conversaram no quarto do hotel até altas horas.

Durante a volta para Londres, no dia seguinte, uma sensação de orgulho pela missão cumprida estava estampada no rosto de toda a equipe. Não havia nada que pudesse antever as proporções exageradas de entusiasmo neste continente. Se as pessoas urravam nos shows do Elvis Presley, nunca os Estados Unidos viram milhares de adolescentes acamparem em frente aos hotéis de seus ídolos como aconteceu em todos os lugares por onde os Beatles passaram. Foi reportado que apenas o assassinato de John Kennedy conseguiu se igualar, em termos de quantidade de matéria, ao espaço ocupado nos jornais pelos Beatles. Mais do que um sucesso comercial, esta foi a excursão que criou o modelo para os grandes concertos das décadas seguintes.

Para o ano seguinte, a amplificação especificamente desenhada para as excursões dos Beatles seria utilizada, dando início aos "Sound Systems" que hoje até os cinemas mais sofisticados oferecem. Rock 'n' roll, a partir de então, realmente passaria a ser levado a sério; primeiro pelo dinheiro que demonstra poder levantar e em segundo, pela vigilância sob a segurança do público e dos astros, que o frenesi exige. Para os Beatles, as excursões seriam muito como foi definido no filme "A Hard Day’s Night", onde a vida se tornara uma interminável seqüência que girava em torno de um avião e um quarto, um carro e um quarto, um quarto e um quarto.

O Itinerário

19 Ago - Cow Palace San Francisco, California
20 Ago - Convention Hall Las Vegas, Nevada
21 Ago - Seattle Center Coliseum Seattle, Washington
22 Ago - Empire Stadium Vancouver, British Columbia; Canada
23 Ago - Hollywood Bowl Los Angeles, California
26 Ago - Red Rocks Stadium Denver, Colorado
27 Ago - Cincinnati Gardens Cincinnati, Ohio
28/29 Ago - Forest Hills Tennis Stadium Queens, New York
30 Ago - Convention Hall Atlantic City, New Jersey
2 Set - Convention Hall Filadélfia, Pennsylvania
3 Set - Indiana State Fair Coliseum e Grandstand Indianapolis, Indiana (2 shows)
4 Set - Milwaukee Auditorium Milwaukee, Wisconsin
5 Set - International Amphitheater Chicago, Illinois
6 Set - Olympia Stadium Detroit, Michigan
7 Set - Maple Leaf Garden Tornonto, Ontario; Canada
8 Set - The Forum Montreal, Quebec
11 Set - Gator Bowl Jacksonville, Florida
12 Set - Boston Gardens Boston, Massachusetts
13 Set - Baltimore Civic Center Baltimore, Maryland
14 Set - Pittsburgh Civic Arena Pittsburgh, Pennsylvania
15 Set - Public Auditorium Cleveland, Ohio
16 Set - City Park Stadium New Orleans, Louisiana
17 Set - Athlete's Stadium Kansas City, Kansas
18 Set - Memorial Coliseum Dallas, Texas
20 Set - Paramount Theater Manhatten, New York

O Repertório

Twist And Shout
You Can't Do That
All My Loving
She Loves You
Things We Said Today
Roll Over Beethoven
Can't Buy Me Love
If I Fell
I Want To Hold Your Hand
Boys
A Hard Day’s Night
Long Tall Sally

Fonte: A Hard Day’s Night in América, de A. Rayl

Criado em 1996, Whiplash.Net é o mais completo site sobre Rock e Heavy Metal em português. Em março de 2013 o site teve 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas e 8.590.108 pageviews. Redatores, bandas e promotores podem colaborar pelo link ENVIAR MATERIAL no topo do site.

Esta é uma matéria antiga do Whiplash.Net. Por que destacamos matérias antigas?


  | Comentários:

Todas as matérias da seção Matérias e Biografias
Todas as matérias sobre "Beatles"

Bateristas: canhotos que tocam de forma diferente
Beatles: A influência dos Fab Four em faixas de Raul Seixas
De Morrisey aos Beatles: canções sobre obsessivos e compulsivos
John Lennon: dentista canadense ainda sonha com clone do músico
Discos: Capas vistas no Google Street View
Parcerias Brilhantes: duplas que marcaram história
Paul Mccartney: em clássico da NBA se divertindo com a Kiss Cam
Mais capas de álbuns: a história do rock no Google Street View
Beatles: há exatos 50 anos, banda estabelecia recorde inquebrável
Rock e metal: o outro lado das capas de discos
Stevie Riks: um "ressuscitador" de Rockstars
Cobain, Lennon e Elvis: para cervejaria todos eles estão vivos
Bem vivos: Elvis, Cobain, Lennon e outros em comercial de cerveja
Separados no nascimento: Ringo Starr e Pit Bicha
Paul McCartney: trilha sonora para filme de animação

Os comentários são postados usando scripts do FACEBOOK e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Pense antes de escrever; os outros usuários e colaboradores merecem respeito;
Não seja agressivo, não provoque e não responda provocações com outras provocações;
Seja gentil ao apontar erros e seja útil usando o link de ENVIO DE CORREÇÕES;
Lembre-se de também elogiar quando encontrar bom conteúdo. :-)

Trolls, chatos de qualquer tipo e usuários que quebram estas regras podem ser banidos sem aviso. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Sobre Márcio Ribeiro

Nascido no ano do rato. Era o inicio dos anos sessenta e quem tirou jovens como ele do eixo samba e bossa nova foi Roberto Carlos. O nosso Elvis levou o rock nacional à televisão abrindo as portas para um estilo musical estrangeiro em um país ufanista, prepotente e que acabaria tomado por um golpe militar. Com oito anos, já era maluco por Monkees, Beatles, Archies e temas de desenhos animados em geral. Hoje evita açúcar no seu rock embora clássicos sempre sejam clássicos.

Mais matérias de Márcio Ribeiro no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

QUEM SOMOS | ANUNCIAR | ENVIAR MATERIAL | FALE CONOSCO

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em março: 1.258.407 visitantes, 2.988.224 visitas, 8.590.108 pageviews.


Principal

Resenhas

Seções e Colunas

Temas

Bandas mais acessadas

NOME
1Iron Maiden
2Guns N' Roses
3Metallica
4Black Sabbath
5Megadeth
6Ozzy Osbourne
7Kiss
8Led Zeppelin
9Slayer
10AC/DC
11Angra
12Sepultura
13Dream Theater
14Judas Priest
15Van Halen

Lista completa de bandas e artistas mais acessados na história do site

Matérias mais lidas